Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Oswaldo Dias reassume Prefeitura

Prefeito de Mauá retoma atividades depois de 17 dias de internação na Capital


Mark Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

04/09/2012 | 06:27


 

 

O prefeito de Mauá, Oswaldo Dias (PT), reassumiu o comando da Prefeitura ontem à tarde, após 17 dias de internação na Capital, sendo onze na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). No retorno, o petista apareceu sem o bigode que ostentava desde o início da carreira política, nos anos 1970, não escondeu o susto e agradeceu às orações pela melhora de sua saúde.

O chefe do Executivo foi submetido a uma colonoscopia no dia 14 no Hospital São Paulo. A sonda utilizada para o exame feriu o seu intestino e provocou uma infecção generalizada. A equipe médica iniciou intenso tratamento com antibióticos e Oswaldo foi transferido para o Hospital Israelita Albert Einstein, de onde recebeu alta na sexta-feira.

Na primeira semana de internação, diante de informações desencontradas sobre a saúde do prefeito, boatos nas redes sociais disseminaram pela internet que o chefe do Executivo estaria com câncer, o que é categoricamente negado. "Realizei vários exames de rotina que há três anos não os fazia. Todos tiveram resultados muito bons, inclusive a colonoscopia. Portanto, não se tratou, em nenhum momento, de enfermidade pré-existente", discorreu, em nota.

O comunicado afirma que o afastamento da Prefeitura ocorreu por exigência da LOM (Lei Orgânica do Município), que não permite a ausência do prefeito da cidade por mais de 15 dias. "Durante o período (de internação) estive muito lúcido e disposto, despachando normalmente e acompanhando o trabalho desenvolvido pela administração."

A licença vigorou a partir da tarde de terça-feira, quando o vice-prefeito, Paulo Eugenio Pereira Júnior (PT), assumiu o comando da Prefeitura por tempo indeterminado. Na ocasião, o petista declarou que seria prefeito "das 8h às 17h", em virtude de ser o coordenador da campanha de Donisete Braga (PT) ao Paço. Considerando a carga horária anunciada e descontando o fim de semana, Paulo Eugenio governou a cidade por 36 horas.

 

LIÇÃO DE VIDA

Oswaldo Dias admitiu que aproveitou os dias de internação para refletir. "Todo esse processo não deixou sequelas, além do susto, da advertência e da grande lição de vida para que eu tenha mais cuidados com minha saúde e valores com a vida."

Ele encerrou a carta informando que ainda faz uso de grande quantidade de antibióticos e, novamente, agradeceu. "Aos familiares meu eterno amor e carinho. Aos amigos e amigas um forte abraço. Aos adversários meus cumprimentos e respeito."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Oswaldo Dias reassume Prefeitura

Prefeito de Mauá retoma atividades depois de 17 dias de internação na Capital

Mark Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

04/09/2012 | 06:27


 

 

O prefeito de Mauá, Oswaldo Dias (PT), reassumiu o comando da Prefeitura ontem à tarde, após 17 dias de internação na Capital, sendo onze na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). No retorno, o petista apareceu sem o bigode que ostentava desde o início da carreira política, nos anos 1970, não escondeu o susto e agradeceu às orações pela melhora de sua saúde.

O chefe do Executivo foi submetido a uma colonoscopia no dia 14 no Hospital São Paulo. A sonda utilizada para o exame feriu o seu intestino e provocou uma infecção generalizada. A equipe médica iniciou intenso tratamento com antibióticos e Oswaldo foi transferido para o Hospital Israelita Albert Einstein, de onde recebeu alta na sexta-feira.

Na primeira semana de internação, diante de informações desencontradas sobre a saúde do prefeito, boatos nas redes sociais disseminaram pela internet que o chefe do Executivo estaria com câncer, o que é categoricamente negado. "Realizei vários exames de rotina que há três anos não os fazia. Todos tiveram resultados muito bons, inclusive a colonoscopia. Portanto, não se tratou, em nenhum momento, de enfermidade pré-existente", discorreu, em nota.

O comunicado afirma que o afastamento da Prefeitura ocorreu por exigência da LOM (Lei Orgânica do Município), que não permite a ausência do prefeito da cidade por mais de 15 dias. "Durante o período (de internação) estive muito lúcido e disposto, despachando normalmente e acompanhando o trabalho desenvolvido pela administração."

A licença vigorou a partir da tarde de terça-feira, quando o vice-prefeito, Paulo Eugenio Pereira Júnior (PT), assumiu o comando da Prefeitura por tempo indeterminado. Na ocasião, o petista declarou que seria prefeito "das 8h às 17h", em virtude de ser o coordenador da campanha de Donisete Braga (PT) ao Paço. Considerando a carga horária anunciada e descontando o fim de semana, Paulo Eugenio governou a cidade por 36 horas.

 

LIÇÃO DE VIDA

Oswaldo Dias admitiu que aproveitou os dias de internação para refletir. "Todo esse processo não deixou sequelas, além do susto, da advertência e da grande lição de vida para que eu tenha mais cuidados com minha saúde e valores com a vida."

Ele encerrou a carta informando que ainda faz uso de grande quantidade de antibióticos e, novamente, agradeceu. "Aos familiares meu eterno amor e carinho. Aos amigos e amigas um forte abraço. Aos adversários meus cumprimentos e respeito."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;