Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Putin adverte americanos sobre uma guerra longa no Iraque


Da AFP

06/10/2003 | 08:18


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que os Estados Unidos enfrentam a possibilidade de uma guerra prolongada, violenta e fútil no Iraque, como a encarada no passado pela União Soviética no Afeganistão.

Em entrevista concedida ao jornal The New York Times, Putin falou que o Iraque "pode voltar a ser um novo centro, um novo imã para todos os elementos destrutivos". Ele ainda disse que "um grande número de diferentes organizações terroristas" está se mobilizando dentro do Iraque desde à queda do regime de Saddam Husein.

Para o líder russo, o governo do presidente George W. Bush deve agir rapidamente para devolver a soberania aos iraquianos e garantir uma nova resolução das Nações Unidas definindo claramente quanto tempo mais as forças internacionais ficarão no país, escreveu o jornal.

"Como a população poderia tratar as forças que têm como nome oficial forças de ocupação?", questionou Putin. Segundo ele, os atos hostis contra os Estados Unidos são inevitáveis, a menos que sua ocupação receba a legitimidade internacional que está precisando neste momento.

Na entrevista, Putin destacou que as relações da Rússia com os Estados Unidos são próximas e francas. Ao mesmo tempo, porém, foi muito crítico em relação às queixas dos americanos sobre a Chechênia e à humilhante exigência de um novo visto para os cidadãos russos nos EUA.

Putin reconheceu que o povo tem razão de chamar o regime de Saddam Hussein de "criminoso", mas rechaçou a afirmação de Bush de que o líder iraquiano tinha vínculos com a militância islâmica internacional e o terrorismo.

Em contrapartida, disse, a invasão do Iraque criou um paraíso para os terroristas onde antes não existia. O governo de Saddam Hussein "lutou contra o fundamentalismo. Exterminou-os, prendeu-os ou enviou-os ao exílio", completou.

O presidente russo acredita que as "forças da coalizão ganharam dois inimigos com a guerra no Iraque, ambos restos do regime de Saddam, os que combateram com elas e os que elas combateram no passado, os fundamentalistas".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Putin adverte americanos sobre uma guerra longa no Iraque

Da AFP

06/10/2003 | 08:18


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que os Estados Unidos enfrentam a possibilidade de uma guerra prolongada, violenta e fútil no Iraque, como a encarada no passado pela União Soviética no Afeganistão.

Em entrevista concedida ao jornal The New York Times, Putin falou que o Iraque "pode voltar a ser um novo centro, um novo imã para todos os elementos destrutivos". Ele ainda disse que "um grande número de diferentes organizações terroristas" está se mobilizando dentro do Iraque desde à queda do regime de Saddam Husein.

Para o líder russo, o governo do presidente George W. Bush deve agir rapidamente para devolver a soberania aos iraquianos e garantir uma nova resolução das Nações Unidas definindo claramente quanto tempo mais as forças internacionais ficarão no país, escreveu o jornal.

"Como a população poderia tratar as forças que têm como nome oficial forças de ocupação?", questionou Putin. Segundo ele, os atos hostis contra os Estados Unidos são inevitáveis, a menos que sua ocupação receba a legitimidade internacional que está precisando neste momento.

Na entrevista, Putin destacou que as relações da Rússia com os Estados Unidos são próximas e francas. Ao mesmo tempo, porém, foi muito crítico em relação às queixas dos americanos sobre a Chechênia e à humilhante exigência de um novo visto para os cidadãos russos nos EUA.

Putin reconheceu que o povo tem razão de chamar o regime de Saddam Hussein de "criminoso", mas rechaçou a afirmação de Bush de que o líder iraquiano tinha vínculos com a militância islâmica internacional e o terrorismo.

Em contrapartida, disse, a invasão do Iraque criou um paraíso para os terroristas onde antes não existia. O governo de Saddam Hussein "lutou contra o fundamentalismo. Exterminou-os, prendeu-os ou enviou-os ao exílio", completou.

O presidente russo acredita que as "forças da coalizão ganharam dois inimigos com a guerra no Iraque, ambos restos do regime de Saddam, os que combateram com elas e os que elas combateram no passado, os fundamentalistas".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;