Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Oposição quer aluguel
social de R$ 480


Bruno Coelho
Do Diário do Grande ABC

22/02/2013 | 07:00


Vereadores da oposição ao prefeito de Santo André, Carlos Grana (PT), protocolaram ontem emenda aumentando o valor do aluguel social. Projeto do petista prevê reajuste de R$ 380 para R$ 450 na quantia do benefício, mas o G-12 avalia a possibilidade em colocar a bolsa em R$ 480.

A emenda protocolada pelos oposicionistas provocou o adiamento da análise da proposta. A postergação na votação foi alvo de ironia de Almir Cicote (PSB). "Na semana passada (o governo) queria votação urgente. Aumentamos R$ 30 (no valor) e pediram adiamento. Cadê a urgência?", questionou o socialista, que disse que a majoração cabe no Orçamento do Paço.

Os petistas criticaram a mudança sugerida pelo G-12. "Desde 2009 não havia aumento do aluguel social. O valor está defasado. Os R$ 450 eram possíveis, mas a discussão foi para o lado da picuinha", alfinetou Bete Siraque (PT).

Segundo Eduardo Leite (PT), a emenda do grupo oposicionista vai atrasar o pagamento da bolsa às famílias. "Querem passar a imagem que o prefeito não quer aumentar o valor". Leite disse que há possibilidade de o chefe do Executivo estipular os R$ 450 para o aluguel social por meio de decreto, mas o projeto de lei se faz necessário porque há alterações nos critérios de locação e período do benefício - por até seis meses.

Grana descartou majorar o valor por decreto e afirmou que levará a proposta do G-12 para avaliação de sua equipe de governo. O prefeito classificou a atitude dos oposicionistas de "marcação de terreno político", porém não criticou a postura. "Não vejo problema."

São 652 famílias beneficiadas com o aluguel social, que é destinado a grupo familiar com renda  per capita de até R$ 150. Segundo o Paço, a proposta se baseia na dificuldade em locação de imóveis com os valores praticados.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Oposição quer aluguel
social de R$ 480

Bruno Coelho
Do Diário do Grande ABC

22/02/2013 | 07:00


Vereadores da oposição ao prefeito de Santo André, Carlos Grana (PT), protocolaram ontem emenda aumentando o valor do aluguel social. Projeto do petista prevê reajuste de R$ 380 para R$ 450 na quantia do benefício, mas o G-12 avalia a possibilidade em colocar a bolsa em R$ 480.

A emenda protocolada pelos oposicionistas provocou o adiamento da análise da proposta. A postergação na votação foi alvo de ironia de Almir Cicote (PSB). "Na semana passada (o governo) queria votação urgente. Aumentamos R$ 30 (no valor) e pediram adiamento. Cadê a urgência?", questionou o socialista, que disse que a majoração cabe no Orçamento do Paço.

Os petistas criticaram a mudança sugerida pelo G-12. "Desde 2009 não havia aumento do aluguel social. O valor está defasado. Os R$ 450 eram possíveis, mas a discussão foi para o lado da picuinha", alfinetou Bete Siraque (PT).

Segundo Eduardo Leite (PT), a emenda do grupo oposicionista vai atrasar o pagamento da bolsa às famílias. "Querem passar a imagem que o prefeito não quer aumentar o valor". Leite disse que há possibilidade de o chefe do Executivo estipular os R$ 450 para o aluguel social por meio de decreto, mas o projeto de lei se faz necessário porque há alterações nos critérios de locação e período do benefício - por até seis meses.

Grana descartou majorar o valor por decreto e afirmou que levará a proposta do G-12 para avaliação de sua equipe de governo. O prefeito classificou a atitude dos oposicionistas de "marcação de terreno político", porém não criticou a postura. "Não vejo problema."

São 652 famílias beneficiadas com o aluguel social, que é destinado a grupo familiar com renda  per capita de até R$ 150. Segundo o Paço, a proposta se baseia na dificuldade em locação de imóveis com os valores praticados.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;