Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Professor perde até R$ 300


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

24/02/2008 | 07:05


A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo resolveu neste ano atualizar o ALE (Adicional de Localidade de Exercício) pago aos professores da rede pública da ensino. Com isso, diversas escolas da região deixaram de se encaixar no sistema e muito professores perderam os 20% sobre o salário nominal recebidos mensalmente. Esse adicional varia entre R$ 150 a R$ 300 mensais no pagamento dos docentes. “Quem ficou sem o adicional, vai fazer falta”, lamenta Neusa Nakano, coordenadora da Apeoesp de Ribeirão Pires.

O ALE funcionava com um incentivo aos professores lecionarem em escolas de difícil acesso. Contudo, com a mudança, o benefício passou a ser calculado com o grau de vulnerabilidade social, que é calculado pelo Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados).

O grau de vulnerabilidade considera a região na qual a escola está localizada e seus moradores, como renda, escolaridade, composição da família, entre outros fatores.

Contudo, as escolas em regiões centrais das cidades deixaram de se encaixar nas regras para o adicional por estarem localizadas em locais de baixo grau de vulnerabilidade.

Para tentar reverter o caso, a subsede da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo) de São Bernardo pretende entrar com requerimento na secretaria para as escolas que tinham o ALE voltarem a ter.

“Em São Bernardo, 12 escolas foram excluídas, enquanto quatro entraram na lista. Contudo, há casos que descordamos, pois a Escola Estadual Nail Franco de Melo Bone, na Vila Esperança, é considerada nível 6 (maior grau de vulnerabilidade, segundo o Seade) e não tem o ALE”, explica Paulo Neves, secretário de Assuntos Educacionais da Apeoesp.

Em Ribeirão Pires, apenas duas escolas foram excluídas, mas 12 entraram para a lista do benefício. “O que questionamos é que é uma escola tem o ALE e outra que fica perto não tem”, afirma Neusa.

É o caso de Diadema, onde a escola João Carlos Gomes Cardim e a Arlindo Betio ficam no bairro Casa Grande, divididas apenas por uma rua. Mas a primeira terá o benefício e a segunda não.

Em Mauá, três escolas saíram da lista. E, enquanto em Rio Grande da Serra todas entraram no ALE, em São Caetano nenhuma recebia e, com o novo método, vão continuar não recebendoe.

Segundo a Secretaria de Educação, a lista das escolas com ALE não é definitiva e alguns casos serão reavaliados. A entidade ainda afirma que foi o Seade que fez o apontamento das escolas que terão o benefício. Já o Seade afirma que a escolha do adicional é de responsabilidade da secretaria e que apenas fornece o estudo de vulnerabilidade.

 

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;