Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Justin e Miley só para maiores?

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Famosos desde criancinhas, os ídolos cresceram e estão causando (muito) por aí.


Marcela Munhoz
Do Diário do Grande ABC

24/11/2013 | 07:00


Quem acompanha Justin Bieber e Miley Cyrus é testemunha das suas transformações físicas e psicológicas. Os dois começaram na vida artística muito cedo e cresceram diante das câmeras. Agora – ela com 21 anos e ele com 19 –, são protagonistas de escândalos e polêmicas, envolvendo sexo, drogas e problemas com a polícia, o que tem gerado discussões entre os fãs e pais: será que viraram péssima influência?

Para a psicóloga Cynthia Passianotto, pós-graduada pelo Cefas (Centro de Formação e Assistência à Saúde) e pela PUC-Campinas, eles têm necessidade de provar que cresceram. “Não tiveram infância e adolescência normais, então, ficaram rebeldes e sem limites, mas são seres humanos e sofrem.”

Julia Fratoni, 13 anos, de São Caetano, concorda. Ela é fã do Justin há três anos e acredita que algumas das suas atitudes são exploradas pela mídia. “Muito é boato. Além disso, ninguém fala sobre as coisas boas que ele faz, como ajudar crianças carentes.” A garota disse ainda que vai continuar gostando do ídolo, independentemente da fase bad boy. “Não quer dizer que concordo com tudo o que ele faz. Acho que, como todo mundo, o Justin também erra. A fama subiu à cabeça.”

“O fã tem de entender que o ídolo cresceu. Não precisa deixar de gostar, só não pode perder o senso crítico”, acredita a psicóloga Elisabeth Monteiro, autora do livro Criando Adolescentes em Tempos Difíceis. Saber separar o artista do ser humano, que tem sua vida particular, também é essencial. “Os fãs ficam decepcionados com os ídolos, mas não dá para seguir ao pé da letra o que eles fazem ou achar legal tudo o que dizem”, completa a especialista Cynthia Passianotto.

As psicólogas entrevistadas pelo D+ concordam que os pais não devem proibir que os filhos continuem curtindo as celebridades, por sua vez, os filhos não precisam achar ruim que eles se preocupem e proponham discussões. “É interessante que conversem sobre as atitudes negativas e coloquem em questão se seriam capazes de fazer a mesma coisa”, destaca Cynthia. Além do mais, a paixão pelos artistas faz parte de uma fase da vida. Concorda?


DISSE QUE ME DISSE

“Andei muito com adultos quando era criança. Já fiz todo o trabalho pesado (para chegar onde chegou). Agora taco o f....”, Miley Cyrus, para a revista Rolling Stone, declaração que saiu logo após a apresentação da cantora no VMA em agosto.

“Estou pouco me f... em ser imprudente. Sei quem sou e o que estou fazendo na minha vida. Estou feliz com o homem que estou me tornando.” Justin Bieber, para a revista The Hollywood Reporter de novembro.

“É a jornada da Miley. Ela está se divertindo, sendo quem é e eu sempre vou amá-la. O mundo precisava superar o fato de que ela foi Hannah Montana com 16 anos.” Demi Lovato, para o programa de Katie Couric.

“Justin não vai ficar louco. Não vai parar em clínica de reabilitação. Ele não vai acabar com sua arte. Então, nós vamos apenas calar a boca.” Scooter Braun, empresário de Justin Bieber para a mesma The Hollywood Reporter.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;