Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Correios trabalham com vantagem tributária



26/05/2014 | 07:59


Uma decisão apertada do Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado deixou os Correios em clara vantagem na hora de disputar o mercado de e-commerce com empresas privadas. Por 6 votos a 5, os ministros decidiram que isenções tributárias que a empresa já tinha em um serviço considerado essencial para a população - a entrega de cartas pessoais e cartões postais - deveriam ser estendidas à movimentação de pacotes, apesar de companhias privadas concorrerem neste mercado.

Com a decisão, os Correios ficaram livres de impostos estaduais e municipais, como ICMS e ISS, que continuam a ser cobrados de suas rivais. A justificativa para a isenção tributária seria o fato de os Correios terem a obrigação de atender todo o País - mesmo regiões deficitárias do ponto de vista financeiro -, enquanto as concorrentes podem escolher áreas mais rentáveis, explicou um advogado que acompanhou o caso.

Perdas

Uma reportagem publicada em janeiro com dados obtidos pelo jornal O Estado de S. Paulo mostrou que a entrega de cartas e cartões postais seria uma operação deficitária para os Correios, com perdas acumuladas de R$ 817 milhões entre janeiro e novembro de 2013. O resultado positivo da operação como um todo viria do Banco Postal, uma parceria com outra entidade pública, o Banco do Brasil.

Questionada na semana passada sobre o prejuízo na entrega de cartas, a assessoria de imprensa dos Correios não repassou os dados separados por segmentos, informando que seria impossível retirar os resultados do Banco Postal do restante da companhia.

O presidente dos Correios, Wagner Pinheiro, disse que o objetivo da companhia é ampliar serviços para melhorar o resultado do negócio como um todo. Para isso, vai entrar pesadamente em áreas em que hoje a iniciativa privada é forte, como a logística reversa - que garante a devolução de produtos com defeitos técnicos - e a gestão de estoques para companhias que não têm como manter centros de distribuição próprios.

Para dar conta de todo esse trabalho novo, o governo teve de fazer uma mudança na legislação em 2011 para permitir que os Correios pudessem comprar fatias de outras companhias para melhorar seu serviço.

Com a mudança de regras, os Correios informaram neste mês ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) a intenção de fazer a sua primeira aquisição: uma participação minoritária na Rio Linhas Aéreas. "Seria uma participação relevante, mas de menos de 50%, que daria maior estabilidade para os nossos contratos", explicou Wagner Pinheiro.

Concorrência

As empresas privadas que vão passar a bater de frente com o gigante público - que faturou mais de R$ 15 bilhões no ano passado - se dizem prejudicadas. "Eu diria que a concorrência é desleal, pois tenho de concorrer com uma empresa que não paga imposto", diz Ronan Hudson, diretor comercial da Jad Log, companhia que tem nove anos de mercado e foi originada por ex-parceiros da Vaspex, serviço de entregas da finada companhia aérea Vasp. A JadLog tem 500 franquias espalhadas pelo País e faturou R$ 400 milhões no ano passado.

Para o diretor executivo da E-bit, Pedro Guasti, caso o projeto revitalização dos Correios se reflita em serviços realmente melhores, o gigante público tem chance de incomodar muito as rivais privadas. "Sem dúvida, os Correios têm potencial para ganhar muito mercado", diz o especialista. Colaborou Naiana Oscar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;