Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Bruce Kulick toca em Sampa

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:30


De suas mãos surgiram frases de guitarra que marcaram discos como 'Asylum', 'Crazy Nights', 'Hot in The Shade', 'Revenge' e 'Carnival of Souls', todos com a banda norte-americana Kiss, com quem tocou na fase sem maquiagem durante cerca de 12 anos, até 1996, quando o grupo se reuniu com os integrantes originais.

Hoje, com a vida corrida que se divide em shows com outra banda lendária, o Grand Funk Railroad, sua carreira solo e apresentações para relembrar seus anos com o Kiss, o guitarrista Bruce Kulick acha tempo na agenda para fazer show hoje, em São Paulo.

Acompanhado do cantor argentino Sebastian Gava e da banda brasileira Killers Kiss Cover, que conta com Tony Bordignon (guitarra), Osvaldo Montanha (bateria), Felipe Disselli (guitarra) e Fernando Luis (contrabaixo), ele toma conta do palco do Manifesto Bar, a partir das 18h. Os ingressos custam de R$ 80 a R$ 160 e podem ser comprados na bilheteria da casa e pelo site www.ticketbrasil.com.br. Amanhã ele toca em Santos, no Teatro Municipal, às 20h.

Animado, Kulick falou em entrevista ao Diário a respeito do Kiss, da relação com os fãs, da carreira e do futuro e contou que ficou noivo em dezembro em Londres. O músico aproveitou para avisar que o repertório de hoje será recheado com clássicos do Kiss gravados na sua fase com o grupo e que, algumas faixas que registrou no disco ao vivo 'Alive III', também não ficarão de fora.

"Eu tenho grandes recordações de quando toquei com o Kiss no festival 'Philips Monsters of Rock'. A América do Sul é sempre emocionante e os fãs brasileiros são extremamente apaixonados", diz o músico.

Kulick revela que por conta das comemorações dos 25 anos do álbum 'Crazy Nights', 20 de 'Revenge' - seu disco predileto - e 15 de 'Carnival of Souls', ele detalhou, como presente aos fãs, todo o processo de criação em seu site www.kulick.net. "Eu abracei meus anos com o Kiss e quis compartilhar, falando do aniversário dos álbuns. Fiz descrições muito detalhadas das músicas e dos vídeos. Como foi gravar aqueles álbuns, fazer as sessões de fotos. E você sabe, os fãs enlouqueceram."

Ele diz que não se imagina usando maquiagem, mas que sente falta dos amigos de banda. "Toquei com Gene Simmons em Los Angeles, 'War Machine' e 'I Love It Loud'. Eric Singer tocou bateria. Foi divertido. Gosto de tocar com eles", afirma.

Ocupado e feliz com o Grand Funk, Kulick observa que já toca com o grupo há 13 anos, mais tempo do que passou com o Kiss. "A banda é surpreendente. Estou muito feliz e adoro a música que tocamos. Nós realmente temos algo único e estou contente com minha contribuição."

Apesar de ainda não estar trabalhando em seu futuro disco solo, ele diz que já tem algo escrito. "Oficialmente não posso dizer que comecei o processo de meu próximo disco solo, que se chamará 'Alive IV', quer dizer, 'BK4'", brinca.

Bruce Kulick - Show. Hoje, a partir das 18h. No Manifesto Bar. - Rua Iguatemi, 36. São Paulo. Tel.: 3168-9595. Ingr.: R$ 80 e R$ 120.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bruce Kulick toca em Sampa

Vinícius Castelli
Do Diário do Grande ABC

02/02/2013 | 07:30


De suas mãos surgiram frases de guitarra que marcaram discos como 'Asylum', 'Crazy Nights', 'Hot in The Shade', 'Revenge' e 'Carnival of Souls', todos com a banda norte-americana Kiss, com quem tocou na fase sem maquiagem durante cerca de 12 anos, até 1996, quando o grupo se reuniu com os integrantes originais.

Hoje, com a vida corrida que se divide em shows com outra banda lendária, o Grand Funk Railroad, sua carreira solo e apresentações para relembrar seus anos com o Kiss, o guitarrista Bruce Kulick acha tempo na agenda para fazer show hoje, em São Paulo.

Acompanhado do cantor argentino Sebastian Gava e da banda brasileira Killers Kiss Cover, que conta com Tony Bordignon (guitarra), Osvaldo Montanha (bateria), Felipe Disselli (guitarra) e Fernando Luis (contrabaixo), ele toma conta do palco do Manifesto Bar, a partir das 18h. Os ingressos custam de R$ 80 a R$ 160 e podem ser comprados na bilheteria da casa e pelo site www.ticketbrasil.com.br. Amanhã ele toca em Santos, no Teatro Municipal, às 20h.

Animado, Kulick falou em entrevista ao Diário a respeito do Kiss, da relação com os fãs, da carreira e do futuro e contou que ficou noivo em dezembro em Londres. O músico aproveitou para avisar que o repertório de hoje será recheado com clássicos do Kiss gravados na sua fase com o grupo e que, algumas faixas que registrou no disco ao vivo 'Alive III', também não ficarão de fora.

"Eu tenho grandes recordações de quando toquei com o Kiss no festival 'Philips Monsters of Rock'. A América do Sul é sempre emocionante e os fãs brasileiros são extremamente apaixonados", diz o músico.

Kulick revela que por conta das comemorações dos 25 anos do álbum 'Crazy Nights', 20 de 'Revenge' - seu disco predileto - e 15 de 'Carnival of Souls', ele detalhou, como presente aos fãs, todo o processo de criação em seu site www.kulick.net. "Eu abracei meus anos com o Kiss e quis compartilhar, falando do aniversário dos álbuns. Fiz descrições muito detalhadas das músicas e dos vídeos. Como foi gravar aqueles álbuns, fazer as sessões de fotos. E você sabe, os fãs enlouqueceram."

Ele diz que não se imagina usando maquiagem, mas que sente falta dos amigos de banda. "Toquei com Gene Simmons em Los Angeles, 'War Machine' e 'I Love It Loud'. Eric Singer tocou bateria. Foi divertido. Gosto de tocar com eles", afirma.

Ocupado e feliz com o Grand Funk, Kulick observa que já toca com o grupo há 13 anos, mais tempo do que passou com o Kiss. "A banda é surpreendente. Estou muito feliz e adoro a música que tocamos. Nós realmente temos algo único e estou contente com minha contribuição."

Apesar de ainda não estar trabalhando em seu futuro disco solo, ele diz que já tem algo escrito. "Oficialmente não posso dizer que comecei o processo de meu próximo disco solo, que se chamará 'Alive IV', quer dizer, 'BK4'", brinca.

Bruce Kulick - Show. Hoje, a partir das 18h. No Manifesto Bar. - Rua Iguatemi, 36. São Paulo. Tel.: 3168-9595. Ingr.: R$ 80 e R$ 120.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;