VIVIA JANDO Titulo Coluna
A Hurb deu o pontapé inicial
Por Rodermil Pizzo
26/04/2023 | 16:17
Compartilhar notícia


 Esta semana o CEO da Hurb, empresa que iniciou suas atividades sendo Hotéis Urbanos, em plataforma de vendas on-line, e com um histórico de atividades que somam mais de 12 anos no turismo, se tornou pivô de discussão e noticiário negativo sobre a relação das empresas de turismo com empregados, fornecedores, clientes e associados.

Eu não tratarei da mesma questão, pois o assunto foi amplamente discutido e apresentado por diversos meios de comunicação. Deu-se que João Ricardo Mendes, executivo maior da empresa, em um vídeo ofende e até ameaça cliente, que estava publicando em redes sociais questões relacionadas a quebra de contrato, prejuízos e descaso da empresa Hurb com os turistas.

Caso queiram saber mais sobre o assunto, busquem nos sites de procura: “CEO da Hurb renuncia após vazamento de vídeo em que xinga clientes” e lograrão entender o ocorrido na íntegra.

Neste texto, apenas quero esclarecer, com propriedade de causa, o que ocorre nos bastidores do turismo, para que descontroles e ataques como estes feitos pelo CEO da Hurb venham a ocorrer.

O mercado do turismo, diferentemente do que se pensa, é uma máquina de fazer “loucos”.

As fotos e imagens de férias e diversão, que decoram as paredes das agências de viagens com mensagens e slogans de paraíso na terra, gente sorrindo, assim como os atendentes de aeroportos ou hotéis com uniformes ajustados e bem passados, demonstrando postura feliz, ou, ainda, guias de turismo com sua gentileza cotidiana e corriqueira, escondem um backstage de muita pressão, terror, metas inatingíveis, prejuízos, cobranças e, acima de tudo, muita hostilidade, desonestidade e competitividade desumana entre todos que formam o trade.

O turismo tem o dom de transformar os profissionais em seres competitivos e arrancar seus pesos de consciência e empatia.

As empresas focam em quebrar e denegrir outras empresas, como forma de se manter no mercado. A comemoração pela desgraça alheia de pares semelhantes é o maior troféu entre os profissionais do setor.

CEOs que se mostram nas mídias como amigáveis e acessíveis são as pessoas mais hostis que você pode conhecer em sua vida.

Fora dos ambientes das feiras de turismo, das rodas de famtour ou ainda nas redes sociais, estes profissionais são verdadeiros amargores profissionais.

Um grande amigo do turismo, CEO de grandes empresas, confidenciou-me há algumas semanas que somente pós-Covid teve tempo de rever seus conceitos de trato com a vida como um todo.

O mesmo que sempre esteve à frente de grandes lideranças do turismo confessou, ainda, que mudou seu estilo e que agora reconhece o quanto necessitava desta mudança de posturas profissional e pessoal, adotando um modelo mais gentil, mais humano e mais saudável para si e para todos que o rodeiam. E eu fiquei muito feliz por ele ter compartilhado isso comigo. Pelo menos um profissional já está fazendo nova história.

Todavia, o mesmo vírus da humanidade que contaminou este meu amigo, infelizmente, não foi epidêmico, pois, ao analisar o vídeo do CEO da Hurb e seu conteúdo, desnecessário, desumano e absurdo, se nota claramente um profissional que sofre de uma pressão absurda e está à beira do caos emocional e social. Esta atitude é um pedido de ajuda. O ataque foi a forma de defesa.

Isso justifica? Claro que não! Porém, eu entendo e aceito como explicação.

Rodermil Pizzo é doutorando em Comunicação, mestre em Hospitalidade e colunista do Diário, da BandFMBrasil e do Diário Mineiro.




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;