Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

British Airways e KLM confirmam negociaçoes 'preliminares'


Do Diário do Grande ABC

07/06/2000 | 12:02


As companhias de aviaçao British Airways (britânica) e KLM (holandesa) confirmaram nesta quarta-feira que estao realizando negociaçoes preliminares negociaçoes para criar a maior companhia aérea européia, em um setor, até o momento, muito limitado às fronteiras nacionais.

British Airways (BA) e KLM iniciarao ``negociaçoes sobre uma eventual combinaçao das suas atividades'', apesar de destacarem que ``nao existe nenhuma garantia de que (as negociaçoes) possam terminar em uma transaçao''.

A operaçao seria de fato uma compra da KLM pela BA, três vezes maior e disposta - segundo o Wall Street Journal Europe - a pagar ``muito mais'' do que 1,3 bilhao de euros (cerca de US$ 1,2 bilhao), a capitalizaçao da KLM. A BA/KLM, com mais de 500 avioes, seria a maior companhia de aviaçao européia e terceira maior do mundo, com um valor de mercado de cerca de oito bilhoes de euros (US$ 7,2 bilhoes), atrás apenas das americanas United Airlines e American Airlines.

Tanto do lado europeu quanto do americano, há perspectivas positivas, já que a BA esta ligada à American Airlines e a KLM à Northwest Airlines.

``É uma aliança evidente'', pensa Mike Powell, analista de Dresdner Kleinwort Benson. ``Sao duas companhias bem administradas, mais próximas culturalmente do que outras companhias européias'', acrescentou.

A BA e a KLM haviam começado a negociar em 1992, sem êxito. O rompimento da KLM com a Alitalia, em abril, fez ressurgir a hipótese da fusao com a BA.

``O jogo mudou no início dos anos 90'', observa Chris Partridge, analista do Deutsche Bank. ``Na época, ainda tínhamos a ajuda do Estado'', explica o especialista. ``A mudança foi o acordo Swissair-Sabena, quando continuava a reorganizaçao do setor nos Estados Unidos. As companhias européias devem continuar com esse exemplo'', pensa Partridge.

A compra, em abril, da belga Sabena pela Swissair, confirmada em um referendo na Suíça, abriu o terreno regulamentar sobre a questao chave da propriedade dos direitos de vôo, uma verdadeira barreira contra alianças que ultrapassem a fronteira dos países.

Sabena, que será controlada em 85% pela Swissair, viu garantida a propriedade dos seus direitos na Uniao Européia, independentemente da nacionalidade dos seus acionistas. ``Isso prova que a questao foi examinada seriamente'' pelos reguladores, que deram ``luz verde'', pensa Chris Partridge. ``Dentro de cinco anos, haverá quatro grandes companhias na Europa, pertencentes às principais alianças internacionais'', acrescenta.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;