Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Diversificar é saída para crise

Andréa Iseki/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Estratégia de atuação em novos segmentos ou busca de mercados em outras regiões ajuda a reduzir riscos


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

07/07/2014 | 07:04


Em meio à crise em determinados ramos da economia, como a que passa hoje a indústria automobilística, muitas empresas buscam diversificar, procurando oportunidades de negócios em outras áreas. Foi o que fez a pequena empresa DS Artefatos, aberta em 1995 em Diadema. Inicialmente ela atuava no segmento automotivo, como ferramentaria e, há cinco anos, ingressou no setor de acessórios para mobiliário residencial e comercial, com a produção de suportes para prateleiras e cabideiros.

O diretor financeiro Alexandre Demarch cita que, por causa da concorrência com os importados, a área de ferramentaria sofreu forte queda na demanda e, como estratégia, a companhia direcionou suas forças para a nova atividade. Entrar em contato com o que é feito nessa área na Itália também serviu de motivação para se fazer algo semelhante no País, relata ele.

Atualmente, a DS conta com quadro enxuto de 30 funcionários e fatura cerca de R$ 500 mil por mês. Demarch acredita que há condições de ampliar esse resultado e crescer no mercado, apesar das dificuldades da economia do País, de forma geral.

Mais do que uma forma de buscar a sobrevivência em tempos de crise, a diversificação é necessária até em momentos tranquilos para reduzir riscos e alavancar ganhos, diz o professor da FIA (Fundação Instituto de Administração), da USP (Universidade de São Paulo), Célio Placer. Ele acrescenta que a estratégia deve ser paralela a outro movimento, que é o da inovação, e exige sempre planejamento, para que o empresário pesquise, para ver onde vai expandir e se há oportunidades nessas áreas.

Placer acrescenta que isso não significa só buscar novos segmentos, mas também ampliar mercados, indo para outras regiões do País. É o que procura outra empresa que atua no ramo imobiliário na região, a Sanko Espumas, também de Diadema. Segundo o gerente de vendas Roberto Mauro Guimarães, a companhia, já consolidada no Estado de São Paulo, quer expandir sua atuação a Estados como Minas Gerais e Bahia.

A Sanko está tanto no mercado automotivo, com o fornecimento de insumo para bancos de veículos (área que representa 40% dos negócios), quanto na área de móveis (os outros 60%), e tem planos de ampliação da área fabril. Recentemente adquiriu terreno de 20 mil m², com o qual espera aumentar em 25% sua capacidade produtiva. A companhia, que conta com 550 funcionários, fabrica cerca de 1.700 toneladas/mês de espuma em sua unidade, de 56 mil m².


Região tem fornecedores de peças em feira do setor moveleiro 

Sanko Espumas e DS Artefatos, de Diadema, e também a Metalúrgica MS, de Santo André, são as indústrias do Grande ABC que estarão presentes na sexta edição da ForMóbile (Feira Internacional de Fornecedores da Indústria da Madeira e Móveis), a maior do setor moveleiro na América Latina.

O evento, que será realizado entre os dias 29 e 1º de agosto no Pavilhão do Anhembi, em São Paulo, é voltado a profissionais do ramo e é oportunidade às empresas regionais saírem de um mercado menor em busca de espaço em outras partes do País e do mundo, afirma o manager (gerente) da feira, Tatiano Segalin.

No caso da Metalúrgica MS, será a segunda participação no evento. Segundo Fagner Carvalho, da área de marketing da companhia, a ForMóbile ajuda a estreitar contato com revendas. A fabricante produz araras, sapateiras e outros acessórios para montagem de loja, além de ter atuação também em segmentos como linha de UD (utensílios domésticos, entre os quais fruteiras, suporte para papel higiênico e descanso para panelas).

Carvalho assinala que a empresa tem 20 anos de mercado e também passou por processo de diversificação. Inicialmente, fabricava molas e acessórios para pesca e, para buscar novas oportunidades, ampliou seu raio de atuação.

Hoje, a MS conta com quadro de 90 funcionários e cerca de 700 clientes, dos quais 400 na área de molas e displays de lojas, 100 deles no ramo de UD e outros 200 em acessórios. Segundo o funcionário, com a Copa do Mundo a demanda teve retração em junho, mas a expectativa é de melhora nos resultados até o fim do ano, com a expectativa de crescer 30%.
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;