Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Facultativo pode mudar contribuição e ampliar benefício

Quem começou com valores pequenos, se elevar recolhimento nos anos que faltam para se aposentar terá vantagens, aponta especialista


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

01/09/2014 | 07:12


Para quem vem contribuindo como facultativo (estudante, dona de casa ou desempregado), com pequenos valores, compensa passar a pagar sobre o teto da Previdência Social para aumentar o valor a receber de benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), mesmo que faltem apenas poucos anos para começar a receber a aposentadoria? Vale a pena, segundo especialistas. Essa era a dúvida que a dona de casa Conceição de Fátima Veríssimo Inocente, 61 anos, de São Bernardo, enviou, por e-mail ao Seu Previdêncio. Ela recolhe ao INSS desde outubro de 2003 com o objetivo de obter a aposentadoria por idade, em que há necessidade de ter (para a mulher) pelo menos 60 anos e ter feito, no mínimo, 15 anos de contribuição.

Inicialmente, durante os primeiros três anos, Conceição pagava apenas 20% sobre o salário mínimo, e depois, foi aumentando os recolhimentos (passou para 20% sobre dois mínimos, entre 2006 e 2007), foi a três e, nos últimos anos, elevou para o pagamento do percentual sobre quatro mínimos – o correspondente a R$ 579,20. Atualmente, como o teto da Previdência é de R$ 4.390,24, pagar 20% sobre esse valor equivaleria a R$ 878,05.

Para saber qual será a vantagem obtida no benefício, a equipe do Diário contatou o consultor atuarial Newton Conde, que fez dois cálculos, um para a opção de a pessoa continuar a contribuir sobre quatro salários mínimos e, o outro, sobre o teto. No primeiro caso, o benefício estimado é de R$ 2.144 e, no segundo, de R$ 2.560. “Para ela receber o segundo valor, terá de pagar, por quatro anos, uma contribuição R$ 299 maior, mas terá aumento de R$ 416 no benefício. A princípio, pode parecer uma diferença pequena mas, financeiramente, significa R$ 56 mil a mais, se formos somar (atuarialmente) esses valores ao longo da vida dela”, disse.

Ele explica que, como os valores foram calculados para o ano de 2018, tiveram influência da inflação e, por isso, foi feita a proporção do teto estimado daqui a quatro anos e aplicado sobre o limite máximo de hoje. Vale lembrar que a Previdência calcula a aposentadoria pela média de 80% das maiores contribuições a partir de julho de 1994.

O planejamento para elevar o benefício pode ser feito pelos contribuintes facultativos e individuais (os autônomos). Já quem é trabalhador registrado só consegue ampliar a contribuição ao INSS quando tem reajuste salarial ou promoção.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Facultativo pode mudar contribuição e ampliar benefício

Quem começou com valores pequenos, se elevar recolhimento nos anos que faltam para se aposentar terá vantagens, aponta especialista

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

01/09/2014 | 07:12


Para quem vem contribuindo como facultativo (estudante, dona de casa ou desempregado), com pequenos valores, compensa passar a pagar sobre o teto da Previdência Social para aumentar o valor a receber de benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), mesmo que faltem apenas poucos anos para começar a receber a aposentadoria? Vale a pena, segundo especialistas. Essa era a dúvida que a dona de casa Conceição de Fátima Veríssimo Inocente, 61 anos, de São Bernardo, enviou, por e-mail ao Seu Previdêncio. Ela recolhe ao INSS desde outubro de 2003 com o objetivo de obter a aposentadoria por idade, em que há necessidade de ter (para a mulher) pelo menos 60 anos e ter feito, no mínimo, 15 anos de contribuição.

Inicialmente, durante os primeiros três anos, Conceição pagava apenas 20% sobre o salário mínimo, e depois, foi aumentando os recolhimentos (passou para 20% sobre dois mínimos, entre 2006 e 2007), foi a três e, nos últimos anos, elevou para o pagamento do percentual sobre quatro mínimos – o correspondente a R$ 579,20. Atualmente, como o teto da Previdência é de R$ 4.390,24, pagar 20% sobre esse valor equivaleria a R$ 878,05.

Para saber qual será a vantagem obtida no benefício, a equipe do Diário contatou o consultor atuarial Newton Conde, que fez dois cálculos, um para a opção de a pessoa continuar a contribuir sobre quatro salários mínimos e, o outro, sobre o teto. No primeiro caso, o benefício estimado é de R$ 2.144 e, no segundo, de R$ 2.560. “Para ela receber o segundo valor, terá de pagar, por quatro anos, uma contribuição R$ 299 maior, mas terá aumento de R$ 416 no benefício. A princípio, pode parecer uma diferença pequena mas, financeiramente, significa R$ 56 mil a mais, se formos somar (atuarialmente) esses valores ao longo da vida dela”, disse.

Ele explica que, como os valores foram calculados para o ano de 2018, tiveram influência da inflação e, por isso, foi feita a proporção do teto estimado daqui a quatro anos e aplicado sobre o limite máximo de hoje. Vale lembrar que a Previdência calcula a aposentadoria pela média de 80% das maiores contribuições a partir de julho de 1994.

O planejamento para elevar o benefício pode ser feito pelos contribuintes facultativos e individuais (os autônomos). Já quem é trabalhador registrado só consegue ampliar a contribuição ao INSS quando tem reajuste salarial ou promoção.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;