Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Diadema planeja
construir rodoviária

Atualmente, morador tem de ir a S.Bernardo ou Jabaquara,
na Capital, para poder embarcar em um ônibus de viagem


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:00


Prefeitura de Diadema iniciou os estudos para a construção de terminal rodoviário no município. Atualmente, moradores da cidade precisam se deslocar para São Bernardo ou para o bairro Jabaquara, na Capital, para conseguir embarcar em um ônibus de viagem. A previsão é de que os primeiros projetos estejam prontos até o fim do semestre.

O secretário municipal de Transportes, David Schmidt, informa que ainda não foi definido o local onde será feita a estação. Inicialmente, três bairros têm preferência: Eldorado e Inamar, pela proximidade com a Rodovia dos Imigrantes, e Serraria, vizinho à região central. "Não queremos fazer no Centro, pois essa é uma área que já está sobrecarregada e congestionada. A situação ficaria pior se aumentássemos o fluxo de ônibus por lá", explica.

Para viabilizar a obra, uma das possibilidades analisadas pela Prefeitura é a de criação de PPP (Parceria Público-Privada). Dessa forma, empresa construiria o terminal e, depois, como contrapartida, receberia o lucro da operação. Outra hipótese é de que o município se responsabilize pela construção e depois passe a concessão do equipamento para a iniciativa privada, como é feito nos terminais Tietê, Barra Funda e Jabaquara, em São Paulo.

Ainda não há estimativa de investimentos para o projeto. Além das obras, a Prefeitura poderá ter gastos com desapropriações. "Em Diadema, há muitos galpões abandonados que eram usados por indústrias. Estamos avaliando utilizar um desses espaços", comenta Schmidt.

O titular da Pasta espera definir todos os detalhes do projeto até junho, para que a proposta seja apresentada para a iniciativa privada já no início do segundo semestre, quando deverá ser publicado chamamento público no Diário Oficial. Não há prazo para que a rodoviária comece a ser construída, pois o tempo irá variar de acordo com a aceitação do mercado. Schmidt estima, no entanto, que a obra estará pronta até o fim da atual gestão, em 2016

As únicas cidades do Grande ABC que não têm terminais rodoviários são Diadema, Mauá e Rio Grande da Serra. Passageiros precisam ir a municípios vizinhos para conseguir fazer viagens de ônibus. Na opinião de Schmidt, a falta do equipamento provoca transtornos aos usuários. "Essa é uma reivindicação antiga da população."

Bicicletas

Até a metade de abril, será criada ciclofaixa de lazer na Avenida Ulysses Guimarães, na Vila Conceição. Atualmente, Diadema tem 2,5 quilômetros de vias exclusivas para ciclistas aos domingos e feriados. O secretário de Transportes informa que negocia a criação de programa de empréstimo de bicicletas, semelhante ao Sancabike, de São Caetano.

Terminal Eldorado depende de decisão do MP

A reconstrução do terminal de ônibus no bairro Eldorado, em Diadema, depende de entendimento entre a Prefeitura e o Ministério Público. O equipamento foi construído em 2001 em área de proteção de manancial. Em 2002, a Prefeitura e a empresa Imigrantes - que deixou de operar em 2011 - assinaram TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com a Promotoria e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente para "sanar a irregularidade com vista ao licenciamento ambiental". Para isso, uma das soluções encontradas era a criação de praça no local.

A desativação do equipamento foi cogitada em 2011 pelo então secretário municipal de Serviços e Obras, Luiz Carlos Theóphilo. Agora, no entanto, a medida é descartada pelo atual titular da Pasta de Transportes, David Schmidt. Ele pretende se reunir nos próximos dias com integrantes do Ministério Público para que se chegue a acordo sobre outra forma de solucionar o problema ambiental. "Pode ser que, naquela época (em 2002), o terminal não era tão importante. Mas hoje, ele é fundamental para o sistema municipal de ônibus", comenta.

Cerca de 4.000 pessoas utilizam diariamente o espaço, que está completamente abandonado. Nas plataformas, não há bancos e coberturas. A sinalização vertical e de solo é falha. Buracos no asfalto e nas calçadas colocam pedestres em risco, além de danificar os coletivos. A sala de descanso dos funcionários é improvisada em um contêiner. Passageiros reclamam que, à noite, a iluminação é precária.

"Aqui, estamos expostos à chuva e ao sol. A Prefeitura só se lembra de que esse terminal existe em época de eleição", critica a inspetora Márcia Figueiredo, 26 anos. "Já faz uns três anos que isso aqui está desse jeito. Não dá para continuar assim", acrescenta a secretária Maria Fernanda Souza, 23.

Prefeitura fará diagnóstico das linhas municipais

Para melhorar a qualidade do transporte municipal, a Prefeitura de Diadema irá fazer pesquisa de origem e destino em toda a cidade. O objetivo é definir possíveis mudanças nas 23 linhas de ônibus e verificar a necessidade de criar itinerários. O diagnóstico começará a ser feito nas próximas semanas, após o início das aulas, e irá demorar cerca de 40 dias para ser concluído.

