Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 12 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sabesp estuda usar
Billings para S.Caetano

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tema foi discutido na última sexta-feira em
reunião entre companhia, DAE e Prefeitura


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

31/05/2014 | 07:00


A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) estuda a possibilidade de reativar linhas de abastecimento antiga e de voltar a utilizar os recursos da Represa Billings para abastecer São Caetano. Esses foram os assuntos discutidos, na tarde de ontem, em reunião entre a presidente da companhia, Dilma Pena, o superintendente do DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano, Welington Kalil, e o prefeito da cidade, Paulo Pinheiro (PMDB).

O estudo leva em conta a possibilidade de manutenção, revestimento ou até mesmo substituição das linhas de captação de água da Billings para São Caetano, atualmente desativadas. Hoje, a cidade é 100% abastecida pelo Sistema Cantareira. “Nas condições que estão, não há possibilidade de uso, mas, se necessário, seriam utilizadas para abastecer parte do município, como já foi no passado”, comenta Kalil.

De acordo com o superintendente, a companhia voltou a afirmar que não haverá racionamento neste ano. Uma das ações apresentadas pela Sabesp como medida para evitar o desabastecimento é a transferência de água dos sistemas Rio Claro, Rio Grande, Alto Tietê e Guarapiranga para parte de cidades atendidas pelo Cantareira. No encontro, também foi apresentado balanço das ações tomadas pelo município para redução do volume comprado da companhia estadual (15% menos) e discussão sobre planejamento da Sabesp para a cidade. O manancial enfrenta a pior seca dos últimos 84 anos e opera com 25% de sua capacidade, somando volume útil e reserva técnica.

“Nós estamos enxergando já para o ano que vem dificuldades. Temos sido cobrados constantemente pela população e pelos setores industrial e comercial da cidade, que estão temerosos quanto ao futuro”, diz Kalil.

INCENTIVO

Dentro de 15 dias, o DAE promete anunciar campanha de incentivo à população que colaborou com a redução do consumo. “É uma maneira de retribuir, mas será uma promoção e não desconto”, garante o superintendente.

Ainda neste mês será realizado seminário com as administradoras de condomínios para conscientização acerca da importância da economia dos recursos hídricos. “Este é o segmento de público que menos colaborou para a redução do consumo – 6%”, destaca.

Apesar de redução no consumo, o per capita de São Caetano continua alto, segundo Kalil – cerca de 210 litros por pessoa por dia. A média de utilização diária de água por pessoa na Região Metropolitana é de 161 litros, volume acima do considerado ideal pela ONU (Organização das Nações Unidas) – 110 litros. A meta da Sabesp é que cada morador gaste até 128 litros diariamente. “Precisamos mudar essa cultura que as pessoas ainda têm na cidade, como lavar o carro ou a calçada com mangueira”, ressalta o superintendente.

Cidade consegue economia de 50% com água de reúso

Após retomar o Programa de Utilização de Água de Reúso para fins não potáveis em 2013, o DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano já apresenta economia de 50% nos gastos com o recurso.

A parceria, firmada com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), prevê o fornecimento de até 300 metros cúbicos de água por dia para uso nos serviços urbanos, como lavagem de pisos, pátios públicos e logradouros, desobstruções de galerias pluviais e de redes e coletores troncos de esgoto.

A água de reúso por atacado é proveniente do tratamento de esgoto realizado pela Sabesp na ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) ABC e custa R$ 0,60 por metro cúbico.

Segundo o superintendente do DAE, Welington Kalil, a atividade estava paralisada desde 2008. “Com essa atitude temos ganhos para o meio ambiente e para as futuras gerações”, ressalta.

O único serviço, segundo Kalil, que não pode mais ser executado com água de reúso, graças a norma da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), é a rega dos jardins. Para isso, será utilizada água dos poços artesianos da cidade.

