Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Ramalhão se muda
para o 1º de Maio

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com o fechamento do Bruno Daniel para
reformas, time vai jogar no estádio do Tigre


Derek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

12/08/2014 | 07:00


O Estádio Bruno Daniel fecha oficialmente para reforma na segunda-feira e deixa o Santo André temporariamente sem casa para a disputa da Copa Paulista, na qual está invicto e na vice-liderança do Grupo 3 após a vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, domingo. E, dentre as possibilidades, a diretoria acertou com o São Bernardo FC a utilização do Estádio 1º de Maio para mandar as partidas contra o São José, dia 30, e Atlético Sorocaba, dia 6. Já os confrontos diante do Grêmio Osasco, dia 10, e Taubaté, em 21 de setembro, não têm local definido.

“Os próximos dois jogos de nosso mando serão no Estádio 1º de Maio. Para o prosseguimento do campeonato ainda está em negociação”, explicou o presidente Jairo Livólis, que confirmou negociação “direta” com o Tigre. No entanto, a equipe andreense apenas jogará na cidade vizinha. “Os treinos, até segunda ordem, serão no Bruno Daniel, enquanto não começa a reforma do gramado.”

Com o melhor campo da região, o 1º de Maio atende a pedido do técnico Ivan Izzo, que solicitou à diretoria a escolha de um estádio de característica compatível ao time. O comandante já passou por esta situação de ficar sem-teto em duas outras oportunidades e sabe que é uma necessidade.

“É uma pena ficar sem nossa casa, mas é necessário. Já tive experiência similar quando estava no Internacional e ficamos sem o Beira-Rio, e no Atlético-MG a mesma coisa, com as reformas do Mineirão e do Independência para a Copa (do Mundo). Perdemos a identidade, ficamos sem referência. Conversei, sim, com a diretoria, não tenho preferência de local, mas de um estádio e gramado que nos deem condição de fazer bons jogos. Nosso time é muito técnico e sem dúvida é fundamental ter um gramado em condições”, destacou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ramalhão se muda
para o 1º de Maio

Com o fechamento do Bruno Daniel para
reformas, time vai jogar no estádio do Tigre

Derek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

12/08/2014 | 07:00


O Estádio Bruno Daniel fecha oficialmente para reforma na segunda-feira e deixa o Santo André temporariamente sem casa para a disputa da Copa Paulista, na qual está invicto e na vice-liderança do Grupo 3 após a vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, domingo. E, dentre as possibilidades, a diretoria acertou com o São Bernardo FC a utilização do Estádio 1º de Maio para mandar as partidas contra o São José, dia 30, e Atlético Sorocaba, dia 6. Já os confrontos diante do Grêmio Osasco, dia 10, e Taubaté, em 21 de setembro, não têm local definido.

“Os próximos dois jogos de nosso mando serão no Estádio 1º de Maio. Para o prosseguimento do campeonato ainda está em negociação”, explicou o presidente Jairo Livólis, que confirmou negociação “direta” com o Tigre. No entanto, a equipe andreense apenas jogará na cidade vizinha. “Os treinos, até segunda ordem, serão no Bruno Daniel, enquanto não começa a reforma do gramado.”

Com o melhor campo da região, o 1º de Maio atende a pedido do técnico Ivan Izzo, que solicitou à diretoria a escolha de um estádio de característica compatível ao time. O comandante já passou por esta situação de ficar sem-teto em duas outras oportunidades e sabe que é uma necessidade.

“É uma pena ficar sem nossa casa, mas é necessário. Já tive experiência similar quando estava no Internacional e ficamos sem o Beira-Rio, e no Atlético-MG a mesma coisa, com as reformas do Mineirão e do Independência para a Copa (do Mundo). Perdemos a identidade, ficamos sem referência. Conversei, sim, com a diretoria, não tenho preferência de local, mas de um estádio e gramado que nos deem condição de fazer bons jogos. Nosso time é muito técnico e sem dúvida é fundamental ter um gramado em condições”, destacou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;