Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Obra do islandês Hugleikur Dagsson chega ao Brasil


Vinícius Castelli

15/07/2014 | 07:25


Se a ideia é provocar e tocar em assuntos que muitas vezes são tabus, e tudo com muito bom humor e uma pitada de sarcasmo, então acertou em cheio o islandês Hugleikur Dagsson. Tudo está estampado nas páginas da obra Como Você Pode Rir de Uma Coisa Dessas? (Editora Veneto, 160 páginas, R$ 29,90 em média), que acaba de chegar ao País.

Formado em artes plásticas pela Academia de Artes Islandesa, autor de peças de teatro e crítico de cinema, o autor emplaca no livro tiras de humor politicamente incorreto. Traços primitivos em preto e branco abordam piadas sobre assassinato e até canibalismo.

Mas nem tudo deve ser levado na brincadeira ao folhear as páginas. O autor coloca o dedo em feridas da sociedade como a homofobia, faz refletir a respeito das traições amorosas, dos maus-trattos que recebem muitas vezes os idosos e do pouco caso com a natureza.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Obra do islandês Hugleikur Dagsson chega ao Brasil

Vinícius Castelli

15/07/2014 | 07:25


Se a ideia é provocar e tocar em assuntos que muitas vezes são tabus, e tudo com muito bom humor e uma pitada de sarcasmo, então acertou em cheio o islandês Hugleikur Dagsson. Tudo está estampado nas páginas da obra Como Você Pode Rir de Uma Coisa Dessas? (Editora Veneto, 160 páginas, R$ 29,90 em média), que acaba de chegar ao País.

Formado em artes plásticas pela Academia de Artes Islandesa, autor de peças de teatro e crítico de cinema, o autor emplaca no livro tiras de humor politicamente incorreto. Traços primitivos em preto e branco abordam piadas sobre assassinato e até canibalismo.

Mas nem tudo deve ser levado na brincadeira ao folhear as páginas. O autor coloca o dedo em feridas da sociedade como a homofobia, faz refletir a respeito das traições amorosas, dos maus-trattos que recebem muitas vezes os idosos e do pouco caso com a natureza.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;