"A última pesquisa que fizemos foi em 2002. Já está muito desatualizada. Com base nesses novos dados, vamos traçar as prioridades", explica o secretário de Transportes, David Schmidt. O titular da Pasta avalia que não será necessário extinguir linhas. "Pelo contrário. Talvez tenhamos de criar, pois há bairros que não têm bom atendimento. Os números também podem mostrar se precisamos ou não aumentar a frota de ônibus", finaliza.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diadema planeja
construir rodoviária

Atualmente, morador tem de ir a S.Bernardo ou Jabaquara,
na Capital, para poder embarcar em um ônibus de viagem

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:00


Prefeitura de Diadema iniciou os estudos para a construção de terminal rodoviário no município. Atualmente, moradores da cidade precisam se deslocar para São Bernardo ou para o bairro Jabaquara, na Capital, para conseguir embarcar em um ônibus de viagem. A previsão é de que os primeiros projetos estejam prontos até o fim do semestre.

O secretário municipal de Transportes, David Schmidt, informa que ainda não foi definido o local onde será feita a estação. Inicialmente, três bairros têm preferência: Eldorado e Inamar, pela proximidade com a Rodovia dos Imigrantes, e Serraria, vizinho à região central. "Não queremos fazer no Centro, pois essa é uma área que já está sobrecarregada e congestionada. A situação ficaria pior se aumentássemos o fluxo de ônibus por lá", explica.

Para viabilizar a obra, uma das possibilidades analisadas pela Prefeitura é a de criação de PPP (Parceria Público-Privada). Dessa forma, empresa construiria o terminal e, depois, como contrapartida, receberia o lucro da operação. Outra hipótese é de que o município se responsabilize pela construção e depois passe a concessão do equipamento para a iniciativa privada, como é feito nos terminais Tietê, Barra Funda e Jabaquara, em São Paulo.

Ainda não há estimativa de investimentos para o projeto. Além das obras, a Prefeitura poderá ter gastos com desapropriações. "Em Diadema, há muitos galpões abandonados que eram usados por indústrias. Estamos avaliando utilizar um desses espaços", comenta Schmidt.

O titular da Pasta espera definir todos os detalhes do projeto até junho, para que a proposta seja apresentada para a iniciativa privada já no início do segundo semestre, quando deverá ser publicado chamamento público no Diário Oficial. Não há prazo para que a rodoviária comece a ser construída, pois o tempo irá variar de acordo com a aceitação do mercado. Schmidt estima, no entanto, que a obra estará pronta até o fim da atual gestão, em 2016

As únicas cidades do Grande ABC que não têm terminais rodoviários são Diadema, Mauá e Rio Grande da Serra. Passageiros precisam ir a municípios vizinhos para conseguir fazer viagens de ônibus. Na opinião de Schmidt, a falta do equipamento provoca transtornos aos usuários. "Essa é uma reivindicação antiga da população."

Bicicletas

Até a metade de abril, será criada ciclofaixa de lazer na Avenida Ulysses Guimarães, na Vila Conceição. Atualmente, Diadema tem 2,5 quilômetros de vias exclusivas para ciclistas aos domingos e feriados. O secretário de Transportes informa que negocia a criação de programa de empréstimo de bicicletas, semelhante ao Sancabike, de São Caetano.

Terminal Eldorado depende de decisão do MP

A reconstrução do terminal de ônibus no bairro Eldorado, em Diadema, depende de entendimento entre a Prefeitura e o Ministério Público. O equipamento foi construído em 2001 em área de proteção de manancial. Em 2002, a Prefeitura e a empresa Imigrantes - que deixou de operar em 2011 - assinaram TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com a Promotoria e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente para "sanar a irregularidade com vista ao licenciamento ambiental". Para isso, uma das soluções encontradas era a criação de praça no local.

A desativação do equipamento foi cogitada em 2011 pelo então secretário municipal de Serviços e Obras, Luiz Carlos Theóphilo. Agora, no entanto, a medida é descartada pelo atual titular da Pasta de Transportes, David Schmidt. Ele pretende se reunir nos próximos dias com integrantes do Ministério Público para que se chegue a acordo sobre outra forma de solucionar o problema ambiental. "Pode ser que, naquela época (em 2002), o terminal não era tão importante. Mas hoje, ele é fundamental para o sistema municipal de ônibus", comenta.

Cerca de 4.000 pessoas utilizam diariamente o espaço, que está completamente abandonado. Nas plataformas, não há bancos e coberturas. A sinalização vertical e de solo é falha. Buracos no asfalto e nas calçadas colocam pedestres em risco, além de danificar os coletivos. A sala de descanso dos funcionários é improvisada em um contêiner. Passageiros reclamam que, à noite, a iluminação é precária.

"Aqui, estamos expostos à chuva e ao sol. A Prefeitura só se lembra de que esse terminal existe em época de eleição", critica a inspetora Márcia Figueiredo, 26 anos. "Já faz uns três anos que isso aqui está desse jeito. Não dá para continuar assim", acrescenta a secretária Maria Fernanda Souza, 23.

Prefeitura fará diagnóstico das linhas municipais

Para melhorar a qualidade do transporte municipal, a Prefeitura de Diadema irá fazer pesquisa de origem e destino em toda a cidade. O objetivo é definir possíveis mudanças nas 23 linhas de ônibus e verificar a necessidade de criar itinerários. O diagnóstico começará a ser feito nas próximas semanas, após o início das aulas, e irá demorar cerca de 40 dias para ser concluído.

"A última pesquisa que fizemos foi em 2002. Já está muito desatualizada. Com base nesses novos dados, vamos traçar as prioridades", explica o secretário de Transportes, David Schmidt. O titular da Pasta avalia que não será necessário extinguir linhas. "Pelo contrário. Talvez tenhamos de criar, pois há bairros que não têm bom atendimento. Os números também podem mostrar se precisamos ou não aumentar a frota de ônibus", finaliza.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;