Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Feriado é data para reflexão e luta social

Andrea Iseki/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Para integrantes do movimento negro, educação é caminho para futuro com dignidade


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

20/11/2013 | 07:00


Uma data oportuna para reflexão e luta por uma sociedade mais justa. É dessa forma que as lideranças do movimento afro do Grande ABC encaram o Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado hoje. Na pauta de reivindicações, além de demandas constantes, como a necessidade de equiparar direitos na Educação, um novo tema chama atenção: o alto índice de assassinato de jovens negros no País.

Instituido pela lei 10.639, de 2003, a data foi escolhida porque coincide com a morte de Zumbi. O mito foi o último líder do quilombo dos Palmares, na época do Brasil Colônia, e lutou contra a escravidão dos negros. “Ao mesmo tempo em que olhamos para o passado e lembramos da luta vitoriosa de nosso ícone, compreendemos que não podemos perder de vista a necessidade de combater o racismo e buscar uma sociedade sem a exclusão dos negros”, destaca o líder do Movimento Negro Unificado do ABC e militante da Associação de Hip-hop Posse Hausa, Honerê Al-amin Oadq.

De acordo com o coordenador do Núcleo de Formação Cidadã da Metodista, Osvaldo de Oliveira Santos Júnior, a cada 25 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. “Essa é uma pauta nova dos movimentos negros a partir de um quadro caótico”, destaca. Para Honerê, a sociedade negra enfrenta “genocídio de sua juventude”.

Pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgada ontem, mostra que uma herança das discriminações econômicas e raciais contra os afrodescendentes no Brasil é a letalidade violenta – para cada homicídio de não negro no Brasil, 2,4 negros são assassinados, em média.

EDUCAÇÃO

Outro gargalo apontado pelos líderes é a Educação. Na região, apenas 3% dos formados no Ensino Superior são negros. Dos cerca de 125,6 mil moradores negros entre as sete cidades, apenas 7.646 têm Ensino Superior completo.

“O que seria o grande caminho para que negros e brancos tenham condição de igualdade ainda é o principal nó”, aponta a professora do curso de História da Fundação Santo André Mônica Savieto.

Apesar da aprovação da Lei de Cotas (12.711) no ano passado, que obriga as universidades federais a destinarem 50% do total de vagas a estudantes oriundos de escolas públicas, os líderes consideram os avanços tímidos. “Nosso principal desafio é criar condições para que os negros possam ocupar lugar de destaque, seja em grandes empresas ou na política”, destaca o maestro João de Campos, do Movimento Negro de Santo André.

Segundo Honerê, a educação é fundamental para o crescimento do indivíduo. “Infelizmente os negros são minoria nas faculdades e maioria no encarceramento. Quanto maior a exclusão, mais viveremos processo de conflitos no País”, ressalta. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;