Economia Titulo
Sabesp: PSOL e PT entram com ação na Justiça para derrubar lei aprovada na Câmara Municipal
22/05/2024 | 18:37
Compartilhar notícia


Mesmo com o ceticismo do governo estadual com relação à judicialização do processo de privatização da Sabesp, a oposição à gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos) protocolou, nesta quarta-feira, 22, uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra o programa. Parlamentares questionam a legalidade do projeto aprovado na Câmara Municipal de São Paulo que autoriza a capital a conceder os serviços de água e esgoto à Sabesp se ela for privatizada.

A ação, de iniciativa dos diretórios estaduais do PT, PSOL e PCdoB, entre outros, afirma que o trâmite do projeto na Câmara dos Vereadores foi "conturbado" e "acelerado" e inviabilizou a efetiva participação popular. A ADI também questiona a apresentação de um laudo de impacto orçamentário e financeiro do projeto para a capital - que a base afirma ter protocolado.

O secretário da Casa Civil, Fabrício Cobra Arbex, chegou a enviar ao presidente da Casa, Milton Leite (União Brasil), um relatório de impacto financeiro, mas que se limitava a dizer que a privatização não traria despesas para o município.

O texto foi aprovado no início deste mês, com 37 votos a favor e 17 contra. Mesmo que a privatização já tenha sido aprovada na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) em dezembro do ano passado, o aval da Câmara era visto como essencial para o avanço do processo, já que a cidade de São Paulo responde por algo entre 45% e 50% da receita total da companhia.

O trâmite

Durante a votação do projeto na Câmara, a oposição questionou a legalidade do processo, se baseando em uma decisão do juíza Celina Kiyomi Toyoshima, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), que dizia que a votação não poderia ocorrer sem o cumprimento de todos os ritos necessários, como uma série de audiências públicas e a apresentação de um estudo de impacto orçamentário e financeiro.

A base do governo argumentou que tinha seguido todos os ritos, mas, poucos dias após a aprovação, a sessão acabou sendo suspensa pelo TJ-SP. Suspensão que não durou muito tempo, já que o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Fernando Antonio Torres Garcia, acolheu um recurso apresentado pela Câmara que fazia voltar a valer a decisão do plenário.

Neste novo passo em busca da judicialização, a oposição pede a "suspensão imediata" da lei aprovada pelos vereadores. "Nossa luta contra a privatização continua, estamos denunciando a inconstitucionalidade que foi a votação na Câmara Municipal e vamos lançar mão de todos os recursos possíveis para impedir que esse crime contra a população de São Paulo e contra as futuras gerações aconteça", explica o vereador Hélio Rodrigues (PT).

Natalia Resende

A secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística do Estado, Natalia Resende, disse na última segunda-feira, durante coletiva de imprensa, que o governo "tem uma tranquilidade muito grande com relação à judicialização" e não está preocupado com uma possível interferência política na desestatização, mesmo com a aproximação das eleições municipais. "Não há temor de se reverter processo de privatização da Sabesp. Acredito que nenhum político vai querer isso", afirmou.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;