Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

S.Bernardo abre evento
da Luta Antimanicomial

Iniciativa reuniu pacientes e familiares na Chácara Silvestre, no Nova Petrópolis


Drielly Gaspar
Especial para o Diário

14/05/2013 | 07:00


São Bernardo abriu ontem a Semana da Luta Antimanicomial. Para marcar a data pacientes, familiares e funcionários dos Caps (Centro de Atenção Psicossocial) se reuniram na Chácara Silvestre, no bairro Nova Petrópolis, para fazer piquenique e praticar atividades.

De acordo com o coordenador do Caps Farina, Wagner Oda, as atividades ao ar livre fazem de uma série de ações que tornam o tratamento de doenças mentais mais digno. "Desde 2009, a cidade vem implementando serviços que humanizam a relação do sistema de Saúde com os pacientes e também tentam mudar o modo com que a sociedade encara esses transtornos", explica.

Ontem, os participantes do piquenique puderam experimentar e conhecer o trabalho da equoterapia, que tem ajudado na reabilitação de dependentes químicos.

O coordenador do projeto, Artur Gomes de Moura Filho, explica que o uso dos cavalos no tratamento é importante porque gera sensações que, antes, só seriam obtidas com o uso de drogas. "O prazer que eles sentem ao montar é indescritível. Todas as ações ao ar livre contribuem muito para o sucesso do tratamentos."

Outro projeto destinado a pacientes dos Caps de São Bernardo é o Remando para a Vida, que oferece aulas de caiaque na Represa Billings, no Parque Estoril.

Agostinho Cerafim da Silva, 65, é pai de Eudes Ferreira da Silva, 25, que faz tratamento no Caps Farina desde 2009. Ele diz que, por conta do problema mental, seu filho era muito agressivo. Depois que começou o tratamento, o rapaz ficou mais calmo e até pede para participar dos eventos. "Ele é outra pessoa. Não só por causa do tratamento e dos medicamentos, mas também por causa das atividades proporcionadas", conta o pai, com um sorriso no rosto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

S.Bernardo abre evento
da Luta Antimanicomial

Iniciativa reuniu pacientes e familiares na Chácara Silvestre, no Nova Petrópolis

Drielly Gaspar
Especial para o Diário

14/05/2013 | 07:00


São Bernardo abriu ontem a Semana da Luta Antimanicomial. Para marcar a data pacientes, familiares e funcionários dos Caps (Centro de Atenção Psicossocial) se reuniram na Chácara Silvestre, no bairro Nova Petrópolis, para fazer piquenique e praticar atividades.

De acordo com o coordenador do Caps Farina, Wagner Oda, as atividades ao ar livre fazem de uma série de ações que tornam o tratamento de doenças mentais mais digno. "Desde 2009, a cidade vem implementando serviços que humanizam a relação do sistema de Saúde com os pacientes e também tentam mudar o modo com que a sociedade encara esses transtornos", explica.

Ontem, os participantes do piquenique puderam experimentar e conhecer o trabalho da equoterapia, que tem ajudado na reabilitação de dependentes químicos.

O coordenador do projeto, Artur Gomes de Moura Filho, explica que o uso dos cavalos no tratamento é importante porque gera sensações que, antes, só seriam obtidas com o uso de drogas. "O prazer que eles sentem ao montar é indescritível. Todas as ações ao ar livre contribuem muito para o sucesso do tratamentos."

Outro projeto destinado a pacientes dos Caps de São Bernardo é o Remando para a Vida, que oferece aulas de caiaque na Represa Billings, no Parque Estoril.

Agostinho Cerafim da Silva, 65, é pai de Eudes Ferreira da Silva, 25, que faz tratamento no Caps Farina desde 2009. Ele diz que, por conta do problema mental, seu filho era muito agressivo. Depois que começou o tratamento, o rapaz ficou mais calmo e até pede para participar dos eventos. "Ele é outra pessoa. Não só por causa do tratamento e dos medicamentos, mas também por causa das atividades proporcionadas", conta o pai, com um sorriso no rosto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;