Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Transplante é chance de
vida nova para João Pedro

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Procedimento foi marcado para o dia 28 no Hospital
Sírio-Libanês, em SP; menino sofre de síndrome rara


Camila Galvez
Do Diário do Grande ABC

12/03/2014 | 07:00


A chance de João Pedro Klem Lorenzoni Silva, 1 ano e 8 meses, de curar totalmente a síndrome de Wiskott-Aldrich já tem data marcada: o transplante de medula do pequeno morador de São Bernardo ocorrerá no dia 28, no Hospital Sírio-Libanês, na Capital. O Diário acompanha a história do menino há um ano.

João Pedro será internado no dia 17 para realização de exames. Em seguida, será submetido ao tratamento que irá ‘matar’ sua medula doente.

A síndrome, de origem genética e exclusiva de meninos, faz com que o organismo não produza células sanguíneas em número suficiente, o que baixa a imunidade e deixa o menino suscetível a infecções. Desta forma, a medula atual de João Pedro será destruída por meio de quimioterapia para, então, ser substituída pela medula do doador, um norte-americano 100% compatível. “Os médicos disseram que leva entre 15 e 20 dias para a pega da medula. Só então saberemos se o transplante cumpriu seu papel”, diz a mãe de João Pedro, a professora Luciana Lorenzoni, 32.

A família vive momentos de ansiedade. “Esperamos muito por esse dia, pois sabemos que a única chance dele é o transplante. Tenho fé que ele irá surpreender a todos nós, assim como já surpreende os médicos por ser uma criança tão ativa e com desenvolvimento praticamente normal para a idade.”

A vitalidade de João Pedro realmente impressiona. Ele brinca, corre pela casa, come chocolates, abre um de seus livros preferidos e começa a nomear as figuras. “Cachorro. Gato. Peixe.” As palavras vão saindo em sua fala infantil e inocente de criança que não entende a importância do momento que está para acontecer em sua vida. “Não temos bola de cristal. Por isso, o médico nos avisa sobre tudo o que pode dar errado. Assusta, mas queremos permanecer confiantes de que o procedimento vai dar certo”, diz o pai do garoto, o operador de máquinas Jefferson Aparecido Silva, 39.

Para a pediatra e imunologista do Ambulatório de Infecções de Repetição da Faculdade de Medicina do ABC, Anete Sevciovic Grumach, que também é médica de João Pedro, o prognóstico é bom. “Claro que o transplante tem riscos e exige muitos cuidados. Mas também tem resultados muito positivos em pacientes com a síndrome de Wiskott-Aldrich”, garante.

Segundo a médica, os riscos começam ainda no tratamento para ‘matar’ a medula, por conta da falta de imunidade. Depois do transplante, que é semelhante a uma transfusão de sangue, é preciso aguardar a pega e controlar para que não se desenvolva a doença do enxerto versus hospedeiro, quando o sangue não reconhece os órgãos do corpo e os combate como a uma patologia. E, após a pega, é necessário acompanhamento por pelo menos 100 dias, pois o paciente fica com o sistema imune comprometido.

“Os médicos estimam que, se tudo correr bem, serão cinco semanas de internação. Já fizemos as contas e esperamos que o João Pedro volte para casa a partir de 15 de maio”, afirma Luciana. O Grande ABC segue na torcida. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;