Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Mulheres e negros ganham mínimo


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

04/12/2006 | 22:03


Mulheres, negros, pessoas que não são chefes de família, com baixo grau de escolaridade, que realizam trabalhos domésticos ou em empresas privadas sem carteira assinada. Esse é o perfil geral das pessoas que ganham até um salário mínimo no Brasil, ou seja, R$ 350.

Esses dados são do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) obtidos por meio de informações mensais da PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego), mas com base nos números coletados ao longo de 2005. Os trabalhadores entrevistados são das regiões metropolitanas de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e Distrito Federal.

Apesar do resultado geral, algumas regiões apresentaram particularidades que fogem à regra na conclusão do estudo. O Nordeste é o local que mais apresenta trabalhadores ganhando até um salário mínimo, 16,2%. Porém, o índice é maior quando se refere a quem ganha menos do que o piso fixado pelo governo federal. Na região de Recife são 23,7% do pessoal ocupado, sendo 36,7% chefes de família, e em Salvador 20,9%, dos quais 33,1% são responsáveis pela renda do lar.

Em São Paulo, os números também são preocupantes. Apesar de ser a região que apresenta as maiores remunerações, 4,8% ganham R$ 350. “Mas se agregar quem recebe até um mínimo (12,5%), sobe para mais de 17%. É muita coisa para a região mais desenvolvida do país (com 31% na posição de chefia do lar). E preocupante para um local com alto custo de vida. São Paulo, depois de Recife e Salvador, é a que tem mais pessoas ganhando menos de um salário mínimo”, afirma Frederico Melo, economista técnico do Dieese de Minas Gerais.

Melo acredita que a pesquisa conseguiu deixar claro a discriminação da mulher e do negro, pois em todas as cidades eles são os que recebem menor remuneração. “Salvador, na questão dos negros, é a mais gritante e aparece como uma capital racista”, diz.

Quanto às mulheres, os baixos salários são engrossados pela questão do trabalho doméstico, que conta com 95% de participação da mão de obra feminina. Em São Paulo, cerca de 30% das domésticas, reforçadas pelas diaristas, recebem menos de um salário mínimo. “Ou elas não conseguem local para trabalho ou não têm como conciliar com as tarefas da própria residência”, explica o técnico.

Para Melo, o estudo também aponta para a importância da valorização do salário mínimo no país. “O papel do mínimo é o combate à desigualdade no mercado de trabalho. Atinge os trabalhadores mais desprotegidos da legislação, que não tem um sindicato ou carteira assinada para reivindicar”, afirma. Para o Dieese, o piso no país para um chefe de família deveria ser R$ 1,6 mil.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;