Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

EUA consideram essencial manter boas relaçoes com Japao


Do Diário do Grande ABC

17/03/2000 | 10:59


O secretário americano da defesa, William Cohen, disse nesta sexta-feira, durante uma coletiva de imprensa, que é cada vez mais necessário manter boas relaçoes com o governo japonês.

``É essencial preservar a aliança Japao-EUA, a mais forte relaçao bilateral na Asia'', disse Cohen.

A questao que está esquentando os ânimos entre os dois países, seria a presença de 47 mil soldados americanos no país, fato que gera um grande gasto financeira.

Apesar de o Japao nao questionar tal aliança, gostaria de consagrar menos fundos a ela, para limitar a marcada degradaçao de suas finanças públicas.

O governo do Japao pediu aos Estados Unidos que baixem a contribuiçao que tem que pagar por gastos de aquartelamento dos 47 mil soldados, dos quais dois terços estao na ilha de Okinawa.

Tóquio paga atualmente o salário de 25 mil japoneses que trabalham nessas bases, como também as contas da energia elétrica, gás, água e parte dos gastos de transporte das tropas americanas.

Tudo isso significa um gasto de 275,64 bilhoes de ienes (R$ 2,6 bilhoes) durante o ano fiscal que termina no final de março.

Este orçamento é muito maior que os semelhantes da Coréia Sul ou Alemanha, dos países nos quais também estao estacionadas tropas americanas.

Mas os Estados Unidos nao parecem dispostos a ouvir as alegaçoes de seu aliado a respeito disso. Cohen acha que o assunto nao deveria ser abordado de um ponto de vista estritamente econômico e recordou que esta participaçao ``faz parte das obrigaçoes japonesas em virtude dos acordos bilaterais de segurança''.

O secretário americano prevê que uma reduçao da participaçao japonesa poderia afetar o compromisso dos Estados Unidos.

Seja qual for a decisao de Tóquio, os ``Estados Unidos temem que o debate iniciado em torno do problema provoque uma onda de nacionalismo no Japao, segundo um cientista social.

Esta hipótese seria reforçada se levar em conta que o político do momento no Japao é o novo governador de Tóquio, Shintaro Ushibara, considerado ``durao'' e que baseou seu sucesso eleitoral pedindo que uma grande base americana nos arredores da capital passe para o controle japonês.

Resta agora ver o resultado da prova a que será submetida a cooperaçao Japao-EUA quando for transferida uma base aérea e seus correspondentes problemas sonoros para uma localidade ao norte da ilha, apesar da grande hostilidade de seus moradores.

Este delicado assunto foi tema dominante durante a visita, quinta e sexta-feira, de William Cohen, que se desenvolveu num contexto de ``guerra oral nas relaçoes nipo-americanas'', segundo o influente diário Asahi.

Esta relaçao ``é mais importante que nunca'', por causa dos muitos focos regionais de tensao, como Coréia do Norte, China ou Taiwan.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

EUA consideram essencial manter boas relaçoes com Japao

Do Diário do Grande ABC

17/03/2000 | 10:59


O secretário americano da defesa, William Cohen, disse nesta sexta-feira, durante uma coletiva de imprensa, que é cada vez mais necessário manter boas relaçoes com o governo japonês.

``É essencial preservar a aliança Japao-EUA, a mais forte relaçao bilateral na Asia'', disse Cohen.

A questao que está esquentando os ânimos entre os dois países, seria a presença de 47 mil soldados americanos no país, fato que gera um grande gasto financeira.

Apesar de o Japao nao questionar tal aliança, gostaria de consagrar menos fundos a ela, para limitar a marcada degradaçao de suas finanças públicas.

O governo do Japao pediu aos Estados Unidos que baixem a contribuiçao que tem que pagar por gastos de aquartelamento dos 47 mil soldados, dos quais dois terços estao na ilha de Okinawa.

Tóquio paga atualmente o salário de 25 mil japoneses que trabalham nessas bases, como também as contas da energia elétrica, gás, água e parte dos gastos de transporte das tropas americanas.

Tudo isso significa um gasto de 275,64 bilhoes de ienes (R$ 2,6 bilhoes) durante o ano fiscal que termina no final de março.

Este orçamento é muito maior que os semelhantes da Coréia Sul ou Alemanha, dos países nos quais também estao estacionadas tropas americanas.

Mas os Estados Unidos nao parecem dispostos a ouvir as alegaçoes de seu aliado a respeito disso. Cohen acha que o assunto nao deveria ser abordado de um ponto de vista estritamente econômico e recordou que esta participaçao ``faz parte das obrigaçoes japonesas em virtude dos acordos bilaterais de segurança''.

O secretário americano prevê que uma reduçao da participaçao japonesa poderia afetar o compromisso dos Estados Unidos.

Seja qual for a decisao de Tóquio, os ``Estados Unidos temem que o debate iniciado em torno do problema provoque uma onda de nacionalismo no Japao, segundo um cientista social.

Esta hipótese seria reforçada se levar em conta que o político do momento no Japao é o novo governador de Tóquio, Shintaro Ushibara, considerado ``durao'' e que baseou seu sucesso eleitoral pedindo que uma grande base americana nos arredores da capital passe para o controle japonês.

Resta agora ver o resultado da prova a que será submetida a cooperaçao Japao-EUA quando for transferida uma base aérea e seus correspondentes problemas sonoros para uma localidade ao norte da ilha, apesar da grande hostilidade de seus moradores.

Este delicado assunto foi tema dominante durante a visita, quinta e sexta-feira, de William Cohen, que se desenvolveu num contexto de ``guerra oral nas relaçoes nipo-americanas'', segundo o influente diário Asahi.

Esta relaçao ``é mais importante que nunca'', por causa dos muitos focos regionais de tensao, como Coréia do Norte, China ou Taiwan.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;