Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhadores do setor farmacêutico
aprovam proposta de reajuste salarial


Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

09/04/2011 | 07:10


Funcionários do setor farmacêutico aprovaram ontem, em assembleia, a proposta de reajuste salarial de 7,7%. Dos 2.000 trabalhadores da região, cerca de 60 compareceram à votação, que foi unânime.

De acordo com a proposta, aqueles que recebem acima do teto salarial (R$ 4.950) terão direito a um valor fixo de R$ 381,15 ao mês.

Além do aumento, o acordo coletivo prevê PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de R$ 950 nas empresas com até 100 funcionários. Acima disso, o benefício é de R$ 1.300 (hoje em R$ 1.200). O vale-alimentação subiu para R$ 100 (atualmente em R$ 90) nas indústrias com uma base superior a 100 funcionários. Nas demais, o vale ficou fechado em R$ 66.

No caso dos pisos, o acordo é para que haja dois: no valor de R$ 900 para as companhias de até 100 trabalhadores e de R$ 1.000 para aquelas com quadro de colaboradores maior - até então o piso era de R$ 835.

"Além de todas as conquistas, os trabalhadores terão direito a um abono de R$ 300. Aproveitamos para renovar as cláusulas sociais por mais dois anos. O único item que não conseguimos negociar foi o da expansão da licença-maternidade, de 120 dias para 180 dias", completa o diretor do Sindicato dos Químicos do ABC, Raimundo Suzart.

VALIDADE

Para que o acordo seja válido, a federação da categoria irá aguardar as assembleias na Capital e no interior do Estado de São Paulo - que devem ocorrer até amanhã. "Se as bases das outras regiões também aprovarem as propostas, devemos agendar para a próxima semana a formalização do acordo. Caso contrário, vamos voltar a negociar", explica Suzart.

No início da campanha, iniciada em fevereiro, a categoria reivindicava reajuste salarial de 13% e de piso, PLR de R$ 2.000 para todos os trabalhadores, melhoria no valor do vale-alimentação e extensão da licença-maternidade.

RAIO X

No País há, aproximadamente, 30 mil trabalhadores no setor. Desses, 20 mil estão empregados nas indústrias do Estado de São Paulo. A data-base é em 1º de abril.

Segundo a indústria química como um todo, os resultados da segmento farmacêutico foram muito positivos no ano passado.

Dados da entidade que representa os empresários do segmento, o Sindusfarma, apontam que o faturamento líquido das empresas instaladas no Brasil cresceu 16,3% em relação a 2009, e atingiu R$ 35,1 bilhões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhadores do setor farmacêutico
aprovam proposta de reajuste salarial

Tauana Marin
Do Diário do Grande ABC

09/04/2011 | 07:10


Funcionários do setor farmacêutico aprovaram ontem, em assembleia, a proposta de reajuste salarial de 7,7%. Dos 2.000 trabalhadores da região, cerca de 60 compareceram à votação, que foi unânime.

De acordo com a proposta, aqueles que recebem acima do teto salarial (R$ 4.950) terão direito a um valor fixo de R$ 381,15 ao mês.

Além do aumento, o acordo coletivo prevê PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de R$ 950 nas empresas com até 100 funcionários. Acima disso, o benefício é de R$ 1.300 (hoje em R$ 1.200). O vale-alimentação subiu para R$ 100 (atualmente em R$ 90) nas indústrias com uma base superior a 100 funcionários. Nas demais, o vale ficou fechado em R$ 66.

No caso dos pisos, o acordo é para que haja dois: no valor de R$ 900 para as companhias de até 100 trabalhadores e de R$ 1.000 para aquelas com quadro de colaboradores maior - até então o piso era de R$ 835.

"Além de todas as conquistas, os trabalhadores terão direito a um abono de R$ 300. Aproveitamos para renovar as cláusulas sociais por mais dois anos. O único item que não conseguimos negociar foi o da expansão da licença-maternidade, de 120 dias para 180 dias", completa o diretor do Sindicato dos Químicos do ABC, Raimundo Suzart.

VALIDADE

Para que o acordo seja válido, a federação da categoria irá aguardar as assembleias na Capital e no interior do Estado de São Paulo - que devem ocorrer até amanhã. "Se as bases das outras regiões também aprovarem as propostas, devemos agendar para a próxima semana a formalização do acordo. Caso contrário, vamos voltar a negociar", explica Suzart.

No início da campanha, iniciada em fevereiro, a categoria reivindicava reajuste salarial de 13% e de piso, PLR de R$ 2.000 para todos os trabalhadores, melhoria no valor do vale-alimentação e extensão da licença-maternidade.

RAIO X

No País há, aproximadamente, 30 mil trabalhadores no setor. Desses, 20 mil estão empregados nas indústrias do Estado de São Paulo. A data-base é em 1º de abril.

Segundo a indústria química como um todo, os resultados da segmento farmacêutico foram muito positivos no ano passado.

Dados da entidade que representa os empresários do segmento, o Sindusfarma, apontam que o faturamento líquido das empresas instaladas no Brasil cresceu 16,3% em relação a 2009, e atingiu R$ 35,1 bilhões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;