Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Lula volta a criticar incentivos à Ford


Do Diário do Grande ABC

18/07/1999 | 16:45


O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, participou neste domingo da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Santo André (SP). O presidente Luiz Marinho foi reeleito, por mais três anos, para a presidência. Além de pedir o apoio o apoio da categoria aos dirigentes empossados, Lula voltou a criticar o modelo econômico defendido pelo governo federal, os incentivos fiscais federais concedidos à Ford e a reforma ministerial.

Lula voltou a defender a mudança no atual modelo econômico, com a retomada de projetos voltados para o desenvolvimento industrial, agrícola, turismo e apoio à pequena e média empresas. "Se continuarmos subordinando os interesses econômicos do Brasil aos interesses da agiotagem internacional e do FMI (Fundo Monetário Internacional), a tendência natural é nao retomar o crescimento nem gerar empregos; portanto, nao haverá distribuiçao de renda nem perspectiva de desenvolvimento", disse.

Para ele, a reforma ministerial foi "superficial" e "fictícia". "Fernando Henrique Cardoso mentiu para a sociedade brasileira, quando prometeu mudanças no ministério; foi mais na perspectiva de fazer um discurso para enganar a sociedade; usou a primeira pessoa o tempo todo, num processo de dizer ao povo: 'Olha, nao é o senador Antonio Carlos Magalhaes (presidente do Congresso, do PFL da Bahia) que manda aqui, sou eu'; ou seja, é um presidente que está pecando pela mediocridade", criticou Lula.

Sobre a construçao da fábrica da Ford na Bahia, Lula reafirmou ser favorável à operaçao, desde que haja um limite na concessao de benefícios fiscais federais. "Defendo que o modelo de desenvolvimento brasileiro seja descentralizado, mas nao concordo é que os governos, seja federal ou estaduais, tirem dinheiro público da educaçao, saúde, agricultura para financiar a instalaçao de uma multinacional." Segundo Lula, a Ford teve um faturamento, em 1998, de mais de US$ 150 bilhoes, valor superior ao do Orçamento da Uniao previsto para 2000, de cerca de US$ 100 bilhoes. "Como se explica o governo dar dinheiro para uma empresa dessa?; queremos a Ford, oferecemos mao-de-obra qualificada e barata, infra-estrutura para escoamento da produçao, mercado, até isençao fiscal por 15 ou 20 anos; mas financiar o capital de giro ou sua implantaçao é um contrasenso; estamos privatizando nossas estatais e estatizando as multinacionais", afirmou Lula.

Nesse sentido, Lula e Marinho avaliam que, hoje, o maior desafio do movimento sindical organizado é a luta pela manutençao e surgimento de novos empregos. "A tarefa é mais árdua do que a do sindicalismo no anos 80, que lutava por reajuste salarial", disse. Marinho concorda. "Hoje, precisamos essencialmente responder às demandas conjunturais e o emprego é prioridade absoluta; a partir dele, desenvolveremos as outras demandas", disse Marinho.

Marinho destaca, entre as demais tarefas no segundo mandato, a construçao de sindicatos nacionais. "A partir de resoluçoes da nossa central, a CUT (Central Unica dos Trabalhadores), estamos priorizando a constituiçao dos Sindicato Nacional e do Estadual dos Metalúrgicos da CUT." Os objetivos sao ampliar a representatividade e a capacidade de negociaçao a partir do local de trabalho, explicou Marinho, e, assim, evitar que demandas cheguem à Justiça do Trabalho.

Cerca de mil pessoas, entre sindicalistas e familiares, compareceram à festa da posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no Estádio Bruno Daniel. Também participaram do evento o deputado estadual Jamil Murad (PC do B-SP), e federais Professor Luizinho (PT-SP) e Jair Meneghelli (PT-SP) e o prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;