Fechar
Publicidade

Domingo, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Apenas 1% dos moradores
de favelas tem faculdade

Arquivo/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Em contrapartida, 12,64% da população de áreas
urbanizadas do Grande ABC cursaram graduação


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

07/11/2013 | 07:00


Apenas 1,06% da população que vive em favelas na região tinha completado o Ensino Superior em 2010. Em contrapartida, 12,64% dos moradores das áreas urbanizadas alcançaram o mesmo patamar educacional. Os dados integram a pesquisa Áreas de Divulgação da Amostra para Aglomerados Subnormais, divulgada ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e levam em conta apenas as cidades de Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá.

São Bernardo era o município com maior quantidade de moradores de núcleos não urbanizados com Ensino Superior completo em 2010 – 1.983 indivíduos, o equivalente a apenas 0,30% da população total. O segundo lugar no ranking ficou com Santo André (941 formados), seguida por Diadema (870) e Mauá (619). Cerca de 413,1 mil pessoas viviam em favelas nestas quatro cidades naquele ano, o correspondente a 18,40% do total de habitantes.

Os números do Grande ABC são inferiores aos nacionais. Em todo o País, 1,6% dos moradores de favelas tinha curso superior naquele ano, enquanto nas áreas urbanizadas o índice é de 14,7%. A região Sudeste é a que tem menor percentual de moradores de favelas que concluíram uma faculdade – 1,2%. Já o percentual de pessoas que residem em áreas urbanizadas com curso superior é de 15,3%.

De acordo com o IBGE, os dados evidenciam as desigualdades entre a população que residia em aglomerados subnormais – classificação dada pelo órgão a assentamentos irregulares conhecidos como favelas, invasões, comunidades, entre outros – e a que morava nas demais regiões dos municípios em 2010. A pesquisa feita por amostra só leva em conta 89 municípios onde foi possível aplicar questionário do instituto a pelo menos 400 domicílios.

EXCEÇÃO

A estudante universitária Letícia Gomes de Oliveira, 19 anos, considera-se exceção à regra evidenciada pelo IBGE. Moradora do núcleo habitacional Sacadura Cabral, em Santo André, a jovem é uma das poucas pessoas que residem na favela e iniciaram uma faculdade. Aluna do segundo semestre do curso de Jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo, ela atribui o feito à estrutura familiar e apoio dos pais.

“Geralmente o pessoal que se forma no Ensino Médio tem que procurar emprego para ajudar a família e não tem condições de pagar uma faculdade”, opina Letícia. Segundo ela, muitos de seus colegas de infância são chefes de família ou estão perdidos no mundo do crime e das drogas.

Apesar de nunca terem sentado nos bancos universitários, os pais de Letícia, um metalúrgico e uma manicure, ajudam a pagar a faculdade. “Tenho bolsa de 50% porque faço estágio em um projeto da universidade, mas o que ganho não é suficiente para a mensalidade”, diz a jovem, que começou a estagiar em uma editora para conseguir suprir os gastos com os estudos.

 
 

Sobe número de autodeclarados pretos e pardos

Dados do Censo 2010 publicados ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam que o número de pessoas do Grande ABC que se declaram pretas ou pardas teve crescimento maior que o total da população desde 2000. Durante o questionamento, o recenseador é orientado a respeitar a resposta dada, sem influenciar na escolha.

O levantamento de 2010 registra que 135.298 pessoas afirmaram ser pretas ao entrevistador, ante 88.052 em 2000 – 53,6% a mais. Entre os pardos, o aumento foi de 34%, passando de 567.834 para 760.766. O total de habitantes das sete cidades cresceu apenas 7,7% no período.

A média de moradores da região que se classificam como negros, de 5,3%, é inferior à nacional, de 7,6%. Rio Grande da Serra e Diadema, que têm, proporcionalmente, a maior quantidade de pretos, com 8,2% e 7,8%, respectivamente, são os únicos municípios com índices superiores aos do Brasil no item. São Caetano apresenta a menor porcentagem de autodeclarados negros, com 2,2%, e pardos: 10,6%.

Por outro lado, a quantidade de participantes que se declararam brancos teve queda de 2%, passando de 1.650.570 para 1.618.808. Mesmo assim, a população que se diz branca ainda é maioria no Grande ABC, com 63,4% do total. O índice é superior à média nacional, de 47,7%.

Entre os que se declararam indígenas, o Grande ABC apresentou significativa queda de 37,8%. Somente 2.358 entrevistados se enquadraram nessa categoria. Proporcionalmente, Ribeirão Pires é a cidade com maior número de índios ou descendentes. A porcentagem em relação ao universo global, no entanto, é baixa: 0,12%.

No grupo dos amarelos, composto por participantes de origem oriental, houve aumento de 17% na comparação com o Censo 2000: de 29.108 para 34.056. Hoje, essa fatia é correspondente a 1,3% da soma dos habitantes das sete cidades. Durante a elaboração do levantamento, 42 pessoas não declararam cor ou raça. (Fábio Munhoz) 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;