Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Jacu-Pêssego isola bairros de Mauá

Moradores do Jardim Oratório e Santa Cecília sofrem com
falta de mobilidade, sujeira e violência causadas pela obra


Cadu Proieti
Do Diário do Grande ABC

22/10/2012 | 07:00


Passados dois anos da inauguração do prolongamento da Avenida Jacu-Pêssego, moradores dos bairros Santa Cecília e Jardim Oratório, em Mauá, localizados ao lado do viário, vivem isolados. A população reclama de problemas como falta de mobilidade, perturbação, sujeira, violência e abandono.

A dificuldade de locomoção de um bairro para o outro, e até para o Centro da cidade, é o que mais incomoda. "Tenho que fazer tudo de carro, com a ajuda do meu filho. É difícil pegar ônibus, a padaria é longe, o mercado também. Ficou ruim para fazer qualquer coisa, porque a maioria dos comércios foi embora", reclamou a aposentada Maria José Viana, 68 anos.

Ela vive a poucos metros do complexo viário e teme que a alta movimentação de veículos - estima-se que 40 mil circulem pelo trecho diariamente - resulte em algum desastre de grande proporção. "Nosso maior problema é esse viaduto ao lado de nossas casas. Temos medo de acontecer alguma coisa, porque há muitas carretas e nada garante que uma delas não possa cair aqui embaixo", afirmou Maria.

A residência do cozinheiro Mario Barbosa, 46, que mora há 40 anos no bairro Santa Cecília, fica a aproximadamente quatro metros das alças de acesso da Jacu-Pêssego que ainda não foram inauguradas e há cerca de 15 metros das pistas principais do trecho. "Ninguém dorme à noite. Até pedras jogam lá de cima. Acabou com a nossa paz. É dia e noite passando caminhão, fazendo muito barulho. Só não está pior porque essa parte mais perto não está liberada. Depois que abrir, o tormento ficará completo."

Com os problemas causados pela Jacu-Pêssego, a solução adotada pelos moradores foi se acostumar com o ‘vizinho' indesejado. "Tinham prometido tirar a gente, mas isso não aconteceu. Agora, tenho que conviver com esses problemas para sempre, porque não dá mais para sair. As casas perderam o valor e ninguém quer comprar. Já reclamamos, fizemos passeata e nada adiantou", disse Barbosa.

A Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S. A.), responsável pelas obras do complexo viário, informou que não há mais necessidade de remoção de famílias em Mauá. Segundo a estatal, os moradores que permanecem no local estão em área de propriedade da Prefeitura. A administração foi procurada para falar das compensações no entorno da via, mas não se manifestou.

A Dersa informou ainda que as famílias que ocupavam áreas irregulares dentro do traçado foram retiradas por meio do Programa de Reassentamento Específico, parceria entre a Dersa e a CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano). No Jardim Oratório, foram removidas 1.929 famílias, das quais 1.695 optaram por indenização e 234 por unidades habitacionais. Nesse caso, recebem bolsa-aluguel até que as moradias sejam entregues.

Para cortar caminho, pedestres se arriscam na via

Por conta da falta de acesso entre os bairros Santa Cecília e Jardim Oratório, decorrente da construção do prolongamento da Avenida Jacu-Pêssego, pedestres que vivem no entorno do viário estão se arriscando para atravessar a via, onde circulam cerca de 40 mil veículos todos os dias.

"Não temos escolha. A única opção é passar por aqui. Como trabalho do outro lado (do trecho), sou obrigado a me arriscar entre os carros e caminhões. À noite é ainda mais perigoso, porque tem pouca iluminação", reclamou o auxiliar de produção Thiago Nascimento Veloso, 23 anos, que mora no Jardim Oratório.

A existência de um córrego abaixo da via dificulta a passagem a pé. Os moradores optam por esse caminho para encurtar o trajeto entre os bairros, utilizando as alças de acesso que ainda não foram inauguradas.

Segundo relatos dos pedestres, se não atravessassem pela Jacu-Pêssego, seriam obrigados a caminhar por cerca de 25 minutos. Ao se arriscarem passando pelo viário, o tempo é reduzido para aproximadamente cinco minutos.

A Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.) informou que o convênio assinado com a Prefeitura não prevê a implantação de passarelas entre os bairros Jardim Oratório e Santa Cecília. De acordo com a companhia, a inauguração das alças de acesso está prevista para o próximo mês. Após a abertura desses trechos ao tráfego, ficará ainda mais complicado atravessar no local.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;