Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Aliança entre Telefónica e BBVA faz Bolsa de Madri disparar


Do Diário do Grande ABC

14/02/2000 | 11:16


O acordo assinado na sexta-feira entre a Telefónica, a maior empresa privada da Espanha, e o BBVA (Banco Bilbao Vizcaya Argentaria), a instituiçao financeira mais poderosa do país, fez nesta segunda-feira disparar a Bolsa de Madri. Logo de manha, o Ibex-35, que negocia as principais açoes espanholas, subiu 0,93% nos primeiros 15 minutos do pregao. O índice foi alavancado, principalmente, pelos papéis do BBVA, que dispararam quase 5%, e os da Telefónica, que subiram nesses primeiros 15 minutos 1,13%. Alguns minutos depois, a Bolsa de Madri subia 3 2%. Com a aliança assinada na sexta-feira - a Telefónica abosorve 3% do BBVA, que por sua vez passa a deter 10% da operadora -, os dos conglomerados espanhóis com forte presença na América Latina, vao iniciar negócios conjuntos na Internet, entre eles, serviços e transaçoes finaceiras por meio de ligaçoes a partir de celulares.

Na semana passada, a Bolsa de Madri viveu um período histórico, provocado, principalmente, pela euforia da aliança entre a Telefónica e o BBVA. O Ibex subiu 13% em cinco dias úteis, um recorde, considerando que foi a semana mais positiva desde a crise de 1998. A operaçao entre a Telefónica e o BBVA atraiu a atençao de todo tipo de investidores, entre eles minoritários, institucionais e estrangeiros. Essa aliança fez tremer, segundo a imprensa espanhola, as estruturas empresariais e políticas espanholas, porque deixou pequeno qualquer projeto para o desenvolvimento de negócios financeiros por meio de outros canais (Internet, telefonia móvel, por exemplo) e cria grandes incertezas pelo distanciamento entre Juan Villalonga, presidente da Telefónica, e o governo, presidido pelo seu amigo de infância, José Maria Aznar.

A aliança entre os dois conglomerados tem várias interpretaçoes estratégicas, afirma nesta segunda-feira o "El País". A primera, é que os negócios do futuro se articulam em torno da Internet e da telefonia móvel. Analisando isso, "resulta que é necessário dotar de conteúdo as redes virtuais e de comunicaçao, daí a fusao entre a AOL e a Time Warner". Ou seja, acrescenta o jornal, "as operaçoes de concentraçao nos Estados Unidos e na Europa aceleram a urgência de organizar a simbiose rede-conteúdos".

Do ponto de vista empresarial, afirma o "El País", a operaçao Telefónica-BBVA parece uma resposta voltada a formar um grupo capaz de explorar os negócios das novas tecnologias. Por outro lado, também tem um componente político. A aliança de Villalonga com um dos acionistas de seu núcleo estável é mais outro passo na direçao de ganhar autonomia em relaçao ao governo espanhol, com o qual o presidente da Telefónica parece nao se sentir mais a vontade nos últimos meses.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;