Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mudança no Hospital da Mulher gera polêmica em Sto.André


William Cardoso
Do Diário do Grande ABC

02/02/2009 | 07:00


A Secretaria de Saúde de Santo André desmente, mas a possibilidade de o Hospital da Mulher receber homens tem provocado polêmica entre organizações que defendem os direitos do gênero feminino. A publicação de portaria que credencia a unidade a realizar vasectomias acendeu ainda mais a discussão.

Presidente do Clube de Mães, Valdinéia Santos Cruz coordenou a distribuição de uma carta aberta ao secretário municipal de Saúde, Leonardo Carlos de Oliveira. A informação publicada pelo Diário no dia 21 de que a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) seria aberta aos homens provocou a reação. "São 52 entidades que estão atentas ao processo e que não vão abrir mão dessa conquista."

Valdinéia lembra que, durante a campanha eleitoral, o prefeito Aidan Ravin (PTB) prometeu um hospital geral no Segundo Distrito, região onde está instalado o Hospital da Mulher. A liberação dos leitos de UTI é vista como uma possível brecha para a transformação da unidade por completo. "Ele tem dado abertura para que ocorra essa mudança."

Coordenadora do Movimento de Mulheres Negras de Santo André, Neusa de Oliveira diz que o Hospital da Mulher não pode se transformar no CHM (Centro Hospitalar Municipal). "É especializado, diferenciado. Não pode banalizar. Por que não se reestrutura o antigo hospital?"

As representantes das entidades dos direitos da mulher ressaltam que o espaço recebe muitas vítimas de violência doméstica. O atendimento exclusivo criaria uma atmosfera mais receptiva.

Diretora do Fé-Minina e da Assessoria e Formação Entre Nós, Cleide Alves dos Santos tem opinião mais moderada. Ela não vê descaracterização com a abertura da UTI e a realização de vasectomias. "O que não pode é virar hospital geral." Mulheres ouvidas pelo Diário nas ruas foram favoráveis à abertura parcial. "Do jeito que está precário o CHM, é positiva a liberação de vagas", afirma a auxiliar Roselene Moreira, 35 anos.

O secretário de Saúde explicou que três leitos de UTI serão exclusivos para mulheres, e, os demais, abertos segundo haja necessidade. Disse ainda que o credenciamento para vasectomias tem a única intenção de angariar recursos para o município e que, por serem simples, as intervenções podem ser feitas em outras unidades. "Nunca deixará de ser o Hospital da Mulher."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;