Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 24 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Hidrômetro pode ampliar
desconto em prédios

Ari Paleta/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com medidor dá para economizar até 60,8% e,
sem ele, 44%; é possível pagar menos condomínio


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

06/04/2014 | 07:29


O incentivo da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) permite que o consumidor de água ganhe um bônus de 30% na conta, isso se economizar 20% em relação à média dos últimos 12 meses. A medida está valendo para as cidades de São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Em Santo André, a Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) também oferece o mesmo incentivo.

Para os condomínios que mantêm conta coletiva, o desconto pode chegar a 44%. Os edifícios que possuem hidrômetros, medidores individualizados para cada apartamento, o percentual é ainda maior, e atinge 60,8%.

Conforme simulação realizada pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo), o morador de um prédio que não especifica o consumo de água, e que geralmente paga R$ 1.000, com a redução da conta, mais o desconto, pode passar a desembolsar R$ 560.

Já para quem tem o hidrômetro, calcula-se que, em média, o custo já é reduzido em 30%. Ou seja, quem antes consumia R$ 1.000, vai pagar R$ 700, já que o aparelho contabiliza apenas o consumo próprio e, desta maneira, as pessoas se preocupam mais com o racionamento. No fim das contas, o valor pode chegar a R$ 392.

CONTA COLETIVA - Quem mora em edifício onde o valor é dividido igualmente entre os apartamentos, se reduzir o consumo pode sentir a diferença no valor mensal do condomínio. Segundo estimativa da Lello, empresa de administração de condomínios, a economia na taxa pode ser de 5%, em média.

“Para isso, é necessária a cooperação de todos, já que para poder chegar nos 20% de economia de água, é essencial que todos os moradores estejam engajados. Também é importante verificar se não há vazamentos”, orientou a gerente de produtos e parcerias da Lello Condomínios, Raquel Tomasini.

Conforme a administradora, a água representa a segunda maior despesa dos prédios, ficando atrás apenas da folha de pagamento dos funcionários e respondendo por 15% a 17% dos gastos.

HIDRÔMETRO - Quem tem a conta de água individualizada sai na vantagem, já que é responsável pela própria economia. E, apesar de ter de investir para adquirir o equipamento, ele chega a valorizar o preço do imóvel em até 5%, segundo informações do Grupo Hubert.

Para o presidente do grupo e do Secovi-SP, Hubert Gebara, a instalação auxilia na economia e na conscientização. “Tendo hidrômetro, eu consigo controlar os meus gastos, como o tempo no banho e das torneiras abertas.”

O síndico de um condomínio localizado em Santo André com 139 apartamentos, Demétrio Damiani, conta que, embora as unidades já tenham sido entregues com medidor individual, em seu caso é necessária a contratação de firma especializada para apurar os valores. “O Semasa manda somente uma conta, e preciso dos serviços de empresa terceirizada para separar essa medição. O valor que pagamos é de cerca de R$ 6 por apartamento”, contou Damiani.

O custo da conta de água vem no mesmo boleto do condomínio, porém, o morador consegue visualizar exatamente o quanto gastou. “Ele paga tudo em uma fatura só, o que minimiza a inadimplência. Para efeito de comparação, é enviado ao morador, também, um demonstrativo indicando o quanto ele gastou neste e nos meses anteriores.”

MELHORIAS - Se for apurado o desconto em seu condomínio, o síndico vai convocar os moradores para decidir de que forma será aplicado o dinheiro que deixou de ser gasto. “Eu ainda vou ter que discutir isso com eles. Mas pode haver abatimento na taxa condominial ou os recursos podem ser investidos em melhorias no prédio, sem que seja desembolsado nada a mais por isso.”

