Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

India aceita diálogo com o Paquistao


Do Diário do Grande ABC

08/06/1999 | 10:17


A India aceitou nesta terça-feira o diálogo com o Paquistao, em torno do conflito armado em Cachemira, mas seguirá atacando as centenas de combatentes islâmicos entrincheirados nas montanhas, perto da fronteira entre os dois países.

Ao final de uma semana, a India respondeu uma proposta de Islamabad para que o chefe da diplomacia paquistanesa, Sartaj Aziz, visite Nova Délhi, no próximo sábado, dia 12.

Em Cachemira, o conflito continua. Tropas terrestres e avioes indianos atacaram outra vez posiçoes no alto das montanhas, onde estao centenas de combatentes que teriam penetrado no Norte da Cachemira indiana a partir do Paquistao, perto da chamada ``linha de controle'' que separa os dois países.

O Paquistao, que desmente dar apoio às forças infiltradas, havia proposto o diálogo para encontrar meios de reduzir a tensao na regiao, onde os combates acontecem há um mês.

A princípio, Islamabad havia proposto segunda-feira como a data para uma visita de Aziz a Nova Délhi, mas a India, afirmando ser vítima de uma ``agressao'' paquistanesa, retrucou, afirmando que a data nao era conveniente, dando a impressao de que as portas para o diálogo estavam fechadas.

Num discurso pronunciado na segunda-feira, o primeiro-ministro indiano, Atal Behari Vajpayee, disse que seu país está aberto ao diálogo, mas apenas sobre um tema: como fazer com que o Paquistao se abstenha de participar da luta. O ministro das Relaçoes Exteriores da India, Jaswant Singh, disse ao jornal britânico Finantial Times que entre 1.200 e 1.500 guerrilheiros haviam se infiltrado na India desde o começo do conflito.

Singh disse que as infiltraçoes paquistanesas apontavam o Norte da Cachemira indiana como ``um trampolim para uma insurreiçao mais ampla, inspirada em lideranças radicadas no exterior''.

A India anunciou ter matado pelo menos 221 soldados paquistaneses desde 9 de maio. Segundo Nova Délhi, os infiltrados fazem parte das tropas regulares paquistanesas, somados a mujahedines da Cachemira, para camuflar o conflito como uma ``guerra santa''.

Nos últimos dias, os ataques indianos com artilharia foram multiplicados, enquanto que a aviaçao tem efetuado os bombardeios mais intensos desde quando começou a ser usada como reforço, em 26 de maio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

India aceita diálogo com o Paquistao

Do Diário do Grande ABC

08/06/1999 | 10:17


A India aceitou nesta terça-feira o diálogo com o Paquistao, em torno do conflito armado em Cachemira, mas seguirá atacando as centenas de combatentes islâmicos entrincheirados nas montanhas, perto da fronteira entre os dois países.

Ao final de uma semana, a India respondeu uma proposta de Islamabad para que o chefe da diplomacia paquistanesa, Sartaj Aziz, visite Nova Délhi, no próximo sábado, dia 12.

Em Cachemira, o conflito continua. Tropas terrestres e avioes indianos atacaram outra vez posiçoes no alto das montanhas, onde estao centenas de combatentes que teriam penetrado no Norte da Cachemira indiana a partir do Paquistao, perto da chamada ``linha de controle'' que separa os dois países.

O Paquistao, que desmente dar apoio às forças infiltradas, havia proposto o diálogo para encontrar meios de reduzir a tensao na regiao, onde os combates acontecem há um mês.

A princípio, Islamabad havia proposto segunda-feira como a data para uma visita de Aziz a Nova Délhi, mas a India, afirmando ser vítima de uma ``agressao'' paquistanesa, retrucou, afirmando que a data nao era conveniente, dando a impressao de que as portas para o diálogo estavam fechadas.

Num discurso pronunciado na segunda-feira, o primeiro-ministro indiano, Atal Behari Vajpayee, disse que seu país está aberto ao diálogo, mas apenas sobre um tema: como fazer com que o Paquistao se abstenha de participar da luta. O ministro das Relaçoes Exteriores da India, Jaswant Singh, disse ao jornal britânico Finantial Times que entre 1.200 e 1.500 guerrilheiros haviam se infiltrado na India desde o começo do conflito.

Singh disse que as infiltraçoes paquistanesas apontavam o Norte da Cachemira indiana como ``um trampolim para uma insurreiçao mais ampla, inspirada em lideranças radicadas no exterior''.

A India anunciou ter matado pelo menos 221 soldados paquistaneses desde 9 de maio. Segundo Nova Délhi, os infiltrados fazem parte das tropas regulares paquistanesas, somados a mujahedines da Cachemira, para camuflar o conflito como uma ``guerra santa''.

Nos últimos dias, os ataques indianos com artilharia foram multiplicados, enquanto que a aviaçao tem efetuado os bombardeios mais intensos desde quando começou a ser usada como reforço, em 26 de maio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;