Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

BC prevê inflação
acima de
5% até 2015

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/12/2013 | 07:55


A presidente Dilma Rousseff não vai conseguir romper, no último ano de mandato, a marca de baixo crescimento e inflação acima da meta. Pelos cálculos do Banco Central apresentados nesta sexta-feira no Relatório Trimestral de Inflação, o primeiro ano do próximo governo também estará comprometido pela inflação.

O diretor de política econômica do BC, Carlos Hamilton Araújo, admitiu que as estimativas da instituição estão longe de convergir para a meta oficial de 4,5%. Mesmo assim, ele disse que a equipe atua nesse sentido e avaliou que o trabalho de combate à inflação em 2013 pode ser considerado "bom".

Mais de uma dúzia de vezes o diretor enfatizou que o BC está "de olho" na inflação, um sinal mais forte de preocupação com a tendência dos preços do que o apresentado recentemente em documentos do banco. Começaram a aumentar as dúvidas no mercado de que a próxima ação do Comitê de Política Monetária (Copom), em janeiro, será de uma elevação de 0,25 ponto porcentual da taxa básica de juros, a Selic, para 10,25% ao ano. Muitos especialistas já falam numa alta da taxa para 10,5%.

Hamilton afirmou que o monitoramento da inflação é uma atividade cotidiana do BC. "Ela é recorrente. Faz parte de nossa atividade cotidiana nos preocupar com a inflação, mas é bom lembrar. O recorrente às vezes cai na rotina e é esquecido", afirmou. Para cumprir a tarefa, o BC atualizou nesta sexta suas projeções. A inflação fechará 2013 em 5,8%, o ano que vem em 5,6% e 2015 em 5,3% ou 5,4%, dependendo de variáveis usadas, como câmbio e taxa de juros.

Crescimento. Já para o crescimento do produto interno bruto (PIB) em 2013, o BC revisou sua estimativa mais uma vez para baixo. A primeira avaliação, de expansão de 3,1% este ano, foi substituída por 2,7%, depois por 2,5% e agora está em 2,3%. Essa também é a taxa prevista para o período de 12 meses encerrados em setembro de 2014, às vésperas da eleição.

PIB baixo. Se a taxa de 2,3% for confirmada no fim do ano, será o PIB mais baixo em um ano eleitoral desde 1998. No ano da reeleição de Fernando Henrique, o crescimento do Brasil foi de 0,04%. Desde então, a maior variação (7,5%) vista em um ano eleitoral foi em 2010, quando Dilma chegou ao Planalto.

Hamilton atribuiu boa parte da alta da inflação ao aumento do dólar, visto desde o ano passado. Para ele, o impacto tende a ser cada vez menor sobre a inflação, ao mesmo tempo em que a alta de juros, promovida pelo BC desde abril, ganha mais força no controle dos preços. "Vamos continuar permanentemente de olho na inflação e vamos continuar trabalhando para fazer com que a inflação no centro da meta ocorra o mais rapidamente possível."

Para o diretor, essa atuação constante de política monetária é uma prova de que o BC tem sido vigilante com a inflação e, portanto, não estaria "jogando com a sorte", como acusaram alguns críticos. Hamilton afirmou também que a inflação está recuando a uma velocidade baixa, mas disse que esse quadro pode melhorar nos próximos meses. "Seria melhor que fosse mais rápido", admitiu.

Para o curto prazo, Hamilton prevê um impacto de alta sobre os preços no Brasil por causa da mudança de atuação do Federal Reserve, o BC dos Estados Unidos. Com a redução da compra de títulos pelo Fed, a expectativa é que o dólar possa se valorizar um pouco mais - pelo menos, em um primeiro momento. "Isso, em termos de inflação, pode ter impacto aqui? Certamente", previu, lembrando que a projeção para a cotação de câmbio em 2014 é de R$ 2,40.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;