Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Região ganha 15
mil aposentados do
INSS em um ano

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

10/07/2013 | 07:33


O número de benefícios concedidos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) nos sete municípios cresceu em cerca de 15 mil nos últimos 12 meses, passando do total de 471.352 em junho de 2012 para 486.506 no mês passado, alta de 3% de acordo com o mais recente levantamento do órgão.
 
 Nesse contingente, estão somados aposentados, pensionistas e também os que recebem recursos assistenciais. Apesar da ressalva de que os dados se referem a públicos diversos, o diretor da Associação dos Aposentados e Pensionistas do Grande ABC Luís Antônio Rodrigues considera que a expansão do volume de benefícios reflete em boa parte um processo de desindustrialização na região.
 
 Isso porque, segundo ele, com o fechamento de postos de trabalhos nas fabricantes, principalmente na área de autopeças, muitos empregados decidiram ingressar com pedidos de aposentadoria no INSS.
 
 Os dados de pesquisa do Seade/Dieese estão de acordo com esse processo acelerado de redução das vagas nas companhias no Grande ABC. Entre maio deste ano e o mesmo mês do 2012, foram eliminados 39 mil postos de trabalho no setor industrial.
 
 Rodrigues assinala ainda que têm sido veiculadas notícias há algum tempo de que pode haver piora nas regras para a aposentadoria, o que só alimenta os receios e acelera a decisão dos trabalhadores de sair mais cedo da ativa.
 
 Ele considera que mesmo a fórmula 85/95 – proposta pelas centrais sindicais – não é ideal. Isso porque a pessoa que arruma emprego aos 20 anos e trabalha por 35 (no caso do homem), aos 55 (se não tiver ficado sem registro em carteira nem um ano) precisará de mais dois anos e meio para completar a soma de 95 (entre tempo de idade e de contribuição).
 

 O diretor lembra que o governo chegou a cogitar a implementação de fator 95/105, que exigiria mais sete anos e meio de trabalho, para se aposentar.

Valor - O montante pago pelo INSS também subiu nos últimos 12 meses. A alta foi ainda mais expressiva, da ordem de 10%, chegando a R$ 609 milhões em junho. Dividindo pelo número de beneficiários, chega-se à média de R$ 1.252 por mês. “A região tem uma das médias de benefícios mais altas do País, já que tem muitas indústrias automobilísticas que pagam bons salários. Isso puxa para cima o valor pago aos aposentados”, cita o dirigente.

 Como nesse montante de R$ 609 milhões também estão incluídos os pagamentos de quem recebe salário-mínimo concedido pelo instituto, dentro das regras da Loas (Lei Orgânica de Assistência Social) – verba para idosos e deficientes sem condições de se manter e com renda per capita da família inferior a um quarto do mínimo –, isso significa que a média paga somente aos aposentados é ainda maior. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Região ganha 15
mil aposentados do
INSS em um ano

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

10/07/2013 | 07:33


O número de benefícios concedidos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) nos sete municípios cresceu em cerca de 15 mil nos últimos 12 meses, passando do total de 471.352 em junho de 2012 para 486.506 no mês passado, alta de 3% de acordo com o mais recente levantamento do órgão.
 
 Nesse contingente, estão somados aposentados, pensionistas e também os que recebem recursos assistenciais. Apesar da ressalva de que os dados se referem a públicos diversos, o diretor da Associação dos Aposentados e Pensionistas do Grande ABC Luís Antônio Rodrigues considera que a expansão do volume de benefícios reflete em boa parte um processo de desindustrialização na região.
 
 Isso porque, segundo ele, com o fechamento de postos de trabalhos nas fabricantes, principalmente na área de autopeças, muitos empregados decidiram ingressar com pedidos de aposentadoria no INSS.
 
 Os dados de pesquisa do Seade/Dieese estão de acordo com esse processo acelerado de redução das vagas nas companhias no Grande ABC. Entre maio deste ano e o mesmo mês do 2012, foram eliminados 39 mil postos de trabalho no setor industrial.
 
 Rodrigues assinala ainda que têm sido veiculadas notícias há algum tempo de que pode haver piora nas regras para a aposentadoria, o que só alimenta os receios e acelera a decisão dos trabalhadores de sair mais cedo da ativa.
 
 Ele considera que mesmo a fórmula 85/95 – proposta pelas centrais sindicais – não é ideal. Isso porque a pessoa que arruma emprego aos 20 anos e trabalha por 35 (no caso do homem), aos 55 (se não tiver ficado sem registro em carteira nem um ano) precisará de mais dois anos e meio para completar a soma de 95 (entre tempo de idade e de contribuição).
 

 O diretor lembra que o governo chegou a cogitar a implementação de fator 95/105, que exigiria mais sete anos e meio de trabalho, para se aposentar.

Valor - O montante pago pelo INSS também subiu nos últimos 12 meses. A alta foi ainda mais expressiva, da ordem de 10%, chegando a R$ 609 milhões em junho. Dividindo pelo número de beneficiários, chega-se à média de R$ 1.252 por mês. “A região tem uma das médias de benefícios mais altas do País, já que tem muitas indústrias automobilísticas que pagam bons salários. Isso puxa para cima o valor pago aos aposentados”, cita o dirigente.

 Como nesse montante de R$ 609 milhões também estão incluídos os pagamentos de quem recebe salário-mínimo concedido pelo instituto, dentro das regras da Loas (Lei Orgânica de Assistência Social) – verba para idosos e deficientes sem condições de se manter e com renda per capita da família inferior a um quarto do mínimo –, isso significa que a média paga somente aos aposentados é ainda maior. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;