Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Instituições em frangalhos

Levar a namorada para o Nordeste, mandar a sogra para os Estados Unidos, dar passagens para a família


Carlos Brickmann

26/04/2009 | 00:00


Levar a namorada para o Nordeste, mandar a sogra para os Estados Unidos, dar passagens para a família, os amigos, os companheiros, tudo por conta do Tesouro; pagar a empregada doméstica com dinheiro público. Tudo isso é pouca coisa.

O grave, mesmo, é que o Congresso brasileiro parece totalmente desligado da opinião pública: no momento em que se pede uma ação drástica de moralização e contenção de despesas, há uma forte tendência parlamentar para o deixa estar para ver como é que fica. E surge um movimento para aumentar em aproximadamente 50% os salários de Suas Excelências.

Não é que tenham perdido a vergonha (isso provavelmente aconteceu há muito tempo): o que perderam é o senso de medida, o que perderam é a noção das coisas.

Diziam os gregos que, quando os deuses querem destruir um homem, primeiro o enlouquecem. Pois o Congresso, pedindo ainda mais dinheiro, parece hoje uma casa de doidos.

Democracia não existe sem Congresso. Mas os congressistas precisam se dar ao respeito. O senador Cristovam Buarque, do PDT de Brasília, num momento de rara infelicidade, sugeriu um plebiscito para saber se o eleitor quer ter Congresso. É provável que, neste momento, não queira. É provável que, se alguém quiser fechar o Congresso, tenha maciço apoio da opinião pública - que estará errada, mas que talvez não veja motivos para pensar diferente.

A propósito: o título desta nota é o mesmo de um famoso editorial de O Estado de S.Paulo. Foi publicado em 13 de dezembro de 1968.

...TALVEZ NÃO SIRVA
Feliz com a redução da taxa básica de juros pelo Banco Central? Pois a taxa do cheque especial não caiu, não: ao contrário, subiu, para 169,1% ao ano.

PRESIDENTE LUGO
Muita gente não entende o que se passa com o presidente paraguaio por esquecer um fato básico: em espanhol, "padre" quer dizer "pai".

RIPA NO COLUNISTA
É difícil desagradar a todos ao mesmo tempo, mas este colunista vai tentar. O governo estará rigorosamente correto se aumentar os impostos para manter estável o preço da gasolina, apesar da queda do petróleo. Manter alto o preço da gasolina contribui para reduzir um pouco o trânsito nas grandes cidades, para estimular o transporte coletivo, para reduzir a poluição do ar. Contribui, também, para estimular o uso de combustíveis alternativos (como o álcool) e manter aceso o interesse por motores não poluentes. Se a gasolina cair à metade (o petróleo caiu muito mais do que isso) que é que vai acontecer com o álcool e o motor flex?

MUDANDO DE CONVERSA
A briga com o ministro Gilmar Mendes é apenas mais uma na vida do ministro Joaquim Barbosa no Supremo Tribunal Federal. Em 2008, Barbosa xingou o ministro Eros Grau, 68 anos, de "velho caquético", e chamou-o para a briga, sendo contido. Grau, lembrando um boletim de ocorrência registrado pela então mulher de Barbosa, foi duro: "Para quem batia na mulher, não seria nada estranho que batesse num velho também". Barbosa acusou o ministro Marco Aurélio de ter julgado um processo que, a seu ver, lhe caberia. Marco Aurélio desafiou-o "para resolver o assunto fora da Corte, na rua", mas foi contido. Representou contra Barbosa, e o presidente, ministro Nelson Jobim, sem tomar outras providências, deu razão a Marco Aurélio. O ministro aposentado Maurício Correia perguntou ao ministro Barbosa quando poria em pauta um processo que mantinha parado há quase um ano. Barbosa acusou-o publicamente de tráfico de influência. Correia interpelou judicialmente o ministro Joaquim Barbosa, que preferiu retratar-se.

NÃO É LÁ!
Esta coluna errou ao informar que a Refinaria Abreu e Lima (aquela que a Venezuela iria financiar e até agora não mexeu no bolso) fica em Abreu e Lima. Fica em Ipojuca, também em Pernambuco, mas no Litoral Sul, não no Norte.

TEMPOS E COSTUMES
Quando o Rio era capital, os parlamentares moravam lá, fosse qual fosse seu Estado. Com o salário, pagavam casa, viagens, roupas (nada de auxílio-paletó!); levavam a família. Havia bandidos? Claro; mas seus hábitos não contaminavam o Congresso todo. Quando a capital se mudou para Brasília, longe de tudo, com comunicações difíceis, criaram-se as mordomias. Só que isso faz 50 anos: Brasília é uma cidade moderníssima, com boa qualidade de vida, com tudo o que é necessário.

TALVEZ SIRVA DE CONSOLO...
Cá e lá: neste momento, um tremendo escândalo envolve o presidente da Comunidade Valenciana (uma espécie de Estado, mais autônomo que os brasileiros), na Espanha. A história mais saborosa é a de um alfaiate que recebeu milhões de euros e emitiu notas frias, por roupas que não confeccionou. Para políticos, veja só! Há relações estranhas com empreiteiras, presentes para a mulher do presidente da Comunidade - o noticiário é o mesmo, é só mudar o nome do país.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;