Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Acusado de matar estudante tem a prisão decretada


Javier Contreras
Do Diário do Grande ABC

06/01/2004 | 23:38


Foi decretada nesta terça-feira a prisão temporária do segurança João dos Santos, 33 anos, acusado de assassinar o estudante Renan de Araújo Silva, 18, na madrugada de segunda-feira. O crime ocorreu em um bar localizado na avenida Goiás, em São Caetano.

O acusado, conhecido como Johnny, continua foragido, mas a polícia prossegue com as investigações sobre seu paradeiro. Parentes do segurança, que vivia no Jardim Calux, periferia de São Bernardo, disseram que não vêem Johnny desde o dia anterior ao crime.

Porém, sua esposa informou que ele apareceu em casa por volta das 5h de segunda-feira (cerca de meia hora após o assassinato), apanhou alguns objetos e fugiu. Ninguém confirmou se a pistola calibre 765 usada no crime pertencia de fato ao vigilante.

“A melhor coisa que ele deve fazer é se entregar e se defender com argumentos sobre o que aconteceu. Essa atitude seria melhor considerada durante a reconstituição do crime”, disse o delegado do Setor de Investigações Gerais (SIG) Moisés Maximiano.

Nesta terça, Wallace Pereira, um dos proprietários do estabelecimento comercial onde Johnny trabalhava – o Bueno’s Bar, ex-Rolando Chopp – se apresentou espontaneamente à polícia para prestar esclarecimentos sobre a contratação do vigilante.

Na segunda-feira, dia do enterro de Renan, seus familiares criticaram o estabelecimento por ter contratado “um homem sem estrutura” para atuar como agente de segurança. “Ele me pediu emprego depois de ir três vezes ao bar. Como fim de ano é um período em que os bares ficam mais cheios, o contratei, mas exigi que ele trouxesse seus documentos até o início desse mês”, disse Wallace Pereira.

Segundo Pereira, Johnny apresentou a carteira de trabalho, que mostrava que havia trabalhado antes como agente de segurança de um açougue. “Eu confiei nele, que trazia sua própria equipe, nas sextas-feiras e sábados. Mas havia dito que não queria que eles andassem armados em meu bar. Aliás, ele nunca me mostrou uma arma e disse que não trabalhava armado”.

O crime – Renan e dois amigos comemoravam o aniversário de um deles na choperia quando um copo caiu de sua mesa e quebrou. O incidente teria enfurecido Johnny, que obrigou o rapaz a sair do bar. Os dois amigos o acompanharam e viram Renan dizer que pagaria o copo. Nesse momento, o vigilante atirou à queima-roupa contra o rapaz, segundo testemunhas. Caído no chão, ele ainda foi baleado na cabeça pelo vigilante, que depois atirou contra outro homem, Márcio Antônio de Souza.

Baleado na barriga, Souza – que é presidiário de Franco da Rocha e estava em liberdade provisória para as festas de fim de ano – continua internado em estado grave no hospital Heliópolis, na capital.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;