Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Base de computadores em uso vai dobrar até 2014



16/04/2010 | 07:00


A base ativa de computadores corporativos e domésticos em uso no Brasil deverá atingir a marca de 140 milhões de máquinas até 2014, o que representará praticamente o dobro da atual, de 72 milhões. Caso a projeção seja concretizada, o País contará com dois computadores para cada três habitantes, ante o patamar atual de cerca de dois para cada cinco. Os dados fazem parte da pesquisa anual de uso da informática, divulgada ontem pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

"O mercado vai vender nos próximos quatro anos praticamente o mesmo volume dos últimos 30 anos", afirmou o coordenador da pesquisa, Fernando Meirelles, professor da FGV. Segundo o especialista, o crescimento será puxado pela expansão da base máquinas voltadas ao uso doméstico, em razão do aumento da renda, sobretudo na classe C, mas também pelo avanço da informatização entre as pequenas e médias empresas.

Meirelles justificou ainda o forte potencial de crescimento da venda de computadores no Brasil nos próximos anos pela baixa penetração per capita entre a população, que está na média de 37%, ante 100% dos Estados Unidos. A previsão da FGV é de que o País atinja a marca de 100 milhões de máquinas em 2012, quando, na média, metade da população terá um computador. "O Brasil foi um dos poucos países a não registrar queda nas vendas no ano passado", destacou.

INVESTIMENTOS - A pesquisa apontou ainda elevação da participação de gastos e investimentos em informática por parte de médias e grandes empresas nacionais privadas em relação ao faturamento líquido. De acordo com o levantamento, essa fatia atingiu 6,4% no ano passado, ante 6% de 2008. A expectativa de Meirelles é de que este patamar evolua para cima de 7% nos próximos anos.

Segundo a pesquisa, os gastos e os investimentos em tecnologia vêm crescendo à média de 5% desde o ano de 2005. As maiores taxas de aumento são originárias das empresas que apresentam menor grau de informatização e do setor de serviços - que registra gastos e investimentos correspondentes a aproximadamente 9% da receita líquida.

Outro segmento com avanço nos investimentos e gastos em tecnologia é o de comércio, com crescimento médio anual de 9%. Isso ocorre em razão do processo de automação e implementação de códigos de barra implementados nos últimos anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;