O uso de 9.000 metros cúbicos de água de reúso por mês equivale ao consumo médio mensal de 300 famílias moradoras de São Caetano. Uma família de quatro pessoas consome em média 30 metros cúbicos de água por mês na cidade.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sabesp estuda usar
Billings para S.Caetano

Tema foi discutido na última sexta-feira em
reunião entre companhia, DAE e Prefeitura

Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

31/05/2014 | 07:00


A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) estuda a possibilidade de reativar linhas de abastecimento antiga e de voltar a utilizar os recursos da Represa Billings para abastecer São Caetano. Esses foram os assuntos discutidos, na tarde de ontem, em reunião entre a presidente da companhia, Dilma Pena, o superintendente do DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano, Welington Kalil, e o prefeito da cidade, Paulo Pinheiro (PMDB).

O estudo leva em conta a possibilidade de manutenção, revestimento ou até mesmo substituição das linhas de captação de água da Billings para São Caetano, atualmente desativadas. Hoje, a cidade é 100% abastecida pelo Sistema Cantareira. “Nas condições que estão, não há possibilidade de uso, mas, se necessário, seriam utilizadas para abastecer parte do município, como já foi no passado”, comenta Kalil.

De acordo com o superintendente, a companhia voltou a afirmar que não haverá racionamento neste ano. Uma das ações apresentadas pela Sabesp como medida para evitar o desabastecimento é a transferência de água dos sistemas Rio Claro, Rio Grande, Alto Tietê e Guarapiranga para parte de cidades atendidas pelo Cantareira. No encontro, também foi apresentado balanço das ações tomadas pelo município para redução do volume comprado da companhia estadual (15% menos) e discussão sobre planejamento da Sabesp para a cidade. O manancial enfrenta a pior seca dos últimos 84 anos e opera com 25% de sua capacidade, somando volume útil e reserva técnica.

“Nós estamos enxergando já para o ano que vem dificuldades. Temos sido cobrados constantemente pela população e pelos setores industrial e comercial da cidade, que estão temerosos quanto ao futuro”, diz Kalil.

INCENTIVO

Dentro de 15 dias, o DAE promete anunciar campanha de incentivo à população que colaborou com a redução do consumo. “É uma maneira de retribuir, mas será uma promoção e não desconto”, garante o superintendente.

Ainda neste mês será realizado seminário com as administradoras de condomínios para conscientização acerca da importância da economia dos recursos hídricos. “Este é o segmento de público que menos colaborou para a redução do consumo – 6%”, destaca.

Apesar de redução no consumo, o per capita de São Caetano continua alto, segundo Kalil – cerca de 210 litros por pessoa por dia. A média de utilização diária de água por pessoa na Região Metropolitana é de 161 litros, volume acima do considerado ideal pela ONU (Organização das Nações Unidas) – 110 litros. A meta da Sabesp é que cada morador gaste até 128 litros diariamente. “Precisamos mudar essa cultura que as pessoas ainda têm na cidade, como lavar o carro ou a calçada com mangueira”, ressalta o superintendente.

Cidade consegue economia de 50% com água de reúso

Após retomar o Programa de Utilização de Água de Reúso para fins não potáveis em 2013, o DAE (Departamento de Água e Esgoto) de São Caetano já apresenta economia de 50% nos gastos com o recurso.

A parceria, firmada com a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), prevê o fornecimento de até 300 metros cúbicos de água por dia para uso nos serviços urbanos, como lavagem de pisos, pátios públicos e logradouros, desobstruções de galerias pluviais e de redes e coletores troncos de esgoto.

A água de reúso por atacado é proveniente do tratamento de esgoto realizado pela Sabesp na ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) ABC e custa R$ 0,60 por metro cúbico.

Segundo o superintendente do DAE, Welington Kalil, a atividade estava paralisada desde 2008. “Com essa atitude temos ganhos para o meio ambiente e para as futuras gerações”, ressalta.

O único serviço, segundo Kalil, que não pode mais ser executado com água de reúso, graças a norma da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), é a rega dos jardins. Para isso, será utilizada água dos poços artesianos da cidade.

O uso de 9.000 metros cúbicos de água de reúso por mês equivale ao consumo médio mensal de 300 famílias moradoras de São Caetano. Uma família de quatro pessoas consome em média 30 metros cúbicos de água por mês na cidade.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;