Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Obama não acredita em nova paralisação



25/11/2013 | 06:08


Em entrevista ao The Wall Street Journal, além de responder sobre os recentes problemas no programa de saúde do governo norte-americano, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também falou sobre a economia, a reforma do imposto corporativo e a possibilidade de outra paralisação do governo federal em 2014 em função dos problemas fiscais.

Sobre o programa de saúde, Obama afirmou que o governo talvez tenha subestimado a complexidade da construção de um site e por isso tenha enfrentado problemas. O presidente norte-americano reforçou que teria sido melhor identificar esses problemas antes, do que fazer as correções agora.

Otimista, Obama citou o programa de Massachusetts, que no primeiro mês atraiu aproximadamente 160 pessoas e no final do prazo contava com 36 mil inscrições. "Menos de 1% se inscreve no primeiro mês, porque a compra de seguros é um processo complicado para muita gente", explicou Obama."Não há dúvida de que nós perdemos algum tempo. Mas o site está ficando melhor a cada semana. Até o final deste mês ele vai estar funcionando para a maioria das pessoas que estão usando", garantiu o presidente norte-americano.

Obama ainda falou sobre as preocupações com a dívida e com o crescimento.

"A ideia seria fazer algumas coisas no curto prazo que se concentrem em crescimento e fazer algumas coisas a longo prazo que lidem com a dívida de longo prazo. Isso é o que o meu orçamento reflete", explicou Obama.

Em relação às empresas, Obama disse que a sua administração, os democratas e os republicanos tem falado sobre a reforma tributária corporativa. "Apresentamos um conjunto muito específico de propostas que reduziriam os impostos corporativos. E em termos de empresas internacionais e de competitividade, o que temos dito é mais do que um monte de leis emaranhadas que incentivam as pessoas a manter o dinheiro no exterior, vamos ter um imposto modesto", afirmou.

Sobre uma possível paralisação do governo federal em fevereiro de 2014, Obama não acredita que isso não se repetirá. Para o presidente, o panorama é mais favorável e os republicanos perceberam que a paralisação de outubro não foi uma boa estratégia. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Obama não acredita em nova paralisação


25/11/2013 | 06:08


Em entrevista ao The Wall Street Journal, além de responder sobre os recentes problemas no programa de saúde do governo norte-americano, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também falou sobre a economia, a reforma do imposto corporativo e a possibilidade de outra paralisação do governo federal em 2014 em função dos problemas fiscais.

Sobre o programa de saúde, Obama afirmou que o governo talvez tenha subestimado a complexidade da construção de um site e por isso tenha enfrentado problemas. O presidente norte-americano reforçou que teria sido melhor identificar esses problemas antes, do que fazer as correções agora.

Otimista, Obama citou o programa de Massachusetts, que no primeiro mês atraiu aproximadamente 160 pessoas e no final do prazo contava com 36 mil inscrições. "Menos de 1% se inscreve no primeiro mês, porque a compra de seguros é um processo complicado para muita gente", explicou Obama."Não há dúvida de que nós perdemos algum tempo. Mas o site está ficando melhor a cada semana. Até o final deste mês ele vai estar funcionando para a maioria das pessoas que estão usando", garantiu o presidente norte-americano.

Obama ainda falou sobre as preocupações com a dívida e com o crescimento.

"A ideia seria fazer algumas coisas no curto prazo que se concentrem em crescimento e fazer algumas coisas a longo prazo que lidem com a dívida de longo prazo. Isso é o que o meu orçamento reflete", explicou Obama.

Em relação às empresas, Obama disse que a sua administração, os democratas e os republicanos tem falado sobre a reforma tributária corporativa. "Apresentamos um conjunto muito específico de propostas que reduziriam os impostos corporativos. E em termos de empresas internacionais e de competitividade, o que temos dito é mais do que um monte de leis emaranhadas que incentivam as pessoas a manter o dinheiro no exterior, vamos ter um imposto modesto", afirmou.

Sobre uma possível paralisação do governo federal em fevereiro de 2014, Obama não acredita que isso não se repetirá. Para o presidente, o panorama é mais favorável e os republicanos perceberam que a paralisação de outubro não foi uma boa estratégia. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;