Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Emoção à flor da pele com
pênaltis em Santo André

Ari Paleta/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cerca de 2.000 torcedores compareceram ao Paço para
acompanhar o jogo, inclusive o prefeito Carlos Grana


Bignardi Junior
Especial para o Diário

29/06/2014 | 07:00


Um turbilhão de emoções durante a vitória do Brasil diante do Chile na Torcida Santo André, no Paço Municipal. Cerca de 2.000 pessoas marcaram presença, inclusive o prefeito de Santo André, Carlos Grana, que fez questão de assistir à partida no meio da galera.

No intervalo e ao término do confronto, após a cobrança de penalidades máximas, os torcedores foram embalados pela bateria da banda Eder Palmiere e Ted Niza, que ecoaram o inesquecível samba Explode Coração.

O Paço Municipal tornou-se extensão do Mineirão, e a mostra disso ficou evidente durante a execução dos hinos nacionais de Chile, o primeiro, e do Brasil. Neste momento, independentemente de idade, não se viu uma única pessoa sem cantar à capela o Hino Brasileiro.

Várias famílias estiveram pela primeira vez na Torcida Santo André. Uma delas era a Santana, com o pai Elmo, advogado de 28 anos, a mãe Evangela Guideli, 39, policial militar, e os filhos Caetano, 6, e Kaylane, 4. “Resolvemos ontem (sexta) que iríamos ver o jogo aqui, e as crianças estão adorando”, disse Evangela.

Quem também esteve presente foram os sobrinhos do meia Willian, da Seleção, Micael, 6, Sabrina, 9 e Isabele Rinaldis de Lima, 14. Eles estiveram com a mãe Lucimara, mulher de Rodrigo, primo do meia. Micael era o mais empolgado: “Vai ser 2 a 1 e com gol do tio Willian.”

Enquanto a maioria era otimista ao extremo, o jogo em campo demonstrava que as coisas seriam mais nervosas do que se esperava.

Após os muitos sorrisos e gritos de alegria com o gol brasileiro de Davi Luiz, chegou a vez do espanto com o gol chileno, após falha da zaga amarelinha, e do desespero com o passar do tempo e a manutenção do 1 a 1, que levaria a decisão para a cobrança dos pênaltis, como acabou levando, após a disputa da prorrogação.

Na cobrança dos pênaltis, o show da Torcida Santo André iniciou com a primeira defesa de Julio Cesar e se encerrou com a cobrança de Jara na trave esquerda.

“Eu falei que ele ia defender e defendeu. Com certeza, na sexta-feira, nas quartas de final, estarei aqui novamente”, revelou Bruno César Oliveia, 26, técnico de segurança de trabalho, do bairro Valparaíso, em Santo André.  No fim do jogo, quem estava exultante com o resultado era o prefeito de Santo André. “Foi emocionante”, salientou Grana. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Emoção à flor da pele com
pênaltis em Santo André

Cerca de 2.000 torcedores compareceram ao Paço para
acompanhar o jogo, inclusive o prefeito Carlos Grana

Bignardi Junior
Especial para o Diário

29/06/2014 | 07:00


Um turbilhão de emoções durante a vitória do Brasil diante do Chile na Torcida Santo André, no Paço Municipal. Cerca de 2.000 pessoas marcaram presença, inclusive o prefeito de Santo André, Carlos Grana, que fez questão de assistir à partida no meio da galera.

No intervalo e ao término do confronto, após a cobrança de penalidades máximas, os torcedores foram embalados pela bateria da banda Eder Palmiere e Ted Niza, que ecoaram o inesquecível samba Explode Coração.

O Paço Municipal tornou-se extensão do Mineirão, e a mostra disso ficou evidente durante a execução dos hinos nacionais de Chile, o primeiro, e do Brasil. Neste momento, independentemente de idade, não se viu uma única pessoa sem cantar à capela o Hino Brasileiro.

Várias famílias estiveram pela primeira vez na Torcida Santo André. Uma delas era a Santana, com o pai Elmo, advogado de 28 anos, a mãe Evangela Guideli, 39, policial militar, e os filhos Caetano, 6, e Kaylane, 4. “Resolvemos ontem (sexta) que iríamos ver o jogo aqui, e as crianças estão adorando”, disse Evangela.

Quem também esteve presente foram os sobrinhos do meia Willian, da Seleção, Micael, 6, Sabrina, 9 e Isabele Rinaldis de Lima, 14. Eles estiveram com a mãe Lucimara, mulher de Rodrigo, primo do meia. Micael era o mais empolgado: “Vai ser 2 a 1 e com gol do tio Willian.”

Enquanto a maioria era otimista ao extremo, o jogo em campo demonstrava que as coisas seriam mais nervosas do que se esperava.

Após os muitos sorrisos e gritos de alegria com o gol brasileiro de Davi Luiz, chegou a vez do espanto com o gol chileno, após falha da zaga amarelinha, e do desespero com o passar do tempo e a manutenção do 1 a 1, que levaria a decisão para a cobrança dos pênaltis, como acabou levando, após a disputa da prorrogação.

Na cobrança dos pênaltis, o show da Torcida Santo André iniciou com a primeira defesa de Julio Cesar e se encerrou com a cobrança de Jara na trave esquerda.

“Eu falei que ele ia defender e defendeu. Com certeza, na sexta-feira, nas quartas de final, estarei aqui novamente”, revelou Bruno César Oliveia, 26, técnico de segurança de trabalho, do bairro Valparaíso, em Santo André.  No fim do jogo, quem estava exultante com o resultado era o prefeito de Santo André. “Foi emocionante”, salientou Grana. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;