Política Titulo Reconhecimento
Deputado exalta coragem de jovem que denunciou Hospital da Mulher

Alex Manente visita Raissa Falosi, na Vila São Pedro, e destaca ‘Diário’

Da Redação
20/04/2024 | 21:09
Compartilhar notícia
Pereira, Alex e Raissa, com a pequena Maya, 30 dias, no colo (FOTO: Reprodução/Redes Sociais)


O deputado federal Alex Manente (Cidadania) exaltou a bravura de Raissa Falosi Santos, 20 anos, que conviveu por 19 dias com uma compressa após parto realizado no Hospital da Mulher de São Bernardo. O parlamentar visitou Raissa em sua casa, na Vila São Pedro, e destacou que ela foi a primeira mulher a “denunciar os abusos e negligências” no local. “A sua coragem motivará várias pessoas a denunciarem”, disse o parlamentar, que é pré-candidato a prefeito.

Em vídeo divulgado ontem nas redes sociais, ele conta que foi até a residência da jovem para verificar como ela estava, e aproveitou para parabenizar a imprensa pela divulgação do caso. “No caso dela, eu gostaria de parabenizar o Diário, que deu ampla cobertura e fez com que esse caso tomasse outras proporções e também estimulasse várias mulheres e famílias de São Bernardo a denunciarem os diversos abusos que tivemos no hospital”, afirmou o deputado federal, que estava acompanhado do líder comunitário Alexandre Gil Pereira.

Raissa transformou uma situação traumática em coragem, na avaliação de Alex. A jovem de São Bernardo foi a primeira paciente a denunciar caso de negligência no Hospital da Mulher do município – depois dela, outros cinco episódios de violência obstétrica na unidade foram revelados pelo Diário no decorrer da semana. O deputado federal, juntamente com vereadores de São Bernardo, vai enviar representação ao MP (Ministério Público) para que o órgão investigue os casos.

O CASO

O que era para ser um dos momentos mais lindos e inesquecíveis da vida de Raissa Falosi Santos, se tornou um pesadelo. Após dar à luz a sua primeira filha no dia 18 de março, a jovem saiu do Hospital da Mulher de São Bernardo não apenas com o seu bebê no colo, mas também com um material cirúrgico esquecido em seu corpo.

Entre amamentação e trocas de fralda, Raissa conviveu por 19 dias com uma compressa (espécie de pano utilizado para estancar o sangue) no interior da vagina, próximo ao útero. O item teria sido deixado pela equipe médica após o parto normal ou na colocação do DIU (Dispositivo Intrauterino).




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;