Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Para levar às nuvens

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Thiago Mariano
Do Diário do Grande ABC

15/10/2010 | 07:07


"Se as pessoas quiserem vir à caráter para dançar, tudo bem", brinca o maestro Carlos Moreno sobre o concerto da Orquestra Sinfônica de Santo André deste fim de semana.

No programa, O Belo Danúbio Azul, de Johann Strauss Jr., Concerto de Aranjuez para Violão e Orquestra, de Joaquín Rodrigo e Sinfonia nº 7, el Lá Maior, op. 92, de Ludwig Van Beethoven.

Respectivamente, os concertos trazem um ar típico da terra onde foram compostos, Aústria, Espanha e Alemanha.

"É rara a oportunidade de ver Danúbio Azul executado ao vivo. Não sei dizer o motivo, mas as orquestras não tocam mais valsa. Esta música transcende a ideia de que o ritmo só serve para a dança, é um dos movimentos mais belos que existe para a música", conta o maestro, que acrescenta que o modo de tocá-la, em ternário - compasso de três tempos - é responsável por transportar o público para a atmosfera mágica da dança.

"O deslocamento das pulsações dá a sensação de rodopio, leveza, impulso em direção ao ar. É matemática das mais inspiradas", completa.

Com o violão do solista Gilson Antunes, o segundo repertório traz o clima folclórico espanhol. "Assim como a canção brasileira é rica, a espanhola também é muitíssimo. A inspiração desta composição vem da música folclórica", comenta Moreno, dizendo que, apesar de conter as palavras Espanha e violão, o concerto não é de música flamenca. "O flamenco aponta uma das facetas desta música, mas ela está em linha muito mais erudita que popular. O último movimento dela tem nobreza, é quase a construção de um clássico. Não há nessa obra, por exemplo, a dramaticidade que a música flamenca sugere."

Para fechar com apoteose, vem a obra de Beethoven, nomeada pelo próprio compositor como a sinfonia da dança. "Ela foi criada inspirada na dança renascentista pavana e sugere imagens de movimentos vivos. Ouvi-la é como ver cenas campestres, do povo dançando com tamanco, em seguida, embriagado, como se estivesse em transe"

Orquestra Sinfônica de Santo André - Concerto. No Teatro Municipal de Santo André - Praça 4º Centenário. Tel.: 4433-0789. Sáb. e dom., às 20h. Grátis.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;