Ele conta que, certa vez, em situação semelhante com a concessionária de gás, em que tinha nas mãos recursos devolvidos, foi possível instalar filtros em todo o prédio – a água de qualquer torneira é filtrada – e aquecer a piscina.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hidrômetro pode ampliar
desconto em prédios

Com medidor dá para economizar até 60,8% e,
sem ele, 44%; é possível pagar menos condomínio

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

06/04/2014 | 07:29


O incentivo da Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) permite que o consumidor de água ganhe um bônus de 30% na conta, isso se economizar 20% em relação à média dos últimos 12 meses. A medida está valendo para as cidades de São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Em Santo André, a Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) também oferece o mesmo incentivo.

Para os condomínios que mantêm conta coletiva, o desconto pode chegar a 44%. Os edifícios que possuem hidrômetros, medidores individualizados para cada apartamento, o percentual é ainda maior, e atinge 60,8%.

Conforme simulação realizada pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo), o morador de um prédio que não especifica o consumo de água, e que geralmente paga R$ 1.000, com a redução da conta, mais o desconto, pode passar a desembolsar R$ 560.

Já para quem tem o hidrômetro, calcula-se que, em média, o custo já é reduzido em 30%. Ou seja, quem antes consumia R$ 1.000, vai pagar R$ 700, já que o aparelho contabiliza apenas o consumo próprio e, desta maneira, as pessoas se preocupam mais com o racionamento. No fim das contas, o valor pode chegar a R$ 392.

CONTA COLETIVA - Quem mora em edifício onde o valor é dividido igualmente entre os apartamentos, se reduzir o consumo pode sentir a diferença no valor mensal do condomínio. Segundo estimativa da Lello, empresa de administração de condomínios, a economia na taxa pode ser de 5%, em média.

“Para isso, é necessária a cooperação de todos, já que para poder chegar nos 20% de economia de água, é essencial que todos os moradores estejam engajados. Também é importante verificar se não há vazamentos”, orientou a gerente de produtos e parcerias da Lello Condomínios, Raquel Tomasini.

Conforme a administradora, a água representa a segunda maior despesa dos prédios, ficando atrás apenas da folha de pagamento dos funcionários e respondendo por 15% a 17% dos gastos.

HIDRÔMETRO - Quem tem a conta de água individualizada sai na vantagem, já que é responsável pela própria economia. E, apesar de ter de investir para adquirir o equipamento, ele chega a valorizar o preço do imóvel em até 5%, segundo informações do Grupo Hubert.

Para o presidente do grupo e do Secovi-SP, Hubert Gebara, a instalação auxilia na economia e na conscientização. “Tendo hidrômetro, eu consigo controlar os meus gastos, como o tempo no banho e das torneiras abertas.”

O síndico de um condomínio localizado em Santo André com 139 apartamentos, Demétrio Damiani, conta que, embora as unidades já tenham sido entregues com medidor individual, em seu caso é necessária a contratação de firma especializada para apurar os valores. “O Semasa manda somente uma conta, e preciso dos serviços de empresa terceirizada para separar essa medição. O valor que pagamos é de cerca de R$ 6 por apartamento”, contou Damiani.

O custo da conta de água vem no mesmo boleto do condomínio, porém, o morador consegue visualizar exatamente o quanto gastou. “Ele paga tudo em uma fatura só, o que minimiza a inadimplência. Para efeito de comparação, é enviado ao morador, também, um demonstrativo indicando o quanto ele gastou neste e nos meses anteriores.”

MELHORIAS - Se for apurado o desconto em seu condomínio, o síndico vai convocar os moradores para decidir de que forma será aplicado o dinheiro que deixou de ser gasto. “Eu ainda vou ter que discutir isso com eles. Mas pode haver abatimento na taxa condominial ou os recursos podem ser investidos em melhorias no prédio, sem que seja desembolsado nada a mais por isso.”

Ele conta que, certa vez, em situação semelhante com a concessionária de gás, em que tinha nas mãos recursos devolvidos, foi possível instalar filtros em todo o prédio – a água de qualquer torneira é filtrada – e aquecer a piscina.
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;