Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Reforma de Grana não atende aliados

Arquivo DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com poucos cargos, alterações administrativas deixam a base descontente


Fábio Martins
do Diário do Grande ABC

12/10/2013 | 07:13


 A reforma administrativa projetada pelo governo do prefeito de Santo André, Carlos Grana (PT), está prometida para ser protocolada até dia 31 no Legislativo e não vai aliviar o descontentamento de aliados com a falta de cargos na Prefeitura. O petista reafirmou ontem, em evento no Paço, que o procedimento adotado será enxuto para diminuir o impacto financeiro da alteração estrutural. “Vai ser mini mesmo. Só vamos ter algumas mudanças, mas elas já estão até acontecendo”, sinalizou.

A proposta deve gerar custo de aproximadamente R$ 1 milhão ao ano, segundo interlocutores da gestão petista, diferentemente da reforma anterior brecada, em julho, pelo governo, que resultaria em R$ 12 milhões de gastos aos cofres públicos e mais de 200 postos de livre nomeação. A projeção do Paço é que a nova estrutura crie de cinco a oito cargos comissionados. PTdoB, com dois vereadores, PDT, que também tem dois representantes na Câmara, e DEM cobram por espaço.

Grana implementará as Pastas de Trabalho, Esportes, Mulheres, Direitos Humanos e Relações Institucionais. A Secretaria de Gabinete, por sua vez, será acoplada à de Governo. “Nós pretendemos enviar ainda neste mês (projeto à Casa), mas queremos conversar com o Legislativo para informar antes”, completou Grana. A reforma vai só 'agraciar' pessoas que já contêm cargo no Paço. A única exceção fica por conta de Cícero Martinha (PDT), que comandará a Secretaria de Trabalho e Renda.

Apesar do impasse e cobrança pública da base, a cúpula política do governo minimiza os problemas que serão enfrentados com a proposta. “Não vai ter polêmica. Acredito que poderia haver se tivesse impacto financeiro grande. Os gastos serão os menores possíveis, pois faremos apenas mudanças para melhorar a gestão administrativa”, avaliou o secretário de Gabinete, Tiago Nogueira (PT). Os aliados pós-eleição não alcançaram abertura para acomodar seus correligionários, mesmo após anúncio da adesão.

Não bastasse a reforma, projeto de lei do Executivo propõe a redução de 33 cargos comissionados, conforme orientação do Ministério Público. Atualmente, são cerca de 500 funcionários contratados por livre nomeação na administração direta. O acordo com a Promotoria faz parte da assinatura de TAC (Termo de Ajustamento de Conduta). A proposta tramita na Câmara. O governo articula que a matéria seja aprovada antes da reforma.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;