Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mutirão vai identificar vítimas de violência em unidades de Saúde

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ação integra programa federal e servirá de base para políticas públicas


Natália Fernandjes
do Diário do Grande ABC

26/05/2014 | 07:03


Durante o mês de setembro, o PA (Pronto Atendimento) da Vila Luzita e o CHM (Centro Hospitalar Municipal), em Santo André, serão palco de mutirão para detectar casos de violência contra crianças, mulheres e idosos. A ação integra o programa Viva Inquérito (Inquérito de Vigilância de Violências e Acidentes), do Ministério da Saúde, realizado desde 2006 a cada dois anos. Entre os objetivos traçados está evitar a subnotificação desses tipos de ocorrências e obter banco de dados capaz de proporcionar informações para aplicação de políticas públicas.

Em Santo André, a estimativa é que 50% das ocorrências relacionadas a acidentes e violência sejam subnotificadas. Em setembro de 2013 foram atendidos 609 casos no PA da Vila Luzita e 662 no CHM. A meta para este ano é chegar a 1.500 notificações nos dois serviços, de acordo com o Ministério da Saúde.
“Sabemos que esses tipos de agravos são subnotificados. Ou as pessoas não procuram as redes de Saúde ou o problema é mascarado quando chega, como, por exemplo, casos de pessoas que informam ter caído da escada quando foram vítimas de violência doméstica”, destaca a coordenadora da Resavas (Rede de Saúde para Atenção às Violências e ao Abuso Sexual), órgão ligado ao Departamento de Vigilância à Saúde da Prefeitura de Santo André, Maria Aparecida Dix Chehab.

Equipe será formada por Maria Aparecida em parceria com o departamento de Vigilância em Saúde e ficará responsável por abordar todas as vítimas que derem entrada nos dois equipamentos públicos em decorrência de violência e acidentes durante 24 horas por dia. A cidade recebeu verba de R$ 33 mil do governo federal para executar as ações. “Teremos um questionário detalhado para conseguir identificar o perfil epidemiológico das vítimas, entender qual é o tipo de violência que mais ocorre em Santo André”, observa a médica.

No prazo de dois a três meses após realização do inquérito, o município receberá os dados consolidados do Ministério da Saúde. As informações serão usadas, segundo Maria Aparecida, para o planejamento de projetos voltados à resolução dos problemas apontados. “Podemos citar como exemplo o fato de Santo André ter sido autorizada a criar uma secretaria especial voltada às políticas públicas para as mulheres após ser constatado em anos anteriores que nosso dado epidemiológico é alto”, ressalta. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;