Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Paulistão

O regional paulista começa no fim de semana com virtudes e defeitos


Especial para o Diário

18/01/2013 | 00:00


O regional paulista começa no fim de semana com virtudes e defeitos. Sempre defendi a competição pela tradição, rivalidade entre clubes e torcedores, jogos contra pequenos e nem tão difíceis adversários e tempo para moldar o grupo visando a temporada.

Além disso, aqueles que disputam a Libertadores, e mais à frente a Copa do Brasil, têm menos dificuldades no regional, intercalando assim os jogos mais complicados nas competições nacional e continental.

Acho que, no entanto, 20 clubes para tão pouco tempo de disputa é muita coisa. Compreendo que politicamente é complicado legalmente mexer no regulamento dentro do conselho arbitral, mas a própria Globo, dona dos direitos de transmissão, poderia ajudar a convencer os cartolas de que o inchaço é prejudicial a todos.

Com a mudança das regras acontecida no ano passado e a fase inicial classificando oito clubes, fica uma sensação de vazio nesses primeiros jogos. Afinal, todo mundo sabe que os quatro grandes vão disputar as semifinais. Por isso, as maiores emoções estão postergadas a partir desse período.

Todos os times se reforçaram com grandes investimentos. A única exceção é o Palmeiras, que perdeu seu principal jogador, Marcos Assumpção, para o Santos, e agora está querendo marcar um golaço contratando Riquelme. A diretoria que for eleita na segunda-feira precisa saber que esse grupo não levará o time de volta para a Primeira Divisão do Brasileiro

O Corinthians, campeão mundial, foi quem mais gastou. Trouxe, entre outros, Alexandre Pato, e manteve o grande elenco que só deu alegrias em 2012. Mesmo começando o Paulistão com o time reserva, o Timão é um dos favoritos. Se chegar entre os oito - o que é muito provável - vai dar trabalho para os outros grandes.

O São Paulo também investiu pesado. Quer vencer a pré-Libertadores e fazer bonito no Paulistão. A principal contratação foi o veterano, mas sempre firme e eficiente, zagueiro Lúcio. A zaga vai ganhar competência e terá boa estabilidade. O Tricolor também é favorito a conquistar o Paulistão.

O Santos também investiu muito. Trouxe Montillo e Marcos Assumpção e vai tentar o inédito tetra. Muricy sabe que tem competência para armar um belo time.

Restam as equipes do Interior. Maior novidade é a contratação de Rivaldo pelo São Caetano. Apesar de veterano, ele dará um toque de qualidade ao time. A Portuguesa trouxe Souza e vai tentar não repetir o papelão do ano passado, quando quase caiu para a Série B.

Torço para que Botafogo, Ponte Preta e Guarani, principalmente, consigam fazer bom papel e manter a tradição dos interioranos, vista ao longo de tantos e tantos anos.

A grande torcida também fica para a arbitragem. Tomara que o futebol não perca para os erros, descalabros, barbeiragens e outros pontos negativos dos árbitros.

Márcio Bernardes é âncora da rede Transamérica de Rádio e professor universitário. www.marciobernardes.com.br



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paulistão

O regional paulista começa no fim de semana com virtudes e defeitos

Especial para o Diário

18/01/2013 | 00:00


O regional paulista começa no fim de semana com virtudes e defeitos. Sempre defendi a competição pela tradição, rivalidade entre clubes e torcedores, jogos contra pequenos e nem tão difíceis adversários e tempo para moldar o grupo visando a temporada.

Além disso, aqueles que disputam a Libertadores, e mais à frente a Copa do Brasil, têm menos dificuldades no regional, intercalando assim os jogos mais complicados nas competições nacional e continental.

Acho que, no entanto, 20 clubes para tão pouco tempo de disputa é muita coisa. Compreendo que politicamente é complicado legalmente mexer no regulamento dentro do conselho arbitral, mas a própria Globo, dona dos direitos de transmissão, poderia ajudar a convencer os cartolas de que o inchaço é prejudicial a todos.

Com a mudança das regras acontecida no ano passado e a fase inicial classificando oito clubes, fica uma sensação de vazio nesses primeiros jogos. Afinal, todo mundo sabe que os quatro grandes vão disputar as semifinais. Por isso, as maiores emoções estão postergadas a partir desse período.

Todos os times se reforçaram com grandes investimentos. A única exceção é o Palmeiras, que perdeu seu principal jogador, Marcos Assumpção, para o Santos, e agora está querendo marcar um golaço contratando Riquelme. A diretoria que for eleita na segunda-feira precisa saber que esse grupo não levará o time de volta para a Primeira Divisão do Brasileiro

O Corinthians, campeão mundial, foi quem mais gastou. Trouxe, entre outros, Alexandre Pato, e manteve o grande elenco que só deu alegrias em 2012. Mesmo começando o Paulistão com o time reserva, o Timão é um dos favoritos. Se chegar entre os oito - o que é muito provável - vai dar trabalho para os outros grandes.

O São Paulo também investiu pesado. Quer vencer a pré-Libertadores e fazer bonito no Paulistão. A principal contratação foi o veterano, mas sempre firme e eficiente, zagueiro Lúcio. A zaga vai ganhar competência e terá boa estabilidade. O Tricolor também é favorito a conquistar o Paulistão.

O Santos também investiu muito. Trouxe Montillo e Marcos Assumpção e vai tentar o inédito tetra. Muricy sabe que tem competência para armar um belo time.

Restam as equipes do Interior. Maior novidade é a contratação de Rivaldo pelo São Caetano. Apesar de veterano, ele dará um toque de qualidade ao time. A Portuguesa trouxe Souza e vai tentar não repetir o papelão do ano passado, quando quase caiu para a Série B.

Torço para que Botafogo, Ponte Preta e Guarani, principalmente, consigam fazer bom papel e manter a tradição dos interioranos, vista ao longo de tantos e tantos anos.

A grande torcida também fica para a arbitragem. Tomara que o futebol não perca para os erros, descalabros, barbeiragens e outros pontos negativos dos árbitros.

Márcio Bernardes é âncora da rede Transamérica de Rádio e professor universitário. www.marciobernardes.com.br

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;