Economia Titulo
Copom 'fecha a porta' para redução maior, e mercado vê Selic em 11,75%
27/09/2023 | 06:48
Compartilhar notícia


O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central considera "pouco provável" um aumento no ritmo de cortes da Selic, tendo como base o atual passo de 0,5 ponto porcentual, e reforça a necessidade de manter uma política monetária ainda contracionista pelo "horizonte relevante", até que se consolide a convergência da inflação para a meta.

As duas mensagens constam da ata da reunião realizada pelo colegiado na semana passada, que terminou pela segunda vez consecutiva com uma redução de 0,5 ponto da taxa básica de juros - desta vez, de 13,25% para 12,75% ao ano.

O texto, divulgado nesta terça-feira, 26, consolidou no mercado financeiro a projeção de que a Selic pode fechar o ano em 11,75%, considerando o anúncio de mais dois cortes nas reuniões do Copom no início de novembro e em meados de dezembro. Essa é a estimativa de 52 instituições ouvidas pelo Projeções Broadcast, de um total de 60. Ainda pela mediana da pesquisa, o atual ciclo de cortes deve se encerrar em 2024 com a Selic em torno de 9%.

"Sem ancoragem sólida das expectativas, o Banco Central não vai alterar esse ritmo de redução na Selic", afirmou a economista-chefe do Banco Inter, Rafaela Vitória. Para ela, a ata adotou um tom mais duro, com destaque para a preocupação do BC com o cenário externo - há receio no mercado de que o Federal Reserve (o banco central americano) volte a elevar as taxas no país. "Os juros mais fortes lá fora pressionam o câmbio. Tivemos surpresas para cima nas cotações de algumas commodities, que ainda não bateram nos preços ao consumidor."

A avaliação do economista-chefe da G5 Partners, Luís Otávio de Souza Leal, também é de que a ata corrobora a percepção de que o BC não terá espaço para acelerar o ritmo de cortes da Selic neste ano. "Na verdade, considerando que o final de ano vai ser bom em termos de crescimento, eu acho mais fácil o Copom reduzir o ritmo para cortes de 0,25 ponto porcentual do que acelerar para 0,75 ponto", disse ele.

'Unanimidade'

Na ata, os integrantes do Copom falam em consenso sobre os próximos passos do colegiado. "Os membros do comitê concordaram unanimemente com a expectativa de cortes de 0,50 ponto porcentual nas próximas reuniões e avaliaram que esse é o ritmo apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário", diz o texto divulgado ontem. "O comitê julga como pouco provável uma intensificação adicional do ritmo de ajustes, já que isso exigiria surpresas positivas substanciais que elevassem ainda mais a confiança na dinâmica desinflacionária prospectiva."

Nesse contexto, o colegiado reafirmou as condições que indicariam uma maior confiança nesse processo, como "uma reancoragem bem mais sólida das expectativas, uma abertura contundente do hiato do produto (o espaço que o PIB tem para se expandir sem que estimule uma inflação de demanda) ou uma dinâmica substancialmente mais benigna do que a esperada da inflação de serviços".

Ainda segundo o comitê, o ritmo de 0,50 ponto porcentual "conjuga o firme compromisso com a reancoragem de expectativas e a dinâmica desinflacionária e o ajuste no nível de aperto monetário em termos reais diante da dinâmica mais benigna da inflação antecipada nas projeções do cenário de referência".

Antes da reunião da semana passada, uma parte do mercado acreditava que poderia haver pelo menos um corte de 0,75 ponto na Selic em uma das próximas reuniões do Copom neste ano.

'Desconfiança'

Durante participação no J. Safra Brazil Conference, ontem em São Paulo, o diretor de Política Monetária do BC, Gabriel Galípolo, disse que a "desconfiança" do mercado sobre a execução do novo arcabouço fiscal estaria impedindo a convergência das expectativas de inflação para a meta de 3% nos próximos anos.

Segundo Galípolo, na comparação com o início do ano surpresas positivas relacionadas à condução da política fiscal melhoraram as perspectivas e derrubaram para 0,8% as projeções dos economistas para o déficit primário do ano que vem, como proporção do Produto Interno Bruto (PIB).

Ele considerou, porém, que a desancoragem parcial das expectativas de inflação estaria mais relacionada com o funcionamento do arcabouço do que propriamente com o cumprimento de suas metas. O diretor contou já ter ouvido no mercado investidores que preferem um cenário de déficit maior, porém com menos impulso fiscal. "Existe ainda uma desconfiança sobre a execução do arcabouço, isto está presente", disse ele, que enfatizou que as expectativas são essenciais na condução da política monetária. (COLABORARAM DANIEL TOZZI MENDES, CÍCERO COTRIM e EDUARDO LAGUNA)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;