Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

França e Suíça medem forças pela liderança

Claudinei Plaza/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Franceses se esquivam de favoritismo
e exaltam qualidades dos adversários


Dérek Bittencourt
Enviado a Salvador

20/06/2014 | 07:00


Um torcedor mais desavisado poderia indicar facilmente a França como favorita em duelo contra a Suíça. Acontece que para o confronto entre os times, às 16h de hoje, na Arena Fonte Nova, em Salvador, a história é outra. Se os campeões do mundo de 1998 já tiveram épocas de maior favoritismo, chegaram para este Mundial por meio da repescagem e terão pela frente os suíços, que se classificaram sem grandes surpresas e são cabeças de chave do Grupo E.

As equipes venceram em seus primeiros compromissos no torneio. A França aplicou 3 a 0 sobre Honduras, enquanto a Suíça bateu o Equador, de virada, por 2 a 1. Assim, o jogo define quem dorme na liderança.

Pelo lado suíço, o técnico Ottmar Hitzfeld tem a receita para fazer sua seleção se sobressair diante dos franceses. E não é a utilizada no Mundial de 2010, quando a equipe apostava em uma defesa sólida, mas deixava a desejar ofensivamente. “Teremos de implantar nossa filosofia de atacar de uma forma agressiva. Rapidamente partir da defesa ao ataque para ter alguma chance”, afirmou.

Já para os franceses, o jogo se inicia hoje em condição de igualdade entre os adversários, independentemente de se tratar de uma campeã mundial. “A seleção suíça tem grandes qualidades. Se classificou com facilidade no seu grupo, tem sete vitórias em seus dez últimos amistosos, tendo conseguindo superar o Brasil. Tem jogadores que atuam na Europa e não à toa são número seis no ranking (da Fifa) e cabeças de chave do nosso grupo. É um adversário de altíssima qualidade, não há dúvida”, apontou o técnico Didier Deschamps.

Na opinião de Hitzfeld, essa condição apontada pelo treinador adversário tem fundamento. “Nós merecemos este respeito, o conquistamos, mas a França, apesar da dificuldade que teve na classificação, melhorou muito nas últimas partidas. Sabemos o que esperar deles e vamos estar no mesmo nível em campo”, encerrou.

Na arena das goleadas, suíços e franceses tentarão manter média alta

Até agora nesta Copa do Mundo, a Arena Fonte Nova foi palco de dez gols marcados em apenas duas partidas disputadas – 5 a 1 da Holanda sobre a Espanha e 4 a 0 da Alemanha em cima de Portugal. Hoje, em mais um duelo entre seleções europeias em Salvador, tanto suíços quanto franceses assumem que buscarão manter a alta média de bolas na rede.

“Só amanhã (hoje) veremos se vão acontecer muitos gols. Vamos ter duas seleções em campo que podem defender e atacar bem. Vai ser jogo bom para aqueles que gostam de futebol”, disse o treinador da Suíça, Ottmar Hitzfeld. “Espero que sim. Os torcedores vêm para ver gols, mas não podemos ter certeza do que pode acontecer em campo. Às vezes, há jogos que terminam 0 a 0, mas são excelentes. As duas partidas neste estádio foram espetaculares e esperamos ter mais um espetáculo amanhã (hoje) também”, disse o comandante da França, Didier Deschamps.

SÓ MAIS UM?

Mesmo com os gols marcados sobre Honduras na estreia dos franceses no Mundial, os defensores suíços destacam que o atacante Benzema não deve receber atenção especial. “Não tem nenhum plano antiBenzema. Sabemos que eles têm grandes jogadores individuais. O Benzema é um excelente atacante, mas uma vez que o jogo começa, é só mais um”, disse o zagueiro Von Bergen.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

França e Suíça medem forças pela liderança

Franceses se esquivam de favoritismo
e exaltam qualidades dos adversários

Dérek Bittencourt
Enviado a Salvador

20/06/2014 | 07:00


Um torcedor mais desavisado poderia indicar facilmente a França como favorita em duelo contra a Suíça. Acontece que para o confronto entre os times, às 16h de hoje, na Arena Fonte Nova, em Salvador, a história é outra. Se os campeões do mundo de 1998 já tiveram épocas de maior favoritismo, chegaram para este Mundial por meio da repescagem e terão pela frente os suíços, que se classificaram sem grandes surpresas e são cabeças de chave do Grupo E.

As equipes venceram em seus primeiros compromissos no torneio. A França aplicou 3 a 0 sobre Honduras, enquanto a Suíça bateu o Equador, de virada, por 2 a 1. Assim, o jogo define quem dorme na liderança.

Pelo lado suíço, o técnico Ottmar Hitzfeld tem a receita para fazer sua seleção se sobressair diante dos franceses. E não é a utilizada no Mundial de 2010, quando a equipe apostava em uma defesa sólida, mas deixava a desejar ofensivamente. “Teremos de implantar nossa filosofia de atacar de uma forma agressiva. Rapidamente partir da defesa ao ataque para ter alguma chance”, afirmou.

Já para os franceses, o jogo se inicia hoje em condição de igualdade entre os adversários, independentemente de se tratar de uma campeã mundial. “A seleção suíça tem grandes qualidades. Se classificou com facilidade no seu grupo, tem sete vitórias em seus dez últimos amistosos, tendo conseguindo superar o Brasil. Tem jogadores que atuam na Europa e não à toa são número seis no ranking (da Fifa) e cabeças de chave do nosso grupo. É um adversário de altíssima qualidade, não há dúvida”, apontou o técnico Didier Deschamps.

Na opinião de Hitzfeld, essa condição apontada pelo treinador adversário tem fundamento. “Nós merecemos este respeito, o conquistamos, mas a França, apesar da dificuldade que teve na classificação, melhorou muito nas últimas partidas. Sabemos o que esperar deles e vamos estar no mesmo nível em campo”, encerrou.

Na arena das goleadas, suíços e franceses tentarão manter média alta

Até agora nesta Copa do Mundo, a Arena Fonte Nova foi palco de dez gols marcados em apenas duas partidas disputadas – 5 a 1 da Holanda sobre a Espanha e 4 a 0 da Alemanha em cima de Portugal. Hoje, em mais um duelo entre seleções europeias em Salvador, tanto suíços quanto franceses assumem que buscarão manter a alta média de bolas na rede.

“Só amanhã (hoje) veremos se vão acontecer muitos gols. Vamos ter duas seleções em campo que podem defender e atacar bem. Vai ser jogo bom para aqueles que gostam de futebol”, disse o treinador da Suíça, Ottmar Hitzfeld. “Espero que sim. Os torcedores vêm para ver gols, mas não podemos ter certeza do que pode acontecer em campo. Às vezes, há jogos que terminam 0 a 0, mas são excelentes. As duas partidas neste estádio foram espetaculares e esperamos ter mais um espetáculo amanhã (hoje) também”, disse o comandante da França, Didier Deschamps.

SÓ MAIS UM?

Mesmo com os gols marcados sobre Honduras na estreia dos franceses no Mundial, os defensores suíços destacam que o atacante Benzema não deve receber atenção especial. “Não tem nenhum plano antiBenzema. Sabemos que eles têm grandes jogadores individuais. O Benzema é um excelente atacante, mas uma vez que o jogo começa, é só mais um”, disse o zagueiro Von Bergen.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;