Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vigilantes param atividades e fecham 50 agências

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:03


 

Cerca de 80% dos 15 mil vigilantes do Grande ABC cruzaram os braços ontem e se manifestaram em frente ao Paço Municipal de São Bernardo, na tentativa de pressionar os patrões a conceder adicional de periculosidade de 30% sobre o salário de profissionais que desempenham atividades de segurança pessoal ou patrimonial e, portanto, estão expostos a roubos ou outros tipos de violência - na região já são pagos 18%. A lei que assegura esse direito (nº 12.740), foi sancionada em dezembro pela presidente Dilma Rousseff, porém, ainda aguarda regulamentação do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

O resultado da paralisação de 24 horas foi a não abertura de 50 agências bancárias, principalmente nas áreas centrais de São Bernardo, Santo André e Diadema, conforme informações do Sindicato dos Bancários do ABC. Existem na região 370 unidades bancárias.

Questionada sobre prejuízos gerados pela ação, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) afirmou que serão realizados "todos os esforços legais para bem atender os usuários". E observou que o MTE "já comunicou oficialmente a formação de grupo técnico para redigir as condições de aplicação da lei. Portanto, a reivindicação de aplicação imediata é descabida".

Procurado, o MTE informou que esse grupo já teve sua primeira reunião na semana passada e que deverá realizar a segunda em meados de fevereiro. Serão elaborados os detalhes da lei, quem se inclui nela e como será aplicada e, depois, o texto técnico básico será exposto em consulta pública durante 60 dias.

Segundo o presidente do Sindvig (Sindicato dos Empregados Vigilantes e Seguranças), Jorge Francisco da Silva, porém, na convenção coletiva da categoria consta que se a presidente sancionasse a lei, ela já estaria valendo. "Vamos nos encontrar nesta semana com as empresas para tentar negociação. Se o pagamento não for realizado, iniciaremos, depois do Carnaval, greve por tempo indeterminado."

Para o vice-presidente do Sevesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada de São Paulo), João Palhuca, a aplicação da lei depende de sua regulamentação, portanto, a greve será ilegal e passível a descontos nos salários e demissões. "Nós seguimos a lei. Não podemos incorrer no erro de pagar um funcionário e deixar de pagar o outro e não saber quem terá o direito de receber."

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vigilantes param atividades e fecham 50 agências

Soraia Abreu Pedrozo
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:03


 

Cerca de 80% dos 15 mil vigilantes do Grande ABC cruzaram os braços ontem e se manifestaram em frente ao Paço Municipal de São Bernardo, na tentativa de pressionar os patrões a conceder adicional de periculosidade de 30% sobre o salário de profissionais que desempenham atividades de segurança pessoal ou patrimonial e, portanto, estão expostos a roubos ou outros tipos de violência - na região já são pagos 18%. A lei que assegura esse direito (nº 12.740), foi sancionada em dezembro pela presidente Dilma Rousseff, porém, ainda aguarda regulamentação do MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

O resultado da paralisação de 24 horas foi a não abertura de 50 agências bancárias, principalmente nas áreas centrais de São Bernardo, Santo André e Diadema, conforme informações do Sindicato dos Bancários do ABC. Existem na região 370 unidades bancárias.

Questionada sobre prejuízos gerados pela ação, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) afirmou que serão realizados "todos os esforços legais para bem atender os usuários". E observou que o MTE "já comunicou oficialmente a formação de grupo técnico para redigir as condições de aplicação da lei. Portanto, a reivindicação de aplicação imediata é descabida".

Procurado, o MTE informou que esse grupo já teve sua primeira reunião na semana passada e que deverá realizar a segunda em meados de fevereiro. Serão elaborados os detalhes da lei, quem se inclui nela e como será aplicada e, depois, o texto técnico básico será exposto em consulta pública durante 60 dias.

Segundo o presidente do Sindvig (Sindicato dos Empregados Vigilantes e Seguranças), Jorge Francisco da Silva, porém, na convenção coletiva da categoria consta que se a presidente sancionasse a lei, ela já estaria valendo. "Vamos nos encontrar nesta semana com as empresas para tentar negociação. Se o pagamento não for realizado, iniciaremos, depois do Carnaval, greve por tempo indeterminado."

Para o vice-presidente do Sevesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada de São Paulo), João Palhuca, a aplicação da lei depende de sua regulamentação, portanto, a greve será ilegal e passível a descontos nos salários e demissões. "Nós seguimos a lei. Não podemos incorrer no erro de pagar um funcionário e deixar de pagar o outro e não saber quem terá o direito de receber."

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;