Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 30 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Polícia ouve testemunhas que acusam PMs de chacinas em Mauá


Artur Rodrigues
Do Diário do Grande ABC

17/02/2006 | 07:55


A Polícia Civil ouviu nesta quinta testemunhas que acusam policiais militares de cometerem duas chacinas na favela do Jardim Kennedy, em Mauá. Apesar de não revelar em detalhes o conteúdo dos depoimentos, o delegado titular da cidade, Américo dos Santos Neto, afirma que as testemunhas propriciaram “avanço considerável na investigação”.

O delegado afirma que a Corregedoria da Polícia Militar e o Ministério Público formam, junto com a Polícia Civil, uma espécie de força-tarefa para desvendar o caso. Moradores acusam PMs de envolvimento em chacina de 23 de julho de 2005 e em 9 de janeiro deste ano. Seis pessoas foram mortas nos dois episódios.

A Polícia Militar afirma que as denúncias dos moradores não procedem. Para o coronel Renato Aldarvis, do CPA/M-6 (Comando de Policiamento de Área Metropolitano 6), que abrange as sete cidades da região, as acusações de moradores fazem parte de estratégia de “marginais” para atingir a PM. Segundo ele, as duas viaturas denunciadas por moradores – a 30070 e 30080 – não estavam de serviço no horário das chacinas.

Testemunhas afirmam ter visto homens fardados e encapuzados nos dois episódios. Morreram na última chacina o ferramenteiro Roberto Pinheiro Yamaguti, 28 anos, a vendedora Jaqueline Alessandra dos Santos Gomes, 18, e um homem que ainda não foi identificado. No segundo crime, as vítimas foram João Alves Ferreira, 28 anos, Alex Nery e Anderson Lima Gaia, de idades não divulgadas. Nenhum dos mortos foi encontrado com armas.

Continua também a ocupação da favela do Jardim Kennedy pelo efetivo da Polícia Civil de Mauá. A operação atua tanto na investigação das chacinas como também na contenção do tráfico de drogas na área. Com a presença da polícia, afirma o delegado titular da cidade, não há fluxo de usuários de drogas na favela. “Agora está sossegado por lá”, comenta o delegado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;