Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Em Mauá, gestante espera nove horas para ter bebê

Criança prematura dependia de UTI neonatal, porém, não havia leitos vagos em 2 hospitais


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

02/07/2014 | 07:01


A pequena Lavínia tinha pressa de conhecer o mundo, mas os entraves da Saúde pública só permitiram sua chegada após a mãe, a auxiliar de loja Vanessa Alves da Silveira Araújo, 28 anos, de Mauá, esperar por sofridas nove horas para conseguir uma vaga em UTI (Unidade de Terapia Intensiva) neonatal, já que a bebê nasceria prematura.

Com 34 semanas de gestação (oito meses), a bolsa da jovem rompeu por volta das 7h na sexta-feira. Vanessa deu entrada no pronto atendimento do serviço de obstetrícia do Hospital de Clínicas Dr. Radamés Nardini às 8h22, quando se iniciou a maratona. “Quando cheguei não tinha médico para me examinar, pois todos estavam fazendo partos. Só consegui ser atendida às 10h30 e estava com dois centímetros de dilatação”, conta.

Ela soube, então, que não havia vaga na UTI neonatal da unidade e tampouco no berçário, ambos com capacidade para dez crianças. Sendo assim, teria de ser encaminhada para a Santa Casa de Mauá. A liberação para o encaminhamento da paciente só aconteceu às 17h20. “Passei o dia todo com contrações, sentada naquelas cadeiras duras e, quando enfim conseguiram me transferir, nem cadeira de rodas tinha, tive que descer do 4º andar até o estacionamento com muita dor”, lembra.

Ao chegar na Santa Casa, Vanessa relata que só deu tempo de preencher a ficha. “Cheguei praticamente ganhando a bebê, nem precisei fazer muita força. Quando minha filha nasceu, a enfermeira disse que ela estava com dificuldades para respirar, devido ao sofrimento que passou querendo nascer e não conseguindo.”

Lavínia veio ao mundo de parto normal, pesando 2,535 quilos e está na UTI semi-intensiva da Santa Casa, com alta marcada para hoje.

Procurado para comentar o assunto, o Hospital Nardini, por meio de sua assessoria de imprensa, confirmou a falta de leitos na UTI neonatal e que, por essa razão, pediu a transferência à Santa Casa durante todo o dia, mas só ao fim da tarde obteve retorno. A nota ressaltou também que durante o período que esteve no hospital, a paciente foi submetida a exames periódicos e recebeu medicações.

Já a Santa Casa informou que, ao fim da manhã, a transferência de Vanessa foi negada também por ausência de leitos na UTI neonatal da unidade, que, assim como o Nardini, possui dez vagas. A liberação ocorreu às 16h30 e às 17h20 a gestante deu entrada no local. Após o nascimento, a criança foi encaminhada para UTI semi-intensiva para avaliação. O hospital afirma que em nenhum momento houve risco para a mãe e o bebê. A Santa Casa frisou ainda que o hospital de referência para partos de risco é o Nardini.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;