Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 23 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

PT nacional defende Velasquez


Samir Siviero
Do Diário do Grande ABC

27/04/2001 | 23:22


O advogado criminalista Márcio Thomaz Bastos foi contratado pela direção nacional do PT (Partido dos Trabalhadores) para acompanhar o prefeito de Rio Grande da Serra, Ramon Velasquez, no inquérito sobre a morte do prefeito José Carlos de Arruda, o Carlão, que foi encontrado morto em 1º de abril de 1998. O trabalho do advogado começa com o depoimento de Ramon na quarta-feira na Delegacia de Ribeirão Pires. O secretário de Assuntos Institucionais da direção nacional do PT, Vicente Trevas, afirmou que o partido contratou o advogado para evitar distorções no inquérito policial.

Trevas disse que o partido está acompanhando de perto o andamento do processo e o envolvimento do nome de Ramon como suspeito de ser um dos mandantes do crime junto com seu sogro Valdir Mitterstein (PPB), o Gaúcho, e Expedito Antonio de Oliveira (PL), que assumiu a Prefeitura após a morte de Carlão. “Estamos muito preocupados com esse inquérito pois, pela nossa experiência, sentimos indícios de armação contra o Ramon. Temos total confiança no nosso prefeito e essas acusações nos parecem uma retaliação pelas mudanças que ele vinha imprimindo na cidade.”

“O Ramon está atacando a política mesquinha que Rio Grande tinha até ele assumir. Agora que a cidade começou a caminhar, discutindo sempre a integração com os outros municípios do Grande ABC, essas pessoas que praticam uma política antiga e que estão sendo atingidas estão tentando acusar o Ramon para se vingar”, disse Trevas.

Para a contratação de Márcio Thomaz Bastos foram levadas em conta a experiência do advogado e a proximidade com o partido. O nome de Bastos foi um dos citados para assumir a Secretaria de Negócios Jurídicos na atual administração petista da Prefeitura de São Paulo.

“O Bastos é um amigo do nosso partido e sempre esteve ligado ao movimento democrático. Por isso contamos com ele nesse inquérito, para garantir que não haja qualquer distorção ou acusação em cima de julgamentos falsos”, afirmou Trevas.

De acordo com o assessor de Gabinete de Ramon, Carlos Augusto César, o Cafu, a negociação com Bastos foi feita diretamente pelo presidente de honra do partido, Luís Inácio Lula da Silva, e pelo presidente José Dirceu. “O Bastos aceitou prontamente defender o Ramon. A negociação foi feita pela direção nacional, até porque estão querendo atacar o Ramon e o partido.”

“Existe algo muito forte por trás dessas acusações que estão sendo feitas por bandidos. O Ramon tem uma história na cidade, basta comparar o histórico dele com esse Brinquinho, Folha e outros que estão surgindo para incriminar o Ramon”, disse Cafu.

O prefeito foi intimado judicialmente quinta-feira e seu depoimento está marcado para quarta-feira às 15h. Esta é a primeira vez que Ramon é convocado desde 10 de abril, quando Gaúcho foi preso como suspeito de ser um dos mandantes do crime.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PT nacional defende Velasquez

Samir Siviero
Do Diário do Grande ABC

27/04/2001 | 23:22


O advogado criminalista Márcio Thomaz Bastos foi contratado pela direção nacional do PT (Partido dos Trabalhadores) para acompanhar o prefeito de Rio Grande da Serra, Ramon Velasquez, no inquérito sobre a morte do prefeito José Carlos de Arruda, o Carlão, que foi encontrado morto em 1º de abril de 1998. O trabalho do advogado começa com o depoimento de Ramon na quarta-feira na Delegacia de Ribeirão Pires. O secretário de Assuntos Institucionais da direção nacional do PT, Vicente Trevas, afirmou que o partido contratou o advogado para evitar distorções no inquérito policial.

Trevas disse que o partido está acompanhando de perto o andamento do processo e o envolvimento do nome de Ramon como suspeito de ser um dos mandantes do crime junto com seu sogro Valdir Mitterstein (PPB), o Gaúcho, e Expedito Antonio de Oliveira (PL), que assumiu a Prefeitura após a morte de Carlão. “Estamos muito preocupados com esse inquérito pois, pela nossa experiência, sentimos indícios de armação contra o Ramon. Temos total confiança no nosso prefeito e essas acusações nos parecem uma retaliação pelas mudanças que ele vinha imprimindo na cidade.”

“O Ramon está atacando a política mesquinha que Rio Grande tinha até ele assumir. Agora que a cidade começou a caminhar, discutindo sempre a integração com os outros municípios do Grande ABC, essas pessoas que praticam uma política antiga e que estão sendo atingidas estão tentando acusar o Ramon para se vingar”, disse Trevas.

Para a contratação de Márcio Thomaz Bastos foram levadas em conta a experiência do advogado e a proximidade com o partido. O nome de Bastos foi um dos citados para assumir a Secretaria de Negócios Jurídicos na atual administração petista da Prefeitura de São Paulo.

“O Bastos é um amigo do nosso partido e sempre esteve ligado ao movimento democrático. Por isso contamos com ele nesse inquérito, para garantir que não haja qualquer distorção ou acusação em cima de julgamentos falsos”, afirmou Trevas.

De acordo com o assessor de Gabinete de Ramon, Carlos Augusto César, o Cafu, a negociação com Bastos foi feita diretamente pelo presidente de honra do partido, Luís Inácio Lula da Silva, e pelo presidente José Dirceu. “O Bastos aceitou prontamente defender o Ramon. A negociação foi feita pela direção nacional, até porque estão querendo atacar o Ramon e o partido.”

“Existe algo muito forte por trás dessas acusações que estão sendo feitas por bandidos. O Ramon tem uma história na cidade, basta comparar o histórico dele com esse Brinquinho, Folha e outros que estão surgindo para incriminar o Ramon”, disse Cafu.

O prefeito foi intimado judicialmente quinta-feira e seu depoimento está marcado para quarta-feira às 15h. Esta é a primeira vez que Ramon é convocado desde 10 de abril, quando Gaúcho foi preso como suspeito de ser um dos mandantes do crime.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;