Esportes Titulo
Carli Lloyd detona seleção dos EUA e diz que classificação foi ?sorte?
02/08/2023 | 07:29
Compartilhar notícia


Atuais bicampeãs do torneio, os EUA sofreram para se classificar para as oitavas de final da Copa do Mundo de 2023. O empate contra Portugal na terceira rodada foi o suficiente para as norte-americanas avançarem para o mata-mata, mas com apenas 5 pontos, o segundo lugar conquistado no Grupo E foi a pior campanha dos Estados Unidos em uma fase de grupos de um Mundial.

Para Carli Lloyd, ex-capitã da seleção norte-americana, o resultado é inaceitável. Em entrevista à Fox Sports, a meio-campista detonou suas antigas companheiras e classificou a postura delas como "arrogante". A jogadora entende que os EUA não são mais imbatíveis como foram durante seu período de atuação. "Pensamos que podemos simplesmente entrar e vencer jogos. E esse não é mais o caso e as equipes veem isso. Elas veem a arrogância dos EUA sabem que esse time não é mais imparável", afirmou a atleta.

A partida que selou a classificação para as oitavas de final foi tensa. Os EUA fizeram um jogo parelho contra Portugal e, se não fosse por uma bola portuguesa na trave nos acréscimos, talvez não estivessem nas oitavas de final. "A melhor jogadora em campo foi a trave. Vocês são sortudas de não estarem indo para casa", afirmou Lloyd.

A jogadora também se incomodou com a celebração efusiva de nomes como Alex Morgan, Megan Rapinoe e Crystal Dunn, que dançaram após a classificação. "Eu nunca vi algo assim. Uma coisa é ser respeitoso com os fãs e dizer Oi a sua família, outra é dançar e sorrir".

Lloyd ainda criticou as atitudes extracampo das atuais atletas da seleção, afirmando que faltava motivação para muitas delas. "Tudo começou a mudar depois de 2020 com todas essas coisas extracampo que estão acontecendo. Você coloca a camisa e tem que se doar ao máximo pelas pessoas que vieram antes de você e pelas pessoas que virão depois. Eu não vejo essa paixão".

Um dos fatores extracampo que a meio-campista menciona é o fato de que boa parte das jogadoras se recusa a cantar o hino nacional antes das partidas. O gesto, ou a falta dele, não é novidade e ocorre desde o Mundial de 2019. De acordo com a zagueira Noemi Girma, o foco das atletas é o jogo e a questão do hino nacional é algo que está em segundo plano na mente das americanas. "No final, cada jogadora pode escolher o que quer fazer, é tudo o que tenho a dizer", ela afirmou durante coletiva de imprensa.

Nem todas as atletas justificam a ação deliberada de não cantar o hino, algo que é criticado por torcedores e comentaristas nos EUA, mas a seleção americana não tem o melhor dos relacionamentos com a canção do país.

Uma das líderes do elenco, Megan Rapinoe já chegou a afirmar que nunca mais cantaria o hino dos EUA devido as inúmeras injustiças e preconceitos que ocorrem no país. Desde 2016, a atacante já se ajoelhou inúmeras vezes durante a canção, imitando o protesto antirracistas iniciado pelo jogador de futebol americano Colin Kaepernick.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;