Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 11 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA pedem que China pare
de fazer ameaças ao Japão

Líder do Pentágono fez apelo aos seus colegas em Pequim
para negociar acordos que possam neutralizar divergências



07/02/2013 | 02:43


O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, pediu à China na quarta-feira para evitar o confronto e buscar um diálogo pacífico com o Japão e outros países sobre suas disputas territoriais.

 

O líder do Pentágono disse que ele fez um apelo aos seus colegas em Pequim para negociar acordos regionais que pudessem neutralizar uma série de divergências sobre o território marítimo.

 

Segundo Panetta, ele disse aos chineses que se o interesse deles "é em uma região do Pacífico, que pode ser pacífica e que pode prosperar no futuro, você tem de fazer parte disso ", sugerindo a necessidade de esforços pela paz.

 

Questionado sobre as tensões das ilhas Senkaku (ou Ilhas Diaoyus, para os chineses) entre China e Japão, após fazer um discurso na Universidade de Georgetown, Panetta expressou preocupação de que "é o tipo de situação onde há reivindicações territoriais que poderiam finalmente sair do controle".

 

Ele acrescentou que "um país ou o outro pode reagir de uma maneira que criará uma crise ainda maior".

 

As tensões aumentaram pela disputa territorial recentemente quando o Japão afirmou que uma fragata chinesa havia colocado um navio de guerra japonês em seu radar de mísseis no Mar da China Oriental, na semana passada. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, chamou a medida de "perigosa" e "provocativa".

 

Panetta disse que a China, os EUA e outros países devem trabalhar juntos para enfrentar "desafios comuns", incluindo a pirataria, catástrofes naturais e conflitos territoriais.

 

As duas maiores economias da Ásia estão em desacordo sobre a soberania de uma cadeia de ilhas desabitadas no Mar da China Oriental. As informações são da Dow Jones.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

EUA pedem que China pare
de fazer ameaças ao Japão

Líder do Pentágono fez apelo aos seus colegas em Pequim
para negociar acordos que possam neutralizar divergências


07/02/2013 | 02:43


O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Leon Panetta, pediu à China na quarta-feira para evitar o confronto e buscar um diálogo pacífico com o Japão e outros países sobre suas disputas territoriais.

 

O líder do Pentágono disse que ele fez um apelo aos seus colegas em Pequim para negociar acordos regionais que pudessem neutralizar uma série de divergências sobre o território marítimo.

 

Segundo Panetta, ele disse aos chineses que se o interesse deles "é em uma região do Pacífico, que pode ser pacífica e que pode prosperar no futuro, você tem de fazer parte disso ", sugerindo a necessidade de esforços pela paz.

 

Questionado sobre as tensões das ilhas Senkaku (ou Ilhas Diaoyus, para os chineses) entre China e Japão, após fazer um discurso na Universidade de Georgetown, Panetta expressou preocupação de que "é o tipo de situação onde há reivindicações territoriais que poderiam finalmente sair do controle".

 

Ele acrescentou que "um país ou o outro pode reagir de uma maneira que criará uma crise ainda maior".

 

As tensões aumentaram pela disputa territorial recentemente quando o Japão afirmou que uma fragata chinesa havia colocado um navio de guerra japonês em seu radar de mísseis no Mar da China Oriental, na semana passada. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, chamou a medida de "perigosa" e "provocativa".

 

Panetta disse que a China, os EUA e outros países devem trabalhar juntos para enfrentar "desafios comuns", incluindo a pirataria, catástrofes naturais e conflitos territoriais.

 

As duas maiores economias da Ásia estão em desacordo sobre a soberania de uma cadeia de ilhas desabitadas no Mar da China Oriental. As informações são da Dow Jones.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;