Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Brotam sambas das antigas em ‘As Árvores’


Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

26/09/2005 | 08:30


Maltratado pelos pagodeiros de butique, com suas músicas lacrimosas e de rimas pobres, o samba recebe do cantor e compositor carioca Osvaldo Pereira o carinho de quem conhece bem o estilo e busca fontes certas. Ganhador do Prêmio Sharp 1999, na categoria revelação, o músico buscou as raízes do gênero e encontrou em Noel Rosa sua melhor fonte de inspiração em seu novo disco As Árvores (Dubas Música, R$ 19,90).

Composto por 12 faixas e produzido por Luís Filipe de Lima, traz letras espertas, carregadas de ironia, que reproduzem com roupagem moderna o jeito brejeiro dos bambas das antigas. Um exemplo dessa boa malandragem é o samba Sorriso, com um cinismo típico desses tempos de CPIs. "Quem tem duas caras devia ter paralisia no maxilar", diz um trecho.

Igualmente político, mas impregnado de densidade no tema e na sonoridade, é outro bom momento do álbum, O Artista que Mudou de Profissão, elegia do desencanto de quem sonha em viver da própria arte ("É triste ver pela rua nublada/ De gravata e camisa suada/ O artista que mudou de profissão"). O arranjo de Itamar Assiere e a máquina de escrever percussiva de Beto Cazes se destacam.

Em Poente e Meu Lugar, a ironia cede espaço a quietude e contemplação. Toda a Cidade Vai Cantar de Novo tem feitio de oração, moldada no inconsciente idealista que os mestres do samba souberam deixar. Vento no Bambuzal sopra a brisa do Nordeste, a reboque do pífano de Carlos Malta e das cordas de João Lyra e Nicolas Krassic.

"Eu que vivo de idéias estou faminto", despista Osvaldo em Idéias, acompanhado pelo violão de Carlos Didier, biógrafo de Noel e integrante do extinto grupo Coisas Nossas. Essa faixa tem participação do ritmista Eliseu, que gravou com dez entre dez sambistas a partir da década de 60, e foi redescoberto como flanelinha no Rio. Com tanta qualidade, não é exagero afirmar que Pereira é a árvore dos poetas da nova geração.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brotam sambas das antigas em ‘As Árvores’

Dojival Filho
Do Diário do Grande ABC

26/09/2005 | 08:30


Maltratado pelos pagodeiros de butique, com suas músicas lacrimosas e de rimas pobres, o samba recebe do cantor e compositor carioca Osvaldo Pereira o carinho de quem conhece bem o estilo e busca fontes certas. Ganhador do Prêmio Sharp 1999, na categoria revelação, o músico buscou as raízes do gênero e encontrou em Noel Rosa sua melhor fonte de inspiração em seu novo disco As Árvores (Dubas Música, R$ 19,90).

Composto por 12 faixas e produzido por Luís Filipe de Lima, traz letras espertas, carregadas de ironia, que reproduzem com roupagem moderna o jeito brejeiro dos bambas das antigas. Um exemplo dessa boa malandragem é o samba Sorriso, com um cinismo típico desses tempos de CPIs. "Quem tem duas caras devia ter paralisia no maxilar", diz um trecho.

Igualmente político, mas impregnado de densidade no tema e na sonoridade, é outro bom momento do álbum, O Artista que Mudou de Profissão, elegia do desencanto de quem sonha em viver da própria arte ("É triste ver pela rua nublada/ De gravata e camisa suada/ O artista que mudou de profissão"). O arranjo de Itamar Assiere e a máquina de escrever percussiva de Beto Cazes se destacam.

Em Poente e Meu Lugar, a ironia cede espaço a quietude e contemplação. Toda a Cidade Vai Cantar de Novo tem feitio de oração, moldada no inconsciente idealista que os mestres do samba souberam deixar. Vento no Bambuzal sopra a brisa do Nordeste, a reboque do pífano de Carlos Malta e das cordas de João Lyra e Nicolas Krassic.

"Eu que vivo de idéias estou faminto", despista Osvaldo em Idéias, acompanhado pelo violão de Carlos Didier, biógrafo de Noel e integrante do extinto grupo Coisas Nossas. Essa faixa tem participação do ritmista Eliseu, que gravou com dez entre dez sambistas a partir da década de 60, e foi redescoberto como flanelinha no Rio. Com tanta qualidade, não é exagero afirmar que Pereira é a árvore dos poetas da nova geração